Radar traz balanços de Itaú (ITUB4), PetroRio (PRIO3) e Localiza (RENT3)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Crédito da imagem: Reprodução/Internet

No Radar Corporativo desta terça-feira (4) destaque para a sequência da safra de balanços do primeiro trimestre, que nesta semana ganha tração com bancos, setor de consumo e indústria.

O Itaú (ITUB4) registrou um lucro líquido recorrente de R$ 6,398 bilhões no balanço do primeiro trimestre de 2021 (1TRI21), crescimento de 63,6% e desempenho acima do consenso.

A PetroRio (PRIO3) reportou prejuízo de R$ 65,79 milhões no balanço do primeiro trimestre, alta de 7% nas perdas e abaixo do consenso, que era por lucro.

A Localiza (RENT3) registrou lucro líquido de R$ 482,3 milhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 108,9% e desempenho pouco acima do consenso.

A Pague Menos (PGMN3) registrou um lucro líquido de R$ 44,2 milhões no balanço do primeiro trimestre de 2021 (1TRI21), crescimento de 3,8 vezes em relação ao mesmo período do ano passado.

A Neogrid (NGRD3) reportou lucro líquido de R$ 6,33 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21). Os números são 2,17 vezes maiores que o resultado do mesmo período de 2020, com lucro de R$ 2,91 milhões.

A Alpargatas (ALPA4) registrou lucro líquido recorrente R$ 135 milhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 74% em relação ao mesmo período de 2020.

Veja agora o Radar Corporativo na íntegra:

Balanços

Itaú (ITUB4) lucra 6,398 bi, alta 63,6%

O Itaú (ITUB4) registrou um lucro líquido recorrente de R$ 6,398 bilhões no balanço do primeiro trimestre de 2021 (1TRI21), crescimento de 63,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

O lucro líquido contábil foi de R$ 5,414 bilhões no 1TRI21, alta de 59,2% contra um ano antes.

PetroRio (PRIO3) tem prejuízo 7% maior

A PetroRio (PRIO3) reportou prejuízo líquido de R$ 65,79 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21).

Os números refletem uma alta de 7% sobre o prejuízo do mesmo período de 2020.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no balanço do 1TRI20 atingiu R$ 448,72 milhões, alta de 146% na base anual.

Localiza (RENT3) tem alta de 108,9% no lucro

A Localiza (RENT3) registrou lucro líquido de R$ 482,3 milhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 108,9% em relação ao mesmo período de 2020.

A receita cresceu 0,1%, para R$ 2,797 bilhões.

Alpargatas (ALPA4): lucro recorrente sobe 74%

A Alpargatas (ALPA4) registrou lucro líquido recorrente R$ 135 milhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 74% em relação ao mesmo período de 2020.

Marcopolo (POMO4) reverte lucro e tem prejuízo

A Marcopolo registrou prejuízo líquido de R$ 14,7 milhões no primeiro trimestre, contra um lucro de R$ 10,7 milhões no mesmo período de 2020.

Conforme a empresa, o desempenho segue impactado pelos reflexos da pandemia sobre o mercado de ônibus.

Tegma (TGMA3) lucra 4,5% a mais  

A Tegma (TGMA3) lucrou 4,5% a mais no balanço do primeiro trimestre de 2021, segundo balanço divulgado nesta segunda-feira (03).

O lucro líquido do 1TRI21 foi de R$ 20,2 milhões, resultado 4,5% superior ao do 1TRI20 apesar da redução da receita, em função principalmente do controle de gastos realizado no período e de eventos extraordinários positivos.

Pague Menos (PGMN3): lucro cresce 3,8 vezes

A Pague Menos (PGMN3) registrou um lucro líquido de R$ 44,2 milhões no balanço do primeiro trimestre de 2021 (1TRI21), crescimento de 3,8 vezes em relação ao mesmo período do ano passado.

O lucro antes de juro, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) somou R$ 159,3 milhões no balanço do 1TRI21, elevação de 27,1% na comparação ano a ano.

Neogrid (NGRD3) lucra 2,17 vezes mais

A Neogrid (NGRD3) reportou lucro líquido de R$ 6,33 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21). Os números são 2,17 vezes maiores que o resultado do mesmo período de 2020, com lucro de R$ 2,91 milhões.

“Os avanços na rentabilidade da Companhia refletem o ganho de eficiência nas operações, a partir da sinergia e integração das soluções na plataforma SaaS da Neogrid na nuvem”, destacou a companhia.

Cias Abertas

Petrobras (PETR4) venda de termelétricas do Polo Camaçari (BA)

A Petrobras (PETR4) informou que foi assinado, nesta segunda (3), contrato com a São Francisco Energia, subsidiária da Global Participações em Energia. para a venda das três usinas termelétricas movidas a óleo combustível, em Camaçari, no estado da Bahia, no chamado Polo Camaçari.

O valor da venda é de R$ 95 milhões e, de acordo com a estatal, não considera os ajustes previstos em contrato até o fechamento da transação.

