Qualicorp (QUAL3) cria comitê para apurar fatos investigados na operação da PF

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Divulgação/Qualicorp

O conselho de administração da Qualicorp (QUAL3) aprovou a criação de um comitê independente e com autonomia orçamentária para apurar os fatos que levaram à operação de busca e apreensão na sede da companhia na terça-feira (21).

A ação da Polícia Federal fez parte de investigações da Justiça Eleitoral de SP na Lava Jato sobre caixa 2 na eleição de 2014 do senador José Serra (PSDB), que teria recebido contribuições do fundador e ex-presidente da Qualicorp, José Seripieri Filho.

De acordo com a companhia, o comitê será formado pelos membros independentes do conselho Mauro Teixeira Sampaio, Murilo Ramos Neto e Roberto Martins de Souza. E contará com a ajuda de assessores externos especializados. Os trabalhos devem ter início com a “maior brevidade possível”.

Reformulação

No comunicado ao mercado, a Qualicorp informa que os fatos que deram origem à operação são de 2014 e desde 12 novembro de 2019, quando a companhia realizou uma profunda reformulação da sua administração, José Seripieri Filho “não ocupa qualquer cargo na administração e não é um acionista relevante”.

Em fevereiro desse ano, a companhia comunicou que o empresário vendeu 20.438.765 ações ordinárias e reduziu sua participação na empresa de 9,9% para 2,75%.

Smiles (SMLS3) troca auditoria independente

O conselho de administração da Smiles aprovou a contratação da Grant Thornton Auditores Independentes em substituição à KPMG Auditores Independentes como os novos auditores independentes da empresa.

A Grant Thornton assumirá as atividades a partir da revisão das informações trimestrais do segundo trimestre.

Em comunicado, a Smiles informa que a troca de auditoria segue decisão da acionista controladora Gol Linhas Aéreas Inteligentes, por motivo de sinergia operacional.

Segundo a companhia, a KPMG entendeu o motivo da mudança e não teve discordâncias em relação a assuntos contábeis, controles internos e as demonstrações da Smiles.