Radar traz balanços de Ambev (ABEV3), GPA (PCAR3) e TIM (TIMS3)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Foto: radar

O Radar Corporativo desta quinta-feira (6) destaca a agenda intensa de balanços referentes aos resultados do primeiro trimestre.

A Ambev (ABEV3) registrou lucro líquido de R$ 2,73 bilhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 125,7% em relação ao mesmo período e resultado acima do projetado pelo consenso.

Já o GPA (PCAR3) saiu de prejuízo no primeiro trimestre de 2020 para um lucro de R$ 113 milhões no primeiro trimestre de 2021.

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

Enquanto isso, a Braskem (BRKM5) registrou lucro líquido de R$ 2,494 bilhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo o prejuízo do mesmo período de 2020, com desempenho acima do consenso.

A Copel (CPLE6) registrou lucro líquido de R$ 795,1 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 55,6% e resultado acima do consenso

Por sua vez, a TIM (TIMS3) registrou lucro líquido de R$ 277 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 57,9%, mas resultado abaixo do previsto pelo mercado.

A Taesa (TAEE11) registrou lucro líquido de R$ 555,9 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 42,1% e resultado acima do consenso.

Já a Engie Brasil (EGIE3) reportou lucro líquido de R$ 529 milhões no balanço do primeiro trimestre, representando alta de 3,3%.

A Ultrapar (UPGA3) registrou lucro líquido de R$ 137 milhões no balanço do primeiro trimestre, uma queda de 19% e desempenho abaixo do consenso.

Além disso, a Totvs (TOTS3) registrou lucro líquido de R$ 80,6 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 31,1% em relação ao mesmo período de 2020.

Veja agora a cobertura completa do Radar Corporativo:

O que você verá neste artigo:

Balanços

Ambev (ABEV3): lucro mais que dobra no balanço do 1TRI21

Ambev (ABEV3) registrou lucro líquido de R$ 2,73 bilhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 125,7% em relação ao mesmo período de 2020.

O lucro antes de juro, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 5,327 bilhões no balanço do 1TRI21, elevação de 25,9% na comparação ano a ano.

Enquanto isso, a margem Ebitda ajustado da Ambev (ABEV3) foi de 32%, baixa de 1,6 p.p.

A receita líquida atingiu R$ 16,639 bilhões no período, uma elevação de 32% na comparação anual.

GPA (PCAR3) reverte prejuízo e lucra R$ 113 milhões no 1TRI21

O GPA (PCAR3) saiu de prejuízo no primeiro trimestre de 2020 para um lucro de R$ 113 milhões no primeiro trimestre de 2021.

No mesmo período do ano anterior o prejuízo havia sido de R$ 246 milhões.

Braskem (BRKM5) reverte prejuízo e tem lucro líquido de R$ 2,494 bilhões no 1TRI

A Braskem (BRKM5) registrou lucro líquido de R$ 2,494 bilhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo o prejuízo do mesmo período de 2020, de R$ 3,65 bilhões.

No balanço do 1TRI21, a Braskem (BRKM5) registrou uma receita de R$ 22,69 bilhões, alta de 80% sobre o mesmo período do ano passado.

Sinqia (SQIA3) tem alta de 81% no lucro no 1TRI21

A Sinqia (SQIA3) registrou lucro líquido de R$ 779 mil no primeiro trimestre de 2021, aumento de 81% em relação ao mesmo período de 2020.

AES Brasil (AESB3) tem alta de 23% no lucro no 1TRI21

AES BRASIL (AESB3) registrou lucro líquido de R$ 93 milhões no primeiro trimestre de 2021, aumento de 23% em relação ao mesmo período de 2020.

BR Properties (BRPR3): lucro recua 7% no 1TRI

A BR Properties registrou lucro líquido de R$ 13,4 milhões no primeiro trimestre de 2021, redução de 7% em relação ao mesmo período de 2020.

Emae (EMAE4): lucro cresce 3,7 vezes no 1TRI21

A Emae (EMAE4) registrou lucro líquido de R$ 47 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 379,6% em relação ao mesmo período de 2020.

Copel (CPLE6) tem alta de 55,6% no 1TRI21

A Copel (CPLE6) registrou lucro líquido de R$ 795,1 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 55,6% em relação ao mesmo período de 2020.

Totvs (TOTS3) tem alta de 31,1% no balanço do 1TRI21

A Totvs (TOTS3) registrou lucro líquido de R$ 80,6 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 31,1% em relação ao mesmo período de 2020.

A receita líquida da companhia registrou aumento de 19,8%, atingindo R$ 720,25 milhões no 1TRI21. Um ano antes, a receita da Totvs (TOTS3) era de R$ 601,41 milhões.

TIM (TIMS3): lucro cresce 57,9% no 1TRI

A TIM (TIMS3) registrou lucro líquido de R$ 277 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 57,9% em relação ao mesmo período de 2020.

O resultado financeiro líquido do 1T21 foi negativo em R$ 225 milhões, o que representa uma melhora de R$ 26 milhões quando comparado ao 1T20.