A operação está sujeita ao cumprimento de condições precedentes, a exemplo das aprovações do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Oi (OIBR3 OIBR4) conclui incorporação da Telemar

A Oi (OIBR3 OIBR4) anunciou nesta segunda (3) que foi concluída a incorporação da Telemar, com transferência de outorgas pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

A incorporação foi implementada e tornou-se efetiva nesta data, aprovada na Assembleia Geral Extraordinária da companhia em 30 de abril de 2021, diz o comunicado da empresa.

A Oi lembra, na nota ao mercado, que a operação está em linha com o Plano de Recuperação Judicial Consolidado da companhia e suas subsidiárias.

Modal (MODL11) esclarece sobre cancelamento de venda de ações

A Modal (MODL11) esclarece que os ativos distribuídos no âmbito do IPO e negociados na B3 consistem exclusivamente nas Units admitidas à negociação no Nível 2 da B3 sob o código “MODL11”, as quais permanecem sendo negociadas normalmente, não tendo sido canceladas quaisquer negociações com tais Units pela B3.

Os cancelamentos informados e efetuados pela B3 na segunda-feira (3) referem-se exclusivamente a negociações indevidas de ações ordinárias e preferenciais (MODL3,MODL3F, MODL4 e MODL4F), não contempladas pelo Prospecto Definitivo da Oferta e demais documentos da Oferta, nas sessões de negociação de sexta-feira (30) e ontem (3).

Vale (VALE3): Castello Branco defende ESG e inovação

Eleito conselheiro de administração da Vale, o ex-presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defende que a mineradora precisa reforçar iniciativas no campo ESG (ambiental, social e de governança), a estratégia de alocação de capital e os investimentos em transformação digital e inovação, para recuperar a posição que já teve no passado, conforme informou o Estadão.

Tecnisa (TCSA3) firma parceira para reduzir custos

A Tecnisa firmou parceria com a Molegolar para melhora da eficiência das plantas de seus empreendimentos, de acordo com reportagem do valor.

O objetivo é que a Molegolar contribua para que a Tecnisa possa reduzir áreas comuns dos projetos, ou seja, as que não comercializa e, nos casos em que a legislação permite, aumentar a área construída das unidades.

Magazine Luiza (MGLU3) se espelha nas gigantes chinesas

Quando Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza, comprou o AiQFome, a maior plataforma de entregas de comida do interior do país, não estava só de olho no mercado disputado por iFood e Rappi. Assim como Jack Ma e Pony Ma, os bilionários que revolucionaram a cena digital chinesa com Alibaba e Tencent – e também duelam no mercado de delivery -, Trajano diz acreditar que o importante no negócio digital é gerar tráfego, o que se traduz em mais vendas. Essa é a lógica por trás do sucesso dos superaplicativos chineses como o WeChat – estratégia que vem sendo adaptada pelo Magazine.

Fusões e aquisições

BTG (BPAC11) adquire Fator Corretora

Para dar musculatura à sua plataforma de investimento em um momento em que o Brasil ganha mais investidores por causa do juro baixo, o BTG Pactual acaba de executar sua oitava aquisição, da Fator Corretora. Depois de investir R$ 1 bilhão em tecnologia, um dos objetivos do banco é ganhar escala em sua plataforma com mais clientes – algo acelerado pelas aquisições, segundo reportagem do Estadão.

Alpargatas (ALPA4) adquire Ioasys

A Alpargatas (ALPA4) fechou acordo para a compra da Ioasys, empresa que desenvolve soluções digitais. A operação teve valor estimado de até R$ 200 milhões.

“Essa aquisição representa mais um importante passo na transformação digital da Alpargatas, com foco na experiência do usuário”, explica a Alpargatas em nota ao mercado.

A empresa diz ainda que o pagamento será realizado ao longo de cinco anos, parte em dinheiro e outra  em ações da Alpargatas.

Dasa (DASA3) conclui aquisição

A Dasa (DASA3) comunicou nesta segunda (3) a incorporação da Insitus Serviços Médicos e Laboratoriais.

Segundo o comunicado, a incorporada foi extinta e, como consequência, as quotas representativas do seu capital foram canceladas e extintas. Já o capital social da Dasa permaneceu inalterado após a incorporação.

Energisa (ENGI11) obtém sentença favorável em arbitragem

A Energisa (ENGI11) comunicou sobre a sentença em arbitragem sigilosa movida pela Energisa e sua controlada, Energisa Soluções, em face da São João Energética.

De acordo com o comunicado, o tribunal arbitral, por unanimidade, condenou a São João Energética a pagar à Energisa o valor histórico de R$ 110,25 milhões, bem como a ressarcir os custos e despesas incorridas com arbitragem.

Wiz (WIZS3) fecha acordo com o Santander (SANB11)

A Wiz (WIZS3) celebrou junto ao Santander (SANB11) um convênio para comercialização, distribuição e divulgação de consórcios e produtos correlatos administrados pela Santander Consórcios.

“A administração da Companhia (“Administração”) entende que a celebração do Convênio é estratégica, pois está alinhada à visão de crescimento da WIZ no contexto de ampliação e diversificação de suas Unidades de Negócios e expertise das empresas do conglomerado WIZ”, destacou a companhia.

