Radar traz balanços de Petrobras (PETR4), Ambev (ABEV3) e Rede D´Or (RDOR3)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

No Radar Corporativo desta quinta-feira (25) destaque para a sequência da safra de balanços do quarto trimestre de 2020.

A Petrobras (PETR3 PETR4) registrou um lucro líquido de R$ 59,89 bilhões no quarto trimestre, desempenho 6,3 vezes acima do reportado um ano antes e acima das expectativas. Adicionalmente, foi anunciou dividendos de R$ 10,3 bilhões.

Já a Ambev (ABEV3) reportou lucro líquido de R$ 6,89 bilhões no quarto trimestre, com alta de 63,3% e resultado acima do consenso.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a opções de investimentos de acordo com seu perfil. Invista em suas Escolhas

Enquanto isso, a SulAmérica (SULA11) teve queda de 90% no lucro de outubro a dezembro, para R$ 42,7 milhões, num desempenho abaixo das expectativas.

A Marcopolo (POMO3 POMO4) teve alta de 90,9% no lucro. 

A Ultrapar (UGPA3) apresentou lucro de R$ 431,5 milhões no quarto trimestre, revertendo prejuízo de um ano antes, com resultado acima do consenso. No mais, aprovou dividendos de R$ 479,748 milhões.

Já a AES Tietê (TIET11) registrou alta de 470,9% no lucro do quarto trimestre, para R$ 606,6 milhões, desempenho acima das expectativas.

Rede D´Or (RDOR3) tem alta de 7% no lucro do quarto trimestre, para R$ 302,9 milhões, desempenho abaixo das expectativas.

Destaque, novamente, ainda para as ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês). Banco de investimentos Modalmais protocolou pedido na CVM, enquanto a Paschoalotto teve tentativa indeferida.

Vamos aos destaques:

O que você verá neste artigo:

Balanços e mais

Petrobras (PETR3 PETR4): lucro cresce 6,3 vezes no 4TRI, para R$ 59,8 bi

A Petrobras (PETR3 PETR4) registrou um lucro líquido de R$ 59,8 bilhões no quarto trimestre de 2020, elevação de 634,6% em relação ao mesmo período de 2019.

Conforme a estatal, o resultado é fruto da reversão de impairment (deterioração de ativos na contabilidade) de R$ 31 bilhões, ganhos cambiais de R$ 20 bilhões e reversão de gastos passados do plano AMS, em R$ 13,1 bilhões, decorrente da revisão de obrigações futuras da empresa.

No ano, o lucro líquido somou R$ 7,1 bilhões, uma redução de 82,3% na comparação com 2019.

Petrobras aprova pagamento de dividendos

A Petrobras (PETR4) aprovou o pagamento de dividendos, no valor de R$ 10,3 bilhões. Ou seja, R$ 0,787446 por ação ON e PN.

Esse valor é equivalente a 5% do capital social, aplicado tanto às ações preferenciais quanto ordinárias.

Do valor a ser pago, R$ 5,7 bilhões são referentes à destinação do resultado do exercício de 2020 e R$ 4,6 bilhões são oriundos da conta de reserva de retenção de lucros.

Conselho da Petrobras diz que não recebeu explicação do MME sobre frase de Bolsonaro “tem muita coisa errada”

A Petrobras, em esclarecimento a notícias veiculadas na mídia, informa que o Conselho de Administração solicitou à Diretora Executiva Financeira e de Relacionamento com Investidores, que buscasse, junto ao Ministério de Minas e Energia, informação sobre a existência de fatos que devam ser divulgados ao mercado, tendo em vista declarações veiculadas na mídia em 23/02/2021 pertinentes à companhia, de que haveria “muita coisa errada na Petrobras”.

O conselho de administração reiterou o pedido, não tendo recebido, até o momento qualquer informação.

Petrobras (PETR4) vende campos do Polo Miranga (BA) por US$ 220,1 mi

A Petrobras (PETR3 PETR4) que assinou com a SPE Miranga, subsidiária integral da PetroRecôncavo, contrato para a venda da totalidade de sua participação em nove campos terrestres de exploração e produção, denominados Polo Miranga.

Os campos estão localizados no estado da Bahia. O valor da venda total é de US$ 220,1 milhões.

Petrobras: carta de intenção com SBM

A Petrobras comunicou também que  assinou hoje carta de intenção com a empresa SBM Offshore para afretamento e prestação de serviços do FPSO (unidade flutuante que produz, armazena e transfere petróleo) Almirante Tamandaré, que será instalado no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos.

