Radar traz BTG Pactual (BPAC11), Cielo (CIEL3) e Eletrobras (ELET6)

Felipe Moreira
Editor na EuQueroInvestir, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional.
1

Vamos aos destaques do Radar Corporativo desta quinta-feira (20):

Cias Abertas

Eletrobras (ELET6): Câmara aprova texto-base de MP que viabiliza privatização

A Câmara dos Deputados aprovou, por 313 votos a 166, o texto-base da Medida Provisória 1031/21, que viabiliza a desestatização da Eletrobras (ELET6), estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia que responde por 30% da energia gerada no País.

O modelo adotado pela MP prevê a emissão de novas ações da Eletrobras a serem vendidas no mercado sem a participação da empresa, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente pela União.

Eletrobras (ELET3 ELET6): conheça a maior empresa elétrica do País

BTG Pactual (BPAC11): Acqua-Vero aceitou proposta para ser agente autônomo

O BTG Pactual (BPAC11) confirmou, em comunicado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) nesta quarta (19), que a Acqua-Vero aceitou proposta para ser contratada pelo banco como agente autônomo.

Em Fato Relevante, o BTG diz que a proposta prevê que o banco apoiará o projeto da Acqua-Vero de atuar –após a obtenção das aprovações regulatórias – como uma corretora de valores mobiliários.

Além disso, a Acqua-Vero informou ao grupo XP, empresa com a qual tinha contrato, de sua decisão. A Acqua se manterá vinculada ao grupo pelo prazo contratual de 60 dias.

A Acqua é um escritório que administra uma carteira de R$ 8,5 bilhões.

BTG: Banco Sistema tem aquisição aprovada

Nesta quarta, o BTG informou também que sua subsidiária, o Banco Sistema, teve aprovação do Banco Central do Brasil para a aquisição da totalidade das ações ordinárias do Banco Pan (BPAN4) e de titularidade da CaixaPar — subsidiária da Caixa Econômica Federal.

Essas ações são representativas de 49,2% do capital social votante do Banco Pan, equivalente a 26,8% do capital social total do Banco Pan, totalmente subscritas e integralizadas.

Banco Inter (BIDI11), Inter DTVM e Banco ABC (ABCB4) anunciam parceria

O Banco Inter (BIDI11) informou que pretende formar parceria entre o banco digital, a Inter DTVM e o Banco ABC Brasil (ABCB4).

O objetivo, segundo comunicado do Inter divulgado nesta quarta (12), é implementar uma atuação conjunta no mercado de capitais para a estruturação, colocação e distribuição de títulos e valores mobiliários e de fundos de investimentos.

Por meio da parceria, prossegue a nota do banco, o Inter, a Inter DTVM e o ABC Brasil têm interesse em complementar suas operações no mercado de capitais, utilizando, para isso, a expertise do ABC Brasil-em originação e estruturação de operações de debêntures de infraestrutura, crédito privado e de distribuição no segmento institucional.

Sinqia (SQIA3) assina parceria para open banking

A Sinqia (SQIA3), provedora de tecnologia para o sistema financeiro, informa que assinou contrato de parceria com a Sensedia para facilitar a implementação do modelo open banking.

Nessa parceria, que inclui a cooperação comercial e técnica entre duas empresas, a companhia contribuirá com suas plataformas para bancos, fundos, previdência e consórcio, utilizadas por quase 500 instituições financeiras,

A Sensedia apoiará com sua reconhecida plataforma de gerenciamento de APIs, utilizada por mais de 120 clientes.

CCR (CCRO3): aditivo de relicitação da BR-163/MS

A CCR (CCRO3) informou que o aditivo que propõe a relicitação de trecho da BR-163/MS deve ser assinado em 10 de junho.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovou a celebração do Primeiro Termo Aditivo ao Contrato de Concessão, do Edital de Concessão, firmado pela controlada direta da CCR, a Concessionária de Rodovias Sul-Matogrossense (MSVia) com a União.

O objetivo é estabelecer as obrigações relativas à relicitação do trecho concedido da BR-163/MS, trecho entre a divisa do estado do Mato Grosso e a divisa com o Paraná, nos termos do empreendimento aprovado em 12 de março de 2021.

