Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta quarta-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo desta quarta-feira (28) destaca os resultados dos balanços do terceiro trimestre.

Agora pela manhã, a Gerdau (GGBR4) que apresentou um lucro de R$ 795 milhões no terceiro trimestre. Isso representa uma alta de 175% na comparação anual em termos consolidados ou de 95% no critério ajustado.

Também soltaram balanços: Telefônica (VIVT4), que teve alta de 25,5% no lucro; Localiza (RENT3), com incremento de 59%; e Cielo (CIEL3), com queda de 71,5%.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

Já Raia Drogasil (RADL3) reportou aumento 13,4% e Smiles (SMLS3) reverteu prejuízo em lucro.

Confira mais notícias.

Gerdau (GGBR4) lucra 95% a mais

A Gerdau (GGBR4) reportou nesta quarta-feira (28) seus resultados do terceiro trimestre de 2020. O lucro líquido atingiu R$ 795 milhões, um aumento de 95% em relação ao mesmo período do ano passado.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Segundo a Gerdau, o resultado foi fruto principalmente da variação cambial.

A produção de aço totalizou 3,2 mil toneladas no período, um aumento de 17%. Enquanto as vendas de aço subiram 4%, atingindo 3,189 mil toneladas.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 2,139 bilhões, aumento de 46%.

Já a margem Ebtida ajustado ficou em 17,5% no trimestre, alta de 2,7 pontos percentuais.

Petrobras (PETR4) pagará dividendos mesmo com prejuízo

A Petrobras (PETR4) aprovou a revisão da política de remuneração aos acionistas, que prevê o pagamento de dividendos, mesmo quando não for apurado lucro contábil.

Com as alterações aprovadas, se o endividamento bruto da companhia estiver acima de US$ 60 bilhões, poderá ser apresentada a proposta de distribuição de dividendos, sem apuração de lucro contábil. Mas apenas com a condição de ter havido redução de dívida líquida no período de doze meses anteriores.

Telefônica (VIVT4) tem alta de 25,5% no lucro no 3TRI20

A Telefônica (VIVT4) reportou lucro líquido de R$ 1,212 bilhão no terceiro trimestre. Isso representa um aumento de 25% na comparação ano a ano.

Conforme a Telefônica, a melhora foi em função do melhor resultado financeiro e menor despesa com impostos no trimestre.

O lucro da operadora de telefonia ficou levemente acima das expectativas do mercado, enquanto o Ebitda e a receita encerraram o período em linha.

Localiza (RENT3) tem alta de 59% no lucro no 3TRI

A Localiza (RENT3) teve lucro líquido de R$ 325,5 milhões no terceiro trimestre, o que representa um aumento de 59% sobre o lucro reportado no mesmo trimestre do ano passado.

Conforme a locadora, o resultado é fruto do aumento do Ebitda, redução na depreciação e nas despesas financeiras.

Cielo (CIEL3) registra queda de 71,5% no lucro no 3TRI20

A Cielo (CIEL3) registrou lucro líquido de R$ 100,4 milhões no terceiro trimestre deste ano, uma redução de 71,5% ante o mesmo período do ano passado.

A margem líquida atingiu 4,9%, queda de 10,1 pontos percentuais.

O volume financeiro de transações somou R$ 165,6 bilhões no período, queda de 3,6% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

Raia Drogasil (RADL3) lucra 13,4% a mais no 3TRI20

A Raia Drogasil (RADL3) reportou um lucro líquido ajustado de R$ 172,9 milhões no terceiro trimestre.

A alta foi de 13,4% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando a empresa registrou lucro líquido de R$ 152,4 milhões.

Em relação ao segundo trimestre, o lucro líquido da Raia Drogasil teve um aumento significativo: saltou de R$ 61,6 milhões para R$ 172,9 milhões.

Smiles (SMLS3) reverte prejuízo e tem lucro de R$ 50,2 milhões

A Smiles (SMLS3) reportou lucro líquido de R$ 50,2 milhões no terceiro trimestre, revertendo prejuízo de R$ 0,4 milhão no trimestre anterior.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2019, cujo resultado foi de R$ 149,557 milhões, houve uma queda de 66,4%.

