Quanto rende R$ 20 mil na poupança? Vale a pena a rentabilidade?

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: EnvatoElements/By Rawpixe

A caderneta de poupança chega ao fim de mais um ano entre as aplicações com pior rentabilidade no País.  Como o rendimento dela está atrelado à taxa Selic, quem tem dinheiro na poupança vê seus recursos renderem apenas 1,4% ao ano – um percentual que não compensa sequer a inflação.

Ainda assim, a caderneta continua sendo o lugar preferido dos brasileiros para guardar dinheiro. Os dados do Banco Central mostram que, em 2020, em meio à pandemia, as famílias fizeram mais depósitos do que saques na caderneta. O próprio BC tem chamado esse movimento de “poupança precaucional”, em que as pessoas fazem uma reserva para casos de emergência, com medo de perderem renda no futuro.

Isso não está errado. Pelo contrário. É até um sinal de que os brasileiros aprenderam algumas boas lições de finanças nesses tempos difíceis. Mas será que não é possível aplicar esse dinheiro de modo que ele renda mais, sem risco e com liquidez?

Guia definitivo sobre Renda Variável  e os Melhores Investimentos para 2021

Compare o rendimento de R$ 20 mil

Antes de continuarmos, veja qual foi o rendimento de R$ 20 mil aplicados na poupança e em outros investimentos nos últimos dez anos.

Aplicaçãotaxa mensalMontante acumulado
Poupança0,1159%R$ 22.982,47
CDB 100% CDI0,14%R$ 23.520,63
CDB PRE 9,50%0,68%R$ 45.129,87
CDB IPCA+ 4,90%0,70%R$ 46.298,45
LCI / LCA 100% CDI0,16%R$ 24.141,92
Tesouro Prefixado 7,39%0,57%R$ 37.680,66
Tesouro IPCA + 3,09%0,57%R$ 39.667,76

* Rendimentos líquidos de imposto de renda, para investimentos tributados.

Como observado na tabela, todos os investimentos mencionados superaram a poupança. Os grandes destaques foram as aplicações prefixadas ou atreladas à inflação.

No entanto, cabe frisar que a rentabilidade auferida é no vencimento da aplicação, caso o resgate seja solicitado antecipadamente o investidor poderá obter resultados diferentes.

Além das aplicações de renda fixa, o investidor com perfil mais agressivo pode optar por investir em renda variável. Para saber mais sobre investimento em renda variável, seus custos, vantagens e desvantagens, recomendamos a leitura deste artigo.

Poupança nova ou antiga?

Por conta de uma mudança nas regras de remuneração, existem atualmente dois tipos de poupança no Brasil. A antiga tem depósitos feitos até 3 de maio de 2012 e rende 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR), que hoje é zero. Isso dá um rendimento de cerca de 6% ao ano, o que nem é ruim.

O problema maior está na poupança nova. O dinheiro aplicado depois da mudança na legislação rende TR mais 70% da taxa Selic, sempre que a taxa Selic ficar abaixo de 8,5%. Hoje, ela está em 2% ao ano.

Por lei, os bancos precisam diferenciar as duas poupanças no extrato do cliente e, em caso de saque, retirar recursos primeiro da nova.

Confira a remuneração da poupança com a Selic igual ou inferior a 8,50%:

Selic Meta70% da SelicPoupança mensal
8,50%5,95%0,4828%
8,25%5,78%0,4690%
8,00%5,60%0,4551%
7,75%5,43%0,4412%
7,50%5,25%0,4273%
7,25%5,08%0,4134%
7,00%4,90%0,3994%
6,75%4,73%0,3855%
6,50%4,55%0,3715%
6,25%4,38%0,3575%
6,00%4,20%0,3434%
5,75%4,03%0,3294%
5,50%3,85%0,3153%
5,25%3,68%0,3012%
5,00%3,50%0,2871%
4,75%3,33%0,2730%
4,50%3,15%0,2588%
4,25%2,98%0,2446%
4,00%2,80%0,2304%
3,75%2,63%0,2162%
3,50%2,45%0,2019%
3,25%2,28%0,1876%
3,00%2,10%0,1733%
2,75%1,93%0,1590%
2,50%1,75%0,1447%
2,25%1,58%0,1303%
2,00%1,40%0,1159%

Tesouro Direto

Agora que você já sabe que está perdendo dinheiro na poupança, vamos lhe mostrar algumas alternativas à caderneta.

Os títulos do Tesouro Direto funcionam como empréstimos feitos ao governo, onde o rendimento é adquirido por meio dos juros obtidos no vencimento.

Por ser considerada uma modalidade de renda fixa com baixo risco, o Tesouro é recomendado para conservadores, contudo, sua rentabilidade também não é tão alta.

Tesouro Direto é considerado um dos investimentos mais seguros do país. Isso porque você está emprestando dinheiro para o Governo Federal, que é considerado o melhor pagador do mercado.

