Radar: Braskem (BRKM5) discute venda; Petro Rio (PRIO3) fará oferta

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo destaca que a venda da Braskem (BRKM5) deve voltar a ser discutida a partir de fevereiro.

Grupo Ultra (UGPA3) pode fazer mais desinvestimentos para adquirir refinarias da Petrobras (PETR3 PETR4). A Extrafarma, empresa de varejo farmacêutico, também pode ser vendida, além da Oxiteno.

Já a Suzano (SUZB3) aprovou investimentos de R$ 4,9 bi para 2021, superando os números deste ano (R$ 4,2 bilhões).

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

A Petro Rio (PRIO3) aprovou a contratação de assessores para uma oferta de ações (follow on) de US$ 250 milhões com esforços restritos.

Neogrid (NGRD3), que faz IPO na quinta (17), precifica ação em R$ 4,50 – abaixo da faixa indicativa de R$ 5,50 a R$ 7,25,

A Eztec (EZTC3) teve aprovação pela CVM de registro de companhia aberta da controlada EZ Inc.

Lojas Renner (LREN3), Totvs (TOTS3), WEG (WEGE3), Engie (EGIE3), CCP (CCPR3) e Fras-le (FRAS3) informam sobre proventos.

Veja mais destaques:

Braskem (BRKM5) terá venda discutida

Segundo o Valor, a Odebrecht espera retomar entre fevereiro e março conversas para a venda de sua participação de 38,3% na Braskem.

Enquanto isso, a Petrobras (PETR3 PETR4) aumenta a pressão para se desfazer de sua fatia de 36,01% do capital da empresa. A estatal vem cobrando celeridade quanto aos problemas enfrentados pela Braskem no México e em Alagoas.

Ultra (UGPA3) pode desinvestir

De acordo com o Valor, o grupo Ultra (UGPA3) confirmou que estuda utilizar os recursos levantados com a venda da Oxiteno para adquirir uma das refinarias da Petrobras. A empresa estaria em processo de desinvestimento, que também poderia incluir a Extrafarma, de varejo farmacêutico, cogita a reportagem.

Petro Rio (PRIO3) fará follow on

A Petro Rio (PRIO3) aprovou nesta terça a contratação de assessores para realizar oferta pública de ações ON no valor de US$ 250 milhões.

Segundo a empresa, os recursos obtidos com o follow on serão investidos em ativos próprios e potenciais novos negócios.

“O Conselho de Administração aprovou o início dos trabalhos e os procedimentos para escolha e contratação de assessores visando à realização de oferta pública de distribuição com esforços restritos de ações ordinárias, nominativas, escriturais, sem valor nominal”, disse a companhia.

Suzano (SUZB3) anuncia investimentos

A Suzano (SUZB3) anunciou a aprovação de investimentos de R$ 4,9 bi para 2021.

Esse número é maior do que o de 2020, com investimentos somados de R$ 4,2 bilhões.

“A companhia mantém sua estimativa de Capex para o exercício social de 2020 no valor de R$ 4,2 bilhões, conforme divulgada no Fato Relevante de 14 de maio de 2020″, afirmou a Suzano.

O Conselho de Administração da companhia aprovou a estimativa de Capex para o exercício de 2021 de R$ 4,9 bilhões em reunião de 4 de dezembro de 2020.

“A elevação em relação a 2020 decorre, principalmente, do maior investimento em Capex de manutenção, em razão da valorização do dólar médio frente ao real, do plano de contingências de 2020”. observa a Suzano.

Parte dos projetos deste ano foi postergada para 2021, lembra a companhia.

O montante de Capex do próximo ano inclui maior concentração de investimentos em máquinas e equipamentos florestais e elevação de produção prevista para 2021.

“Com relação aos demais investimentos, o maior dispêndio está associado a terras e florestas, que representam, na visão da companhia, o valor mínimo necessário para que ela mantenha a meta de crescimento no longo prazo e sua competitividade”, explica a Suzano.

Venda da OIBR4 reduz distância entre concorrentes

Uma análise do banco Credit Suisse indica que, se aprovada pelo Cade, a absorção de parte dos mais de 33 milhões de usuários da Oi, reduzirá a distância entre as demais concorrentes de telefonia móvel. A líder de mercado Vivo (VIVT4) saltaria de 33% para 37,7%. A Claro iria dos atuais 26% para 31,1%. E a TIM (TIMS3) aumentaria sua participação de 23,3% para 29,7%.