A operação será conduzida por uma nova unidade de negócios do Grupo WIZ, mediante a criação de uma subsidiária integral, que atuará com dedicação exclusiva ao Convênio.

Lavvi (LAVV3) anuncia ingresso em índices

A Lavvi (LAVV3) comunicou que, a partir de 3 de maio, as ações de sua emissão ingressaram nos seguintes índices da B3: Índice Imobiliário (IMOB), Índice Small Cap (SMLL), Índice de Consumo (ICON), Índice de Governança Corporativa Trade (IGCT) e Índice Brasil Amplo (IBRA).

Segundo a companhia, a entrada da LAVV3 em tais índices possibilita o acesso a uma base maior de investidores, aumentando sua visibilidade e liquidez.

Fleury (FLRY3) conclui compra de Centro de Infusões Pacaembu

A Fleury (FLRY3) realizou o fechamento da operação de compra de 100% das quotas de emissão da CIP – Centro de Infusões Pacaembu.

O fechamento da operação foi efetivado após o cumprimento das condições suspensivas, e aprovação sem restrições, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

O valor da operação é de R$ 120 milhões.

Emissões e dívidas

Méliuz (CASH3) abre programa de recompra de ações

A Méliuz (CASH3) aprovou programa de recompra de ações ordinária de sua emissão.

O Programa de Recompra busca promover a criação de valor para os acionistas através de uma estrutura de capital adequada combinada com o crescimento dos resultados e proventos por ação, e permitir a entrega de ações aos administradores e demais beneficiários elegíveis ao Plano de Remuneração Baseado em Ações.

A quantidade máxima de ações a serem adquiridas é de até 7.442.125 ações ordinárias, representativas de até 10%das ações em circulação da Méliuz.

Gol (GOLL4): conselho aprova aumento de capital

O Conselho de administração da Gol (GOLL4) aprovou aumento de capital de até R$ 511,8 milhões.

O Aumentode Capital será realizado mediante a emissão, para subscrição privada, de até 171.136.140 ações ordinárias e 16.268.441 ações preferenciais.

Os recursos captados serão utilizados para aceleração da transição de aeronaves 737 NG para 737 Max, a flexibilidade financeira da GOL para executar uma gestão credit-acreative de passivos e acesso a oportunidades de negócio que criem valor

Proventos

LG Informática informa sobre dividendos

Os acionistas da LG Informática aprovaram a alteração no cronograma de pagamento da parcela ainda não paga dos dividendos, no montante total de R$ 11,126 milhões.

Dessa forma, o pagamento passará a ser devido da seguinte forma: seis parcelas mensais de R$ 409.862,51 e duas parcelas mensais de R$ 4.333.880,93.

Qualicorp (QUAL3) aprova R$ 570,4 milhões em dividendos

A Qualicorp (QUAL3) aprovou a distribuição de dividendos no montante de R$ 570,39 milhões.

Farão jus aos proventos os acionistas em 7 de maio (inclusive), sendo que as ações da Companhia serão negociadas “ex” dividendo a partir de 10 de maio.

Os dividendos serão pagos da seguinte forma: R$ 200 milhões, correspondentes a R$ 0,705176770 por ação, em 31 de maio e R$ 370,39 milhões, correspondentes a R$ 1,305963014 por ação, até 28 de dezembro.

Mudança Acionária 

Boa Safra (SOJA3): HIX aumenta participação

A Boa Safra Sementes (SOJA3) comunicou que os fundos geridos pela HIX Investimentos adquiriram 10 milhões) de ações ordinárias da companhia. Esse montante representa 9,002543% do capital social da Boa Safra,

Os fundos da HIX passaram a deter, ainda, 8,08 milhões opções de compra de ações com liquidação exclusivamente financeira, cada uma delas tendo por objeto 1 ação de emissão da companhia — o que corresponde a 7,2748% do capital social da companhia.

 BrMalls (BRML3): alteração acionária

A BrMalls (BRML3) informou que, em 28 de abril, o Morgan Stanley atingiu posição equivalente a 4,9% do número total de ações ordinárias da Companhia.

Sendo 29.414.657 ADRs e 12.953.500 instrumentos financeiros derivado.

Boa vista (BOAS3) anuncia mudança acionária

O Boa vista (BOAS3) informou que a Kayne Anderson Rudnick Investment Management, LLC (KAR) realizou a aquisição de novas ações ordinárias, totalizando 27.483.203 ações, representantes de, aproximadamente, 5,20% do total de ações emitidas pelo Boa Vista.

Tegma (TGMA3) comunica alteração acionária

A Tegma (TGMA3) comunicou que recebeu correspondência da Kayne Anderson Rudnick Investment Management LLC, informando que a quantidade de ações ordinárias da Tegma detida pelo conjunto de fundos de investimentos atingiu 11% das ações, totalizando 7.261.254 ações ordinárias da Tegma.

(Com Marco Antonio Lopes, Claudia Zucare, Rodrigo Petry e Redação)