Taesa (TAEE11) registra alta de 42,1% no balanço do 1TRI21

A Taesa (TAEE11) registrou lucro líquido de R$ 555,9 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 42,1% em relação ao mesmo período de 2020.

Lojas Quero-Quero (LJQQ3) reverte prejuízo e tem lucro líquido de R$ 11,6 milhões no 1TRI

A Lojas Quero-Quero (LJQQ3) registrou lucro líquido de R$ 11 milhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo prejuízo do mesmo período de 2020.

Tenda (TEND3) lucra 2 vezes mais no balanço do 1TRI21

A Tenda (TEND3) reportou lucro líquido de R$ 36,9 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21). Os números refletem uma alta de 109,5% sobre o lucro do mesmo período de 2020.

Engie Brasil (EGIE3) lucra 3% a mais no balanço do 1TRI21

A Engie Brasil (EGIE3) reportou lucro líquido de R$ 529 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21).

Os números refletem uma alta de 3,3% sobre o lucro do mesmo período de 2020.

Ultrapar (UPGA3) lucra 19% a menos no balanço do 1TRI21

A Ultrapar (UPGA3) registrou lucro líquido de R$ 137 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21).

Os números refletem uma queda de 19% sobre o lucro do mesmo período de 2020.

Cias Abertas

TIM (TIMS3) vende controle da FiberCo pelo total de R$ 1,63 bi

A TIM (TIMS3) anunciou que o Conselho de Administração aprovou um acordo entre a companhia e a IHS Fiber Brasil, que adquiriu participação societária na FiberCo.

O valor (Enterprise Value) da FiberCo ficou estabelecido em R$ 2,6 bilhões.

A transação contempla componentes primários (R$ 609 milhões) destinados ao caixa da FiberCo e secundários (R$ 1.027.590.000,00), a serem pagos a TIM.

Bradesco (BBDC4) vai direcionar R$ 250 bi para ativos de impacto socioambiental 

O Bradesco (BBDC4) comunicou nesta quinta-feira a meta de direcionar R$ 250 bilhões para ativos de impacto socioambiental até 2025.

A meta considera a concessão de crédito para atividades classificadas como de contribuição positiva, produtos e serviços financeiros com foco socioambiental para pessoas físicas e jurídicas, além da assessoria na estruturação de soluções de crédito e dívida atreladas a   critérios ASG (ambientais, sociais e de governança).

Banco Inter (BIDI4): família Menin promove reorganização societária no grupo controlador

O Banco Inter (BIDI4) informou reorganização societária no grupo controlador do banco.

Assim, Rubens Menin Teixeira de Souza e João Vitor Nazareth Menin Teixeira de Souza contribuíram as ações que detêm em Inter Holding Financeira S.A. para sociedade sediada no exterior, que passou a ser a controladora de Inter Holding Financeira, sendo que esta, por sua vez, detém participação societária direta que assegura o controle societário do Inter.

O acordo de acionistas até então firmado entre Rubens Menin e João Vitor Menin deixa de ser necessário, uma vez que Rubens Menin, por meio da sua participação direta na Sociedade e de suas participações indiretas na Inter Holding Financeira e no Inter, continua a manter todos os poderes que o habilitam a gerir os negócios das referidas sociedades.

Guararapes (GUAR3) lança conta digital da Midway

A Guararapes (GUAR3) comunicou o lançamento da conta digital da Midway Financeira.

O movimento está em linha com o processo de transformação do modelo de negócios da companhia na direção de se tornar uma grande plataforma digital centrada no cliente.

“De acordo com o ranking divulgado pelo Banco Central do Brasil, a Midway Financeira já é a oitava maior instituição Financeira do país em quantidade total de clientes”, diz a empresa.

Klabin (KLBN11) aprova escopo da 2ª máquina de papel do Puma II

A Klabin (KLBN11) comunicou que aprovou a atualização de escopo da 2ª etapa do Puma II, para instalação de uma máquina de papel cartão.

O Projeto Puma II, aprovado em 16 de abril de 2019, contempla a expansão de capacidade no segmento de papéis para embalagem, por meio da construção de duas máquinas de papel com produção de celulose integrada, na unidade industrial Puma no município de Ortigueira/PR.

Padtec (PDTC3) informa que passará a negociar ações no Novo Mercado

A Padtec (PDTC3) informou que a partir de 10 de maio passará a negociar ações no Novo Mercado.

Nesta quarta-feira, segundo a empresa, foi celebrado o contrato com a B3 para a participação do Novo Mercado.

Lojas Marisa (AMAR3): aditamento ao contrato de indenidade

A Lojas Marisa (AMAR3) anunciou que seu conselho de administração aprovou o aditamento e consolidação do contrato de indenidade celebrado entre a companhia e seus administradores.

Mais informações sobre o contrato estão disponíveis no Formulário de Referência da companhia e a minuta do contrato está disponível na categoria “Contratos  de Indenidade”.

Sabesp (SBSP3) não integrará SPE na concessão da Cedae

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, Sabesp (SBSP3) informa que, após analisar os termos finais do leilão da concessão do Bloco 2 da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), no qual a Iguá Saneamento (IGSN3) sagrou-se vencedora, decidiu não exercer a opção de adquirir uma participação no capital social da Sociedade de Propósito Específico (SPE),que será criada para explorar a concessão.