Associação vai questionar leilão da Oi

Segundo o Estadão, a Associação NEO pretende questionar junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) o resultado do leilão do braço de telefonia móvel da Oi.

A associação, que congrega 140 empresas entre operadores de TV por assinatura e provedores de internet, afirma que a venda comprometeria a concorrência. Para a consultoria Omdia, o serviço de telefonia móvel do País teria a maior concentração dos últimos 15 anos.

Neogrid (NGRD3) precifica ação

A companhia de softwares Neogrid, que estreia na bolsa amanhã (17) fixou preço de R$ 4,50 por ação, abaixo da faixa indicativa inicial, que ia de R$ 5,50 a R$ 7,25, informa o Valor.

RRRP3 confirma participação em vendas da PETR4

A 3R Petroleum confirmou que está participando de processos de desinvestimento da Petrobras e citou como exemplo os dos polos localizados no Espírito Santo e Bahia. O mais adiantado é o último, que está em fase final. Porém, segundo a companhia, não é possível antecipar, neste momento, se as operações serão concluídas.

O comunicado foi em resposta a questionamento da CVM sobre movimentações atípicas com a ação na bolsa de valores, cujo preço passou de R$ 24,06 no começo do mês para R$ 31,95 na segunda-feira (14) e o volume financeiro praticamente triplicou.

A companhia atribui o movimento também à valorização do preço do petróleo e à melhora do ambiente macroeconômico.

DMMO3 tem alteração acionária relevante

A Dommo Energia (DMMO3) informou que o Banco Ourinvest subscreveu 29.005.078  ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal de emissão.

As novas ações correspondem a 9,42% doa papéis  de emissão da companhia.

“A participação da acionista é decorrente da conversão de dívidas em ações de emissão da companhia, conforme descrito em comunicados divulgados pela companhia em 21 de outubro e 9 de dezembro de 2020”, diz a Dommo.

“A aquisição das ações não visa alterar a composição do controle da companhia ou a estrutura administrativa da sociedade”, acrescenta a Dommo.

2º prévia do Ibovespa confirma ENEV3, JHSF3, LCAM3 e CPLE6

A B3 não alterou a composição do Ibovespa prevista para o período de janeiro a abril de 2021 na segunda prévia que será divulgada hoje. Na primeira, anunciada no dia 1º de dezembro, a B3 tinha incluído as ações ordinárias da Eneva (ENEV3), JHSF (JHSF3) e Unidas (LCAM3), além das ações preferenciais tipo B da Copel (CPLE6). Nenhum papel foi excluído e o índice terá 81 ativos de 78 empresas. Uma terceira e última prévia ainda será anunciada, no dia 19.

Eztec (EZTC3): CVM aprova registro de controlada

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) aprovou o registro de companhia aberta da controlada EZ Inc, da Eztec (EZTC3).

“A empresa informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que foi deferido o registro de companhia aberta categoria“A” da EZ INC Incorporações Comerciais, controlada da companhia”, informa a Eztec.

“A companhia manterá o mercado atualizado a respeito dos desenvolvimentos relacionados à EZ Inc respeitadas as restrições constantes das normas da CVM e demais legislação aplicáveis”, complementa o comunicado da empresa divulgado nesta terça (15).

BKBR3: Morgan Stanley reduz participação

O Burger King (BKBR3) comunicou nesta terça que o Morgan Stanley reduziu sua participação acionária para 4,8%.

“A participação societária detida pelo Morgan Stanley alcançou 13.180.256 de ações ordinárias, 4,8% das ações de emissão da companhia”, diz o comunicado da empresa.

O Morgan Stanley detinha 5% de participação.

Fras-le (FRAS3) aprova JCP

A Fras-le (FRAS3) aprovou a remuneração de R$ 37,49 mi em Juros sobre Capital Próprio (JCP).

Esse valor corresponde a R$ 0,17477 por ON,

“Terão direito aos juros sobre o capital próprio todos os acionistas titulares de ações de emissão da companhia em 18 de dezembro de 2020”, informa a Fras-le.

“As ações serão negociadas ex-direitoa os juros sobre o capital próprio a partir do dia 21 de dezembro de 2020”, adiciona.

“A data de início de pagamento será o dia 20 de janeiro de 2021. A remuneração estará sujeita à retenção de 15% de imposto de renda na fonte, respeitadas as exceções legais”, lembra a companhia.

Lojas Renner (LREN3) aprova JCP de R$ 60,475 mi

A Lojas Renner (LREN3) aprovou Juros sobre Capital Próprio no valor bruto de R$ 60,475 mi, ou R$ 0,0762 por ação.