Em troca desse “empréstimo”, você recebe os juros referentes à transação, que podem ser de três tipos: prefixados, indexados à Selic ou indexados ao IPCA.

Na modalidade prefixada, você já conhece a rentabilidade do título ainda no momento da contratação.

Assim é possível fazer planos com o dinheiro que você irá resgatar no futuro como, por exemplo, comprar uma casa, trocar de carro, etc.

Os títulos prefixados também podem envolver o pagamento de juros semestrais. Nesse caso, você poderá resgatar a cada seis meses uma parte da rentabilidade do título, o que é ideal para quem deseja viver da renda de seus investimentos.

Tesouro Selic

Tesouro Selic rende o mesmo que a taxa básica de juros do mercado.

Esse título é uma boa opção para reserva de emergência, uma vez que você pode retirar o dinheiro da aplicação a qualquer momento, e rendimentos negativos (embora sempre muito pequenos e limitados) são praticamente inexistentes, embora possam ocorrer em momentos de grande estresse de mercado.

Tesouro IPCA

Já as modalidades do Tesouro Direto atreladas à inflação, como o Tesouro IPCA+ e o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais são a melhor opção para proteger o seu dinheiro dos efeitos nocivos da inflação.

Isso porque, nessa modalidade, você receberá um percentual de rentabilidade acrescido do IPCA, ou seja, estará garantindo um ganho real (que é aquele acima da inflação) no momento do resgate do título.

Dessa forma, você consegue manter o poder de compra do seu dinheiro ao longo dos anos, o que é ideal para quem deseja realizar planos de médio e longo prazo.

CDB

Os CDBs são os Certificados de Depósito Bancário. Assim como o Tesouro Direto, são papéis de renda fixa emitidos com a intenção de captar recursos. Mas, nesta modalidade, o dinheiro é emprestado aos bancos.

Existem sempre três alternativas de rentabilidade: Prefixado, Pós Fixado ou mistos – exemplo: IPCA+.

As aplicações pós fixadas acompanham um indexador. E, no caso dos CDBs geralmente o indexador é o CDI, que, por sua vez, segue a Selic. Se a Selic sobe ela arrasta o CDI que, por sua vez, puxa a rentabilidade dos papéis pos fixados para cima.

As emissões bancárias de Renda Fixa Prefixadas (cuja taxa é conhecida desde o início da aplicação) ou aquelas atreladas à variação da Inflação (IPCA+) costumam ter as melhores taxas para o médio e longo prazo, sendo aplicações preferenciais para estes fins.

Há de ser ter atenção à expectativa da taxa Selic no futuro. Se houver um aumento brusco da taxa isso pode inviabilizar a aplicação prefixada no curto prazo. É importante analisar as projeções ou consultar especialistas que podem auxiliar nisso.

Um dos grandes riscos envolvidos no investimento é o banco emissor quebrar e não honrar com o compromisso. No entanto, o investidor conta com uma vantagem, que é a garantia dada pelo Fundo Garantidor de Crédito. Esta proteção vai até o limite de R$ 250 mil por CPF.

Por essa razão, clientes com mais recursos preferem investir em CDBs de bancos variados, respeitando o limite de R$ 250 mil em cada instituição.

LCI e LCA

LCIs e LCAs são mais interessantes do que o CDB caso o investidor tenha mais tempo para deixar o dinheiro aplicado. Além da rentabilidade normalmente ser maior, a isenção de IR contribui para o maior ganho nessas modalidades. Para alguns especialistas, é sempre  interessante ter LCIs e LCAs nas carteiras. Entretanto, a baixa liquidez e a carência mínima de 90 dias são pontos importantes a serem avaliados pelo investidor.

Do ponto de vista de quem investe, as LCIs e LCAs são idênticas, o que muda é o lastro do papel.

Isso porque as letras de crédito imobiliário têm lastro na carteira de créditos do setor imobiliário mantida pela instituição emissora. Por outro lado, as letras de crédito do agronegócio são utilizadas para captar recursos para a cadeia do agronegócio.

As LCIs e LCAs são muito semelhantes aos CDBs.  Nesse sentido, o investidor que adquire esses papéis também “empresta” dinheiro para o banco, em troca de uma remuneração.

Assim como os CDBs, as LCIs e LCAs têm a garantia do fundo garantidor de crédito (FGC) e podem ser pós ou prefixadas.

Normalmente, as LCIs e LCAs possuem liquidez inferior à de outros produtos de renda fixa. Isso significa que o investidor não consegue sacar os recursos a qualquer momento.

Nesses títulos, via de regra, o prazo mínimo para o resgate é de 90 dias. Todavia, ele pode ser bem maior quando a renumeração estiver atrelada a um índice de preços. Nesse caso, o prazo poderá ser de 12 meses, se a atualização do título for anual, ou 36 meses se for mensal.

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.