Segundo nota da petroleira, o FPSO será a sexta unidade do sistema definitivo a ser instalada no campo de Búzios.

Terá capacidade de processamento de 225 mil barris de óleo e 12 milhões de m3 de gás por dia.

Petrobras: incorporação da CDMPI

A Petrobras divulgou ainda que seu Conselho de Administração, em reunião realizada nesta quarta (24), aprovou a proposta de incorporação da Companhia de Desenvolvimento e Modernização de Plantas Industriais (CDMPI).

A incorporação, de acordo com a empresa, “visa a simplificação e otimização da estrutura societária da Petrobras.”

E prossegue: “Por se tratar de incorporação de subsidiaria integral, não haverá aumento de capital na Petrobras nem a emissão de novas ações.”

Ambev (ABEV3) registra lucro líquido de R$ 6,89 bi, alta de 63,3%

A Ambev (ABEV3) reportou um lucro líquido de R$ 6,89 bilhões no quarto trimestre de 2020. Os números representam uma alta de 63,3% sobre o mesmo período do ano passado, com lucro de R$ 4,21 bilhões.

Já no acumulado de 2020, a Companhia registrou lucro de R$ 11,73 milhões, contra um lucro de R$ 12,18 bilhões sobre igual período de 2019.

SulAmérica (SULA11) tem queda de 90% no lucro do 4TRI20

A SulAmérica (SULA11) reportou lucro líquido de R$ 42,7 milhões no quarto trimestre de 2020, queda de 90,6% comparado com o mesmo período do ano passado. O valor considera a venda das operações auto e massificados no 3TRI20 para a Allianz.

No entanto, no consolidado de 2020 a empresa registrou o maior lucro da história da companhia. Houve uma alta de 98,7% no lucro líquido de 2020 frente a 2019. O lucro passou de R$ 1,18 bilhão (2019) para R$ 2,34 bilhões (2020).

Marcopolo (POMO3 POMO4) tem alta de 90,9% no lucro 

Marcopolo (POMO3; POMO4) teve lucro líquido de R$ 136,1 milhões no quarto trimestre de 2020, com elevação de 90,9% em relação ao mesmo período do ano passado. A margem líquida ficou em 13,1%.

No ano, o lucro líquido somou R$ 90,7 milhões, retração de 57,2% na comparação com 2019.

Ultrapar (UGPA3) registra lucro de R$ 431,5 mi no 4TRI

A Ultrapar (UGPA3) reportou um lucro líquido de R$ 431,5 milhões no quarto trimestre de 2020.

Os números representam um aumento de R$ 699 milhões em comparação ao mesmo período de 2019, negativo em R$ 267,7 milhões.

De acordo com a companhia, o resultado é fruto principalmente da melhora no resultado financeiro e do impairment de R$ 593 milhões da Extrafarma, registrado no quarto trimestre de 2019.

Ultrapar (UGPA3) aprova dividendos

A Ultrapar (UGPA3) aprovou a distribuição de dividendos, a débito da conta do lucro líquido do exercício de 2020, no montante de R$ 479,748 milhões.

O valor corresponde a R$ 0,44 por ação ordinária (UGPA3).

O pagamento se dará a partir de 12 de março de 2021, sem remuneração ou atualização monetária.

AES Tietê (TIET11) tem alta de 470,9% no lucro no 4TRI

A AES Tietê (TIET11) registrou lucro líquido de R$ 606,6 milhões no quarto trimestre de 2020, crescimento de 470,9% em relação ao mesmo período de 2019.

Rede D´Or (RDOR3) tem alta de 7% no lucro no 4TRI

A Rede D´Or (RDOR3) reportou lucro líquido de R$ 302,9 milhões no quarto trimestre de 2020, crescimento de 7% na comparação com igual período de 2019.

O Ebitda ajustado somou R$ 1,142 bilhão no trimestre, aumento de 24,5% na base anual.

Kepler Weber (KEPL3) lucra R$ 20 mi no 4TRI, alta de 38,3%

A Kepler Weber (KEPL3) reportou um lucro líquido de R$ 20,7 milhões no quarto trimestre de 2020. Isso representa um crescimento de 38,3% na comparação com igual trimestre de 2019.

No acumulado de 2020, o lucro líquido registrado foi de R$ 67,7 milhões, alta de 80%.

Kepler weber avalia novos investimentos em 2021

A Kepler Weber terminou 2020 com um capital de giro positivo de R$ 281,5 milhões. Com esse recurso em caixa, o CEO da empresa, Piero Abbondi, pretende solicitar ao conselho da empresa recursos para aumentar investimentos, já que muitos deles não ocorreram no ano passado. “Não temos um guidance, mas estamos sempre em busca de modernizar a empresa e buscar oportunidades”, afirma.