Engie (ENGI11) pretende vender térmicas até o final do ano

A Engie Brasil Energia (ENGI11) planeja se desfazer até o fim de 2021 de seus ativos de geração termelétrica, em linha com a estratégia do grupo para a transição para uma economia de baixo carbono, de acordo com o jornal Valor.

Atualmente, a companhia tem planos em curso para a venda das termelétricas Pampa Sul (RS) e Jorge Lacerda (SC).

Taesa (TAEE11) pretende entregar obras em andamento até o fim de 2021

A Taesa (TAEE11) tem “boas perspectivas” para entregar uma parte de suas obras em andamento até o fim de 2021, antes do prazo regulatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Natura (NTCO3) faz várias mudanças na gestão de pessoas

A Natura (NTCO3) está acelerando uma série de iniciativas na gestão de pessoas, iniciadas no ano passado. O objetivo é diminuir a pressão sobre as agendas de trabalho dos funcionários e melhorar o equilíbrio entre vida profissional e pessoal, conforme informou o jornal Valor.

As iniciativas incluem novas regras sobre horários, reuniões e a ampliação da oferta de recursos de telemedicina, entre outros.

Emissões e dívidas

GPA (PCAR3) aprova debêntures de R$ 1,5 bi

A GPA (PCAR3) informou que aprovou a 18ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, em até duas séries, com prazo de vencimento entre cinco e sete anos, no montante de R$ 1,5 bilhão.

Segundo a companhia, as debêntures serão destinadas exclusivamente a investidores profissionais. A oferta restrita será apresentada a, no máximo, 75 investidores profissionais. As debêntures poderão ser subscritas por, no máximo, 50 investidores profissionais.

Os recursos da emissão serão utilizados pela companhia para reforço do capital de giro e alongamento do perfil de endividamento.

TIM (TIMS3) aprova novo programa de recompra de ações

A TIM (TIMS3) informou o encerramento do Programa de Recompra de Ações aprovado em reunião do Conselho de Administração em 29 de julho de 2020.

Durante o período desse Programa, o de número 4, foram adquiridas, segundo a TIM,  397.331 ações ordinárias a um preço médio de R$ 12,11, para fazer frente às obrigações decorrentes do Plano de Incentivo de Longo Prazo baseado em ações e dirigido aos executivos da companhia.

A TIM aprovou um novo programa de recompra de ações, o de número 5. O objetivo, segundo a companhia, é apoiar a remuneração baseada em ações do Plano de Incentivos de Longo Prazo ou para eventual cancelamento, sem redução do capital social.

A quantidade de ações que poderão ser adquiridas é de até 2.890.417 de ações ordinárias, sem redução do capital social. Isso corresponde a 0,09% do total de ações ordinárias ou 0,27% do total de ações em circulação.

Simpar (SIMH3) informa aumento de capital

A Simpar (SIMH3) aumentou seu capital social em R$ 2.423.928,18.

Assim, agora o capital da empresa passou a ser R$ 718.305.576,96, dividido em 206.243.358 ações ordinárias.

Proventos

AES Brasil (AESB3) aprova dividendos intermediários

A AES Brasil (AESB3) comunicou  que foi aprovada a distribuição de dividendos intermediários relativos ao primeiro trimestre de 2021, no montante de R$ 67.992.792,38, que correspondem a  R$ 0,17036252099 por ação ordinária.

Os dividendos são isentos de IRRF (imposto de renda retido na fonte). De acordo com a companhia, o pagamento será realizado em 28 de maio de 2021.

Emae (EMAE4) anuncia JCP

A Empresa Metropolitana de Águas e Energia, a Emae (EMAE4), anuncia que o Conselho de Administração aprovou a distribuição de R$ 16.771.164,63 a título de Juros Sobre o Capital Próprio (JCP).

O valor a ser pago por ação está demonstrado abaixo:

AÇÃO                 JCP: Valor bruto (R$)     JCP: Valor líquido (R$)

Ordinária          0,428149786                  0,363927318

Preferencial      0,470964765                  0,400320050

CEB (CEBR3) paga dividendos

A CEB (CEBR3) aprovou o pagamento de dividendos no valor total bruto de R$ 553,839 milhões.

O valor por ação é de R$ 36,9 para ações ordinárias e preferenciais classe A. Para ações preferenciais classe B o valor por ação é de R$ 40,5.

IPO

PetroRecôncavo (RECV3) estreia na B3 (B3SA3) com alta de 5,83%

A PetroRecôncavo (RECV3), operadora de petróleo e gás independentes com foco em campos maduros em terra no Brasil, concluiu nesta quarta (5) sua oferta pública inicial (IPO) na B3 (B3SA3).

As ações da companhia fecharam o pregão em alta de 5,83%, cotadas a R$ 15,61.

A estreia ocorreu sob forte variação. Começaram a sessão em queda de 2,85%, a R$ 14,33. No meio do dia, saltaram 13,22%, para R$ 16,70.

(Com Marco Antonio Lopes, Claudia Zucare, Rodrigo Petry e Redação)