“Serão 793.011.525 ações ordinárias, das quais já foram excluídas as ações em tesouraria”, diz a Renner.

“De acordo com a legislação vigente, farão jus aos juros os acionistas da Companhia detentores de ações em 18 de dezembro de 2020″, informa a empresa.

Dessa forma, a partir de 21 de dezembro, as ações da Companhia serão negociadas “Ex-JSCP”.

Totvs (TOTS3): pagamento de JCP de R$ 0,10 por ação

O conselho de administração da Totvs (TOTS3) aprovou o pagamento de JCP de R$ 0,10 por ação.

O montante total será de R$ 56,77 milhões.

“Terão direito aos JCP todos os acionistas titulares de ações na data base de 21 de dezembro de 2020”, informa a empresa.

“As negociações de ações a partir do dia 22 de dezembro de 2020, inclusive, serão realizadas ex-JCP”, complementa a empresa.

Guararapes (GUAR3) inaugura loja em SP

A Guararapes (GUAR3) anunciou a inauguração da 324ª unidade das Lojas Riachuelo.

A nova unidade fica localizada no Shopping Pátio Paulista, em São Paulo (SP).

EcoRodovias (ECOR3) tem queda no tráfego

A EcoRodovias (ECOR3) apresentou nesta terça-feira (15) os números prévios de volume de tráfego em suas estradas. De acordo com os dados divulgados, a companhia registrou queda de 11,1% entre 16 de março e 13 de dezembro de 2020 em relação ao mesmo período de 2019, ainda em decorrência da pandemia do coronavírus. Com as medidas de distanciamento social, o tráfego de veículos caiu.

Conforme nota à Comissão Mobiliária de Valores (CVM), entre as empresas da EcoRodovias, a que sofreu a maior queda foi a da Ecoponte. Houve queda de 20,7%. Em segundo lugar, ficou a Ecopistas, que registrou baixa de 20,5%.

As únicas estradas que apresentaram alta foram a Ecovia Caminho do Mar e Eco 101 com aumento de 5,5% e 1,7%, respectivamente. Além disso, a Ecovias dos Imigrantes teve queda de 8,9%.

Unidas (LCAM3) adquire iTer Telecomunicações

A Unidas (LCAM3) comunicou que, por meio de sua subsidiária Agile Gestão de Frotas e Serviços, fechou acordo com a iTer Telecomunicações e Serviços para aquisição da companhia.

O acordo prevê a incorporação de sua subsidiária integral, a Unidas Agro Locação de Veículos, a fim de simplificar sua estrutura organizacional e reduzir custos administrativos e operacionais.

A transação ainda prevê condições precedentes, entre elas a transformação da iTer em sociedade por ações. Não foi informado o valor da transação.

BTG: Cogna (COGN3) não explica como desalavancar

O BTG participou do evento virtual do Dia do Investidor da Cogna (COGNA3), onde a empresa frustrou investidores ao não fornecer dados de como pretender reduzir o nível de deslavancagem.

De acordo com o banco, alguns investidores esperavam ouvir sobre os planos de vendas de ativos (o que poderia trazer um retorno patrimonial considerável), mas essa ideia definitivamente não foi expressa pela empresa. A decepção foi sentida na queda de 5% das ações no pregão de ontem (14).

Apesar das melhores tendências de geração de caixa e Ebitda divulgados pela Cogna (+ 25% CAGR 20-24).

Além disso, o BTG destaca que o cenário para o segmento de graduação ainda parece desafiador, dada a alavancagem operacional negativa da Kroton Campus, que se combinou com uma alavancagem financeira ainda elevada (bem acima de seus pares principais) o que deve evitar qualquer fluxo de caixa positivo a curto prazo.

Dessa forma, o BTG permanece neutro em relação à Cogna. O preço-alvo fixado para companhia é de R$ 5,40 nos próximos 12 meses.

WEG (WEGE3) paga JCP

A Weg (WEGE3) aprovou nesta terça (15) a distribuição de Juros sobre Capital Próprio no valor total de R$ 77.369.589,06

Esse montante corresponde a R$ 0,0368 por ação. Ex-dividendos serão pagos a partir de 21 de dezembro, lembra a Weg.

“O pagamento de JCP ocorrerá em 10 de março de 2021 e será feito pelo valor líquido, de R$ 0,031350000 por ação, já deduzido o imposto de renda na fonte de 15%”. especifica a companhia.