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, o lucro líquido foi de R$ 106,134 milhões.

Petrobras (PETR4) fecha compra da plataforma P-71

A Petrobras (PETR4) informou que assinou compromisso de compra da plataforma P-71, no Espírito Santo.

A transação foi concluída após negociação com parceiros da companhia no consórcio BM-S-11, Shell Brasil Petróleo Ltda (com fatia de 25%) e Petrogal Brasil S.A. (participação de 10%).

Segundo a Petrobras, também foi acordada “a elaboração de um novo Plano de Desenvolvimento (PD) para o campo de Tupi, onde o FPSO seria originalmente utilizado”.

O desembolso da Petrobras estimado na transação será de US$ 353 milhões, diz a empresa, que correspondem à parcela dos sócios na P-71.

Carrefour (CRFB3): vendas somam R$ 19,3 bi

O Grupo Carrefour Brasil (CRFB3) divulgou as informações preliminares e não auditadas das vendas no terceiro trimestre de 2020.

Em nota, a companhia informou que as vendas consolidadas do trimestre somaram R$ 19,3 bilhões.

Os números representam uma alta de 29,9% em comparação com o mesmo período no ano passado.

TOTS3: combinação de negócio com LINX3 aprovada

O conselho de administração da Totvs (TOTS3) aprovou a proposta de combinação de negócios com a Linx (LINX3).

A decisão foi tomada sem ressalvas em assembleia do dia 23 de outubro. Também foi convocada uma assembleia da Totvs-Linx pelo presidente do conselho de administração, Laércio José de Lucena Cosentino.

A polêmica disputa pelo controle da Linx envolve a Totvs e também a Stone (STNE). A administração da Linx já afirmou que a oferta da Totvs não atende aos seus interesses, mas a Totvs continua na jogada.

Em agosto, o conselho de administração da Linx chegou a assinar contrato com a Stone por R$ 6,04 bilhões. Dias depois, a Totvs formalizou uma proposta de R$ 6,1 bilhões.

Nesta quarta-feira (28), a Linx divulgou fato relevante onde afirma que nenhum dos seus administradores firmou qualquer protocolo e justificação de incorporação ou de incorporação de ações com a Totvs ou qualquer subsidiária da Totvs. A manifestação foi em reação à presença de nomes nomes de executivos da Linx em página de assinatura de protocolo divulgado pela Totvs.

Ambipar (AMBP3) adquire totalidade da Verde Ghaia

A Ambipar (Ambipar Participações e Empreendimentos S.A) adquiriu, através da controladora Planeta Ambiental, 100% das cotas da Verde Gaia Consultoria e Educação Ambiental. A Verde Ghaia, torna-se agora Ambipar Greentech, uma empresa do Grupo Ambipar.

TFCO4: Velt Partners detém 5,97% das ações

A Track&Field (TFCO4) anunciou que a Velt Partners Investimentos passou a deter 5,97% das ações da empresa, em um total de 4,3 milhões de ações preferenciais.

Voiter (IDVL4; IDVL3) anuncia reemissão de ações

A Voiter (IDVL4;IDVL3), ex-Banco Indusval informou sobre a reemissão de ações da companhia visando à saída do segmento de listagem da B3, denominada nível 2, por meio de uma OPA (Oferta Pública de Aquisições).

A decisão foi tomada a partir de um laudo feito pela Mazars Cabrera Assessoria, Consultoria e Planejamento Empresarial Ltda. E decorre de ajustes necessários ao cumprimento das exigências da B3 no processo de análise da OPA.

Trisul (TRIS3) divulga projeções de lançamentos

A Trisul (TRIS3) divulgou suas projeções de lançamentos para o biênio 2020/2021.

Em Valor Geral de Vendas (VGV), são de R$ 2,8 bilhões a R$ 3,2 bilhões.

Porto Seguro (PSSA3) paga R$ 180,2 em JCP

O Conselho de Administração da Porto Seguro (PSSA3) aprovou proposta de declaração de juros sobre o capital próprio relativos ao segundo semestre de 2020, a serem imputados ao valor do dividendo obrigatório relativo ao exercício social de 2020.