Cielo (CIEL3): diretor-presidente renuncia

A Cielo (CIEL3) divulgou que Paulo Rogério Caffarelli apresentou sua carta de renúncia ao cargo de Diretor-Presidente.

Os conselheiros aceitaram a renúncia. Caffarelli deixará a Cielo após quase três anos à frente da companhia, período em que, segundo a empresa, liderou importantes melhorias operacionais, com destaque para a atuação comercial e o modelo de atendimento.

Para o cargo que era ocupado por Paulo Caffarelli, o Conselho de Administração elegeu Gustavo Henrique Santos de Sousa, que há dois anos é vice-presidente Executivo de Finanças e Diretor de Relações com Investidores.

EDP (ENBR3): trecho de linha de transmissão no sul do país

A EDP (ENBR3) comunica que concluiu etapas necessárias para energização e integração ao Sistema Interligado Nacional (SIN) de um dos dois trechos de linhas de transmissão de energia do Lote Q.

De acordo com a empresa, nesta primeira etapa estão contempladas instalações do Seccionamento 230kV das linhas LT 230kV Jorge Lacerda B –Siderópolis I, que conecta a Subestação Tubarão Sul (2×230/69kV 1×230/138kV –150MVA) ao SIN, gerando Receita Anual Permitida de R$ 12,2 milhões1.

A entrega do trecho está dentro do cronograma estipulado pela companhia, desde a aquisição do empreendimento.

Kallas Incorporações (KLAS3): admissão na B3 (B3SA3)

A Kallas Incorporações e Construções comunica a seus acionistas e ao mercado em geral que, em 26 de abril de 2021, foi concedido pela B3 (B3SA3) o pedido de listagem da companhia e admissão à negociação de suas ações ordinárias no segmento básico da bolsa.

A companhia informa, ainda, que a partir do dia 24 de maio de 2021 suas ações ordinárias estarão disponíveis para negociação no segmento básico da B3, com o nome de pregão “Kallas” e o código de negociação (ticker) “KLAS3”.

 MMX Mineração (MMXM3): Justiça decreta falência da companhia

A MMX Mineração (MMXM3) confirmou, em comunicado ao mercado, que a 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) decidiu decretar a falência da companhia e da MMX Corumbá Mineração, controladas por Eike Batista.

“A 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou provimento ao agravo da Companhia contra a decisão da 4ª Vara Empresarial da Comarca da Capital, que havia decretado em 21 de agosto de 2019 a falência da companhia e de sua controlada MMX Corumbá Mineração”, anuncia a nota,

Assim, a decisão anterior, que em 28 de agosto de 2019 havia suspendido os efeitos da falência, deixou de ter efeito.

Antes de terem a negociação interrompida até as 16h23 (horário de Brasília) à espera do fato relevante, as ações MMXM3 caíam 27,01%, a R$ 14,67, na B3 (B3SA3).

2W Energia informa extinção de contrato com Way2

A 2W Energia informou a extinção do Memorando de Entendimentos celebrado com os acionistas da Way2 Serviços de Tecnologia, em razão do não cumprimento das condições suspensivas estabelecidas para o fechamento da operação.

A Companhia continua examinando possíveis oportunidades no contexto da consecução de seu plano de negócios e manterá o mercado informado a respeito de quaisquer iniciativas nesse sentido.

CEEE celebra contra de compra e venda com controlada da Eletrobras (ELET6)

O Conselho de Administração aprovou a celebração do Contrato de Compra e Venda de Ações e Outras Avenças entre a CEEE-T e a CGT Eletrosul, referente a alienação, pela CEEE-T, da totalidade da sua participação, de 49,00% do capital social, na transmissora FOTE –Fronteira Oeste Transmissora de Energia.

Simpar (SIMH3) espera triplicar a receita até 2025

Em meio um cenário favorável aos negócios do grupo, com braços de logística e locação de veículos em bom momento, a Simpar espera crescer sua receita bruta para mais de R$ 30 bilhões em 2025, de acordo com CEO Fernando Antonio Simões.