“De 21 de dezembro de 2020 em diante, as ações serão negociadas ‘ex-juros sobre capital próprio'”, acrescenta o documento da Weg ao mercado.

Engie (EGIE3): dividendos de R$ 0,6795 por ação

Engie (EGIE3) informou que foi aprovado o pagamento de dividendos de R$ 0,6795 por ação e de JCP de R$ 0,2144 por ON.

“O valor dos dividendos intercalares adicionais será de R$ 554,4 milhões”, afirma a empresa.

As ações da Companhia serão negociadas ex-dividendos adicionais a partir de 21 de dezembro de 2020, complementa o comunicado da Engie.

“Somados os dividendos intercalares adicionais aos intercalares aprovados na 206ª Reunião do Conselho de Administração, realizada em 30 de julho de 2020, representam um payout de 100% do lucro líquido ajustado do primeiro semestre de 2020”, informa a nota.

O valor bruto dos juros sobre o capital próprio será de R$ 175 milhões, correspondentes a R$ 0,2144797773por ação.

O crédito dos juros sobre o capital próprio, nos registros contábeis da companhia, ocorrerá em 31 de dezembro de 2020.

CCP (CCPR3): dividendos no valor total de R$ 135 mi

A Cyrela Commercial Properties, CCP (CCPR3) anunciou que pagará em 23 de dezembro dividendos no valor total de R$135 mi.

Esse valor corresponde a R$0,8844 por ação ordinária.

“Têm direito ao dividendo declarado os acionistas da companhia na data-base de 9 de dezembro de 2020”, diz a CCP.

As ações da companhia são negociadas “ex-dividendos” desde 10 de dezembro de 2020.

Dimed (PNVL3 PNVL4) tem novo diretor-presidente

A Dimed (PNVL3 PNVL4) elegeu Julio Ricardo Mottin Neto como diretor-presidente. Foram reeleitos Roberto Coimbra Santos como diretor executivo e Antônio Carlos Tocchetto como diretor de relações com investidores.

A empresa também informa que o fundo Centauro I atingiu participação de 5,3% das ações da companhia.

Energisa (ENGI11) obtém licença junto ao Ibama

A Energisa Tocantins Transmissora de Energia, subsidiária da Energisa (ENGI11), informa que obteve junto ao Ibama Licença de Instalação para a implantação de sua terceira linha de 230 kV entre os municípios de Dianópolis II – Barreiras II C1.

Com isso, este empreendimento finaliza o processo de licenciamento ambiental de suas três linhas de transmissão. As outras duas linhas compreendem: linha de 230 kV entre os municípios de Dianópolis e Gurupi, com extensão de 256 km, e a linha de 230 kV entre os municípios de Dianópolis e Palmas, com extensão de 245 km.

Bahema (BAHI3) firma acordo de acionistas

A Bahema (BAHI3) firmou acordo dos acionistas Mint, Fairfax e Guilherme Affonso Filho com investidores. O acordo estabelece, dentre outras disposições, regras acerca do exercício do direito de voto para eleição do Conselho de Administração e aprovação de eventuais aumentos de capital, bem como disposições aplicáveis a eventuais transferências de valores mobiliários de emissão da Companhia pelos signatários.

Eletrobras (ELET6, ELET3): oferta de debêntures

A Eletrobras (ELET6, ELET3) anunciou fim da oferta de R$ 300 milhões em debêntures da controlada CGT Eletrosul.

Foram subscritas e integralizadas 300 mil debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em série única, com valor nominal unitário de R$ 1 mil, perfazendo o montante total de R$ 300 milhões, que será utilizado pela CGT Eletrosul em projetos prioritários.

ALPK3 aposta em concessão da Zona Azul de SP

Com forte desvalorização no valor das ações, a Allpark (ALPK3), dona da marca Estapar, busca retomar seu valor justo de mercado com o início do contrato de concessão para operar a Zona Azul na cidade de São Paulo, que começou a valer no dia 17 de novembro. A Estapar passou a administrar 51 mil vagas localizadas no município, o que inclui a gestão de todo o sistema, como manutenção dos espaços e apoio ao processo de fiscalização, aponta o Valor.

Allpark (ALPK3) fecha acordo com Enel X

A Enel X, empresa de soluções energéticas do grupo italiano Enel, acaba de dar início ao seu primeiro grande projeto em mobilidade elétrica no Brasil. A companhia fechou acordo com a Allpark (ALPK3), da Estapar, de estacionamentos, para criar a primeira rede de carregamento de veículos elétricos semi-pública do país, em shoppings e aeroportos do país.