O valor é de R$ 180,206 milhões bruto. Isso corresponde a R$ 0,55962046524 por ação da empresa, desconsideradas as ações mantidas em tesouraria.

APER3: Indie Capital detém 5,14% das ações

A Alper (APER3) foi comunicada que a Indie Capital comprou 590.900 ações ordinárias da empresa, chegando a deter 5,147% do capital social.

A Indie Capital informou que a aquisição é “estratégia de investimento” e não pretende alterar o controle acionário da Alper.

Guararapes (GUAR3) inaugura 3ª loja Casa Riachuelo

A Guararapes (GUAR3) anunciou a inauguração da sua terceira loja do formato Casa Riachuelo, no Shopping Eldorado, na capital paulista.

A nova loja tem 494 metros quadrados e é a quarta inaugurada em outubro. No ano, já são oito.

EDP (ENBR3) libera reserva de retenção de lucros

O Conselho de Administração da EDP Energias do Brasil (ENBR3) aprovou o pagamento de dividendos extraordinários.

O montante de R$ 238 milhões vem da conta de reserva de retenção de lucros. O pagamento será em 30 de novembro.

Sanepar (SAPR4): MDR aprova projetos

A Sanepar (SAPR4) comunicou que o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) aprovou o enquadramento, “como prioritário”, de projetos de investimento em infraestrutura no setor de saneamento básico, apresentado pela companhia.

O montante é de até R$ 391,1 milhões, por meio de debêntures incentivadas.

Intermédica (GNDI3) compra hospital Santa Brígida

A Notre Dame Intermédica (GNDI3) autorizou a aquisição, pela controlada indireta Clinipam, de até 100% das ações do Hospital e Maternidade Santa Brígida.

O hospital fica em Curitiba, capital do Paraná.

Aluguel de FIIs deve estar disponível em novembro

Assim como ocorre com as ações, os FIIs (Fundos de Investimentos Imobiliários) poderão ser alugados a partir de novembro. Os FIPs (Fundos de Investimentos em Participações) também vão entrar nessa.

O empréstimo de cotas é usado por quem quer operar “vendido” (ou “short”) e lucrar com a queda dos papéis. Desta forma, quem opta por “segurar” os ativos para tê-los no longo prazo, pode se beneficiar do aluguel.

EGIE3: Pampa Sul faz emissão de debêntures

A Engie Brasil (EGIE3) anunciou que sua subsidiária Usina Termelétrica Pampa Sul informou o resultado do procedimento de intenções de investimentos da oferta pública de debêntures, que somará R$ 582 milhões.

A emissão de 582 mil debêntures (não conversíveis em ações, da espécie com garantia real, e garantia adicional fidejussória) será em duas séries no valor de R$ 1 mil cada uma. O vencimento é 15 de abril de 2028 para primeira série e 15 de outubro de 2036 para a segunda série.

Havan é a oitava empresa a desistir de IPO em outubro

A varejista Havan desistiu de sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

A desistência foi divulgada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Só em outubro, oito empresas nacionais já desistiram dos planos de listagem na B3.

Ânima (ANIM3): proposta pela Laureate é superior

A Ânima Educação divulgou comunicado informando que a Laureate classificou sua proposta de aquisição dos negócios no Brasil como superior de forma definitiva. A decisão ocorre ao fim do período em que a Ser Educacional (SEER3), que tinha dado o pontapé inicial na disputa, poderia ter equiparado sua oferta vinculante.

A proposta da Ânima prevê um valor (enterprise value) da Laureate, líquido de contingências, de R$ 4,423 bilhões, o que representa um múltiplo de 10,7x EV/EBITDA Ajustado 2020E. Esse montante compreende R$ 3,8 bilhões que será destinado aos acionistas mais R$ 623 milhões em dívidas.

A proposta da Ânima Educação inclui, ainda, R$ 203 milhões por vagas de medicina pendentes de aprovação. Por fim, caso seja devida a multa contratual pela Laureate, a Ânima Educação pagará o valor de R$ 180 milhões.