Ultrapar (UGPA3) realizará o desinvestimento em Oxiteno

Após vender a Extrafarma por R$ 700 milhões, a Ultrapar está a caminho de fechar mais um desinvestimento. De acordo com o Valor, que o processo de venda da Oxiteno, braço de especialidades químicas do grupo, está movimentando fundos de private equity e empresas do setor, de capital nacional e estrangeiro, e as negociações estão avançando.

Em março, Advent e Indorama eram citados como potenciais compradores da Oxiteno, avaliada em US$ 1,5 bilhão.

Omega (OMGE3) pretende construir 1 GW em usinas renováveis

O grupo Omega planeja construir cerca de 1 gigawatt (GW) em usinas renováveis neste ano, alimentando o crescimento de sua unidade de geração, que vem em trajetória agressiva de expansão do portfólio desde a realização do IPO, em 2017. As informações são do Valor.

Proventos

Odontoprev (ODPV3) eleva valor de dividendos 

A Odontoprev (ODPV3) anunciou que elevou o valor de dividendos relativos ao primeiro trimestres de 2021.

O novo valor, segundo comunicado da companhia, será de R$ 0,1816 por ação, contra R$ 0,1810 divulgado anteriormente. A mudança ocorreu por causa da aquisição de 1.924.800 ações a partir de 28 de abril, no programa de recompra de ações. O número de ações em tesouraria subiu: atualmente são 4.207.534.

Farão jus aos dividendos os detentores de ações de emissão da companhia em 19 de maio. O pagamento de R$ 95.753.521,42 ocorrerá no dia 6 de julho de 2021, sem alteração.

Petz (PETZ3) anuncia pagamento de proventos

A Petz (PETZ3) comunica o pagamento dos proventos a título de juros sobre o capital próprio (JCP), conforme aprovado no Conselho de Administração em 17 de dezembro de 2020. A remuneração é relativa ao exercício de 2020 e será no valor bruto de R$ 12.359.656,67.

Esse montante corresponde a R$ 0,03314862422 por ação, considerando a quantidade de 372.855.796 ações ordinárias. As ações negociadas “ex” JCP valem desde 23 de dezembro de 2020 (inclusive).

O pagamento de dividendos suplementares, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2020 — após a aprovação em Assembleia Geral Ordinária de 30 de abril de 2021 –, terá o montante total de R$ 2.587.072,35, equivalente a R$ 0,00656632017 por ação ordinária. Essa remuneração será efetuada no próximo dia 25 de maio.

Emissões e dívidas

Inepar (INEP4) propõe desdobramento de ações

O Conselho de Administração da Inepar (INEP4) propõs desdobramento de ações ordinárias da companhia na proporção de 1 para 20.

A proposta será submetida à Assembleia Geral dos acionistas. Se aprovado, o desdobramento de ações, o capital social da companhia, no montante de R$ 432.641.201,91, passará a ser representado por 165.301.080 ações escriturais nominativas — sendo 102.164.920 ações ordinárias com direito a voto e 63.136.160 ações preferenciais, sem direito a voto, indivisíveis em relação ao capital e sem valor nominal.

Mudança acionária

GetNinjas (NINJ3): mudança acionária

A GetNinjas (NINJ3) comunica os fundos geridos pela IndieCapital aumentaram a participação na companhia. Passaram a deter 4.000.000 de ações ordinárias, somando 9,36% do total.

3R Petroleum (RRRP3): RWEST altera participação

A 3R Petroleum (RRRP3) informa que a RWEST alterou sua participação acionária. A RWEST dispõe agora de de 1.262.546 ações ordinárias. Esse montante equivale a aproximadamente 0,95% do total de ações ordinárias da companhia.

IPO

IPO da Smartfit conta com ancoragem da Dynamo, CPP e GIC

A oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Smartfit (SMFT3) conta com a ancoragem de três atuais acionistas da companhia: a gestora de recursos Dynamo, o Canada Pension Plan Investment Board (CPP) e a Novastar, afiliada do GIC Special Investments, conforme informou o jornal Valor.

Os três âncoras ficarão com, no mínimo R$ 600 milhões e, no máximo, a 45% do total da oferta.