Mais cias abertas

Eletrobras (ELET6, ELET3): Governo espera arrecadar R$ 25 bilhões com privatização

O governo federal planeja arrecadar R$ 25 bilhões com a privatização da Eletrobrás (ELET6 ELET3), e espera que a operação em que a União deixará de ser a acionista majoritária da estatal seja concluída até dezembro de 2021, conforme informou Estadão.

Eletrobras (ELET6, ELET3) publica nesta quinta edital para retomar obra civil de Angra 3

A Eletrobras (ELET6 ELET3) informou que sua subsidiária Eletronuclear publicará hoje (25), edital para contratação de empresa que retomará a obra civil da Usina de Angra 3 e realizará parte da montagem eletromecânica.

Essa iniciativa integra o plano de aceleração do caminho crítico da usina. O objetivo é adiantar algumas atividades de construção antes mesmo de se contratar a empreiteira que irá empreender a obra global e concluirá a construção da planta.

Light (LIGT3) também aprova extensão do período de exclusividade à Brasal Energia para compra de 51% na Lightger

A Light (LIGT3) aprovou nesta quarta-feira (24) a extensão do período de exclusividade concedido à Brasal Energia.

A decisão visa à potencial operação para a alienação da totalidade da participação de 51% da companhia na Lightger.

O período adicional de exclusividade será válido por mais 30 dias a partir de hoje.

GPA (PCAR3) negocia parceria com Mercado Livre

O GPA (PCAR3) deve anunciar no final de março a venda de itens de supermercado no Mercado Livre.

A companhia também de utilizar somente o James Delivery, empresa adquirida em 2018, para entrega dos produtos vendidos pela internet, e começa a fechar acordos com outros apps. As informações são do Valor.

Cielo (CIEL3) é uma empresa de tecnologia, diz CEO

Quando assumiu a presidência da Cielo em 2018, Paulo Rogério Caffarelli afirmou que estava em “guerra” para colocar a empresa no caminho da transformação digital.

Algumas batalhas foram vencidas, mas Cielo ainda precisa convencer os investidores de que vai se manter competitiva e rentável. Os papéis da companhia acumulam queda de 40% nos últimos 12 meses e a empresa é negociada a múltiplos muito inferiores aos dos rivais.

Para o Caffarelli, a mudança de percepção é questão de tempo. No entanto, o executivo reconhece que é preciso avançar mais na experiência do cliente e digitalização, e aposta num novo  posicionamento. “A Cielo hoje já é uma empresa de tecnologia. Não é uma empresa de adquirência”, diz Caffarelli ao Valor.

Telefônica (VIVT3) propõe mais tempo para migração para 5G ‘pura’

O CEO da Telefônica (VIVT3), Christian Gebara, defendeu nesta quarta-feira (25) um “modelo híbrido” em que os padrões “standalone” e “não-standalone” para a infraestrutura 5G convivam no Brasil no curto e médio prazos, segundo reportagem do Valor.

Previsto na proposta de edital do leilão do 5G, o padrão standalone pressupõe a instalação de uma rede dedicada exclusivamente para o 5G, independente da infraestrutura 3G e 4G em operação.

Marfrig (MRFG3) contrata financiamento de US$ 30 milhões com contrapartidas ambientais

A Marfrig (MRFG3) assinou nesta quarta-feira (24) a contratação de um financiamento de US$ 30 milhões com o fundo de investimento internacional &Green, com o apoio do IDH.

Para viabilizar o apoio financeiro, o &Green prevê uma série de compromissos por parte da Marfrig.

Entre eles, o desmatamento zero, conservação de florestas, recomposição ou compensação de vegetação nativa e intensificação do uso de áreas de baixa produtividade.

Vale (VALE3): BNDES zera ações da mineradora com venda de R$ 11,2 bi

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não tem mais qualquer ação da Vale (VALE3). A instituição financeira recebeu R$ 11,2 bilhões em suas vendas na bolsa em 2021.

No total, desde agosto, o BNDES já se desfez de R$ 24 bilhões da mineradora, principalmente após o fim do acordo de acionistas da Vale, encerrado em novembro do ano passado.

“A venda de Vale foi basicamente encerrar um processo de privatização que começou há 23 anos”, disse o diretor de privatizações do banco de fomento, Leonardo Cabral, ao Estadão Conteúdo.

A única ligação do BNDES com a Vale agora é por conta dos títulos que foram originados com a privatização, realizada em 1997.

O BNDES tem feito um movimento de desenvestimento e já reduziu em R$ 65 bilhões a carteira das chamadas “campeãs nacionais”.

Além da Vale, o órgão se desfez de ações sem direito a voto (ordinárias) na Petrobras (PETR3 PETR4), a participação na Marfrig (MRFG3), na Suzano (SUZB3), na AES Tietê (TIET11) e metade da fatia que tinha na Klabin (KLBN11).

MMX (MMXM3) pretende contestar decisão da ANM

A MMX Mineração e Metálicos (MMXM3) informou que tomou conhecimento hoje de decisão da Agência Nacional de Mineração (ANM), aprovando a averbação do Distrato do Contrato de Arrendamento de Concessão de Lavra, referente aos direitos minerários da Mina Emma, firmado em 28 de dezembro de 2018, entre a Sociedade Brasileira de Imóveis (SBI) e a anterior administração da MMX.

A MMX esclarece “que a averbação do Distrato reconhece o retorno dos direitos de exploração mineral da Mina Emma à SBI, que por sua vez havia cedido em 21 de dezembro de 2018 os direitos de exploração à Vetorial. A cessão dos direitos minerários sobre a Mina Emma da SBI à Vetorial, embora já requerida pela Vetorial, ainda não foi averbada pela ANM”.

A atual administração da MMX “contesta judicialmente a validade do Distrato sobre os direitos de exploração da Mina Emma, e pretende continuar atuando com o objetivo de reaver os direitos de exploração sobre a referida mina”.

2W Energia e Liga Ventures firmam parceria

A 2W Energia firmou uma parceria, em 29 de janeiro de 2021, com a Liga Ventures, plataforma de inovação aberta.

“Com isso”, informa a empresa, “a companhia incorpora ao OpenLiga para se conectar a startups para criar um ecossistema de inovação para o setor de energia, promovendo a interação na rede para criação de novos produtos, serviços e soluções em geração distribuída (GD), armazenamento de energia, eficiência energética e inteligência de dados que desenvolvam soluções por meio de tecnologias blockchain, internet das coisas (IoT), inteligência artificial e machine learning”.

IPO

Banco Modalmais entra com pedido de IPO na B3 (B3SA3)

O banco de investimentos Modalmais protocolou nesta quarta-feira (24) à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) pedido de oferta inicial de ações (IPO).

As ações seriam negociadas no modelo de units – pacote de ativos que pode conter ações ordinárias, preferenciais e bônus de subscrição.

Paschoalotto tem pedido de IPO indeferido pela CVM

A Paschoalotto, empresa especializada em recuperação de crédito, teve seu pedido de abertura de capital indeferido pela CVM (Comissão Mobiliária de Valores).

A autarquia não forneceu detalhes acerca da negativa.

A empresa havia protocolado o pedido de IPO na CVM em 21 de outubro. A oferta contaria com tranche primária e secundária de ações.

Dívidas e emissões

BBM Logística (BBML3) anuncia emissão de debêntures no total de R$ 240 milhões

A BBM Logística (BBML3) comunicou que o Conselho de Administração aprovou a realização de sua segunda emissão de debêntures simples, em série única.

O valor nominal unitário é de R$ 1 mil, totalizando um montante de R$ 240 milhões. O prazo de vencimento é de quatro anos, contando da data de emissão.

Grupo Soma (SOMA3) incorpora ações

O Grupo Soma (SOMA3) informou a decisão de incorporar ações de emissão da ByNV Comércio Varejistas de Artigos de Vestuário, ou simplesmente NV, do Espírito Santo.

A incorporação de ações da NV, “cuja eficácia está subordinada ao implemento de determinadas condições suspensivas”, resultam no aumento de capital do Grupo Soma no valor de R$ 124,046 milhões, mediante a emissão de 8.461.538 novas ações ordinárias.

Mudança acionária

Eletromidia (ELMD3): Morgan Stanlay passa a deter 4,8% das ações

A Eletromidia (ELMD3) recebeu correspondência do Morgan Stanley comunicando que os fundos de investimento geridos pelo banco atingiram a quantidade de 6.450.726 ações ordinárias, correspondentes a 4,8% do total.

O Morgan Stanley, como é de praxe nesses comunicados, informa que a “referida participação se trata de investimento minoritário e não tem por objetivo alterar a administração, composição do controle ou funcionamento da companhia”.

(Com Marco Antonio Lopes, Claudia Zucare, Rodrigo Petry e Redação)