Qual é o melhor investimento de renda fixa? Saiba aqui!

Ronaldo Araújo
Engenheiro e Agente Autônomo de Investimentos, hoje me dedico a divulgar ensinamentos sobre como funciona a Previdência Privada. Acredito que com mais conhecimento é possível fazer melhores escolhas para a formação do patrimônio de longo prazo. Para saber mais acesse www.ronaldoaraujo.com.br
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Existe muita dúvida a respeito de qual é o melhor investimento de renda fixa. No entanto, a resposta a esse questionamento pode frustrar muita gente, pois o fato é que depende do objetivo de cada investidor. Pode ser que o prazo disponível da aplicação seja curto ou não, assim como se o investidor quer receber juros semestrais ou somente ao final do período. Enfim, cada carteira é uma carteira.

Este artigo fala melhor a respeito de quais são as alternativas disponíveis no mercado de renda fixa brasileiro. Ao ler o texto, você saberá porque a renda fixa sofre variações, não sendo tão fixa quanto parece. Depois, verá quais são os títulos disponíveis no mercado, bem como entenderá que existem modos de investir sem se preocupar com a alocação do capital.

Continue na leitura para ter acesso a esse conhecimento. Confira!

Melhor investimento de renda fixa: por que a renda não é tão fixa assim?

Muitas pessoas não atentam para que a renda fixa pode não ser fixa. Na verdade, o que caracteriza um investimento desse tipo é o fato de (quase) sempre seu retorno ser positivo.

No entanto, o valor desse retorno dependerá do valor da taxa básica de juros do país, a Selic. Sendo assim, um investimento que rende um percentual do CDI estará rendendo uma parcela da Selic.

Existem ainda os títulos do Tesouro prefixado e do Tesouro IPCA que, dependendo se há retirada antecipada do capital investido, podem até mesmo resultar em prejuízo ao investidor.

Qual é o melhor investimento de renda fixa?

A resposta a essa pergunta dependerá muito do objetivo do investidor. Sendo assim, não há uma verdade absoluta e um investimento que faz sentido para uma pessoa não necessariamente faz para outra.

O certo é que, para fazer uma boa escolha, é preciso ter um conhecimento prévio das alternativas disponíveis. Acompanhe a seguir um descritivo sobre os principais investimentos em renda fixa do mercado.

Letras de crédito

As letras de crédito existem em duas modalidades. Podem ser do tipo imobiliárias (LCI) ou do agronegócio (LCA). Sua característica principal é a destinação de seus recursos.

As primeiras devem investir no ramo de imóveis, enquanto as segundas precisam aplicar o dinheiro captado no setor do agronegócio brasileiro.

Por conta disso, as letras de crédito contam com isenção no pagamento de imposto de renda, o que aumenta o rendimento final da aplicação.

Além disso, são títulos emitidos obrigatoriamente por instituições financeiras. Isso é vantajoso porque os papéis são cobertos pelo FGC, o fundo garantidor no Brasil.

Certificado de recebíveis

Esses títulos fazem parte do grande grupo de crédito privado da renda fixa. Também podem ser de dois tipos: certificado de recebíveis imobiliários (CRI) ou do agronegócio (CRA).

Uma diferença significativa em relação ao papel anterior diz respeito ao emissor. Enquanto as letras são emitidas pelos bancos, os certificados têm sua emissão feita por empresas privadas.

Para os CRIs, as companhias emissoras precisam atuar no ramo de imóveis e aplicar os recursos captados nesse mesmo setor. De forma análoga, os CRAs fazem parte da emissão de empresas do agronegócio brasileiro.

Um ponto importante a considerar é a necessidade de participação de uma empresa securitizadora no processo de empacotamento dos títulos. Somente assim eles podem ser ofertados no mercado para os investidores.

Títulos públicos

Os papéis do Tesouro Direto também são uma ótima opção para investir recursos na renda fixa.

A razão disso é que seu emissor é o Governo Federal e como ele pode imprimir dinheiro para pagar a dívida, o risco de inadimplência é muito baixo.

Existem três modalidades de títulos atualmente disponíveis na plataforma. A escolha entre cada um deles dependerá do objetivo do investidor.

De maneira geral, é possível investir em títulos prefixados, pós-fixados (Tesouro Selic) e em papéis híbridos, como o Tesouro IPCA. Há inclusive aqueles que pagam juros semestrais.

Cada um desses investimentos se apresenta em diversas datas de vencimentos, com prazo de até 30 anos ou mais.

CDB

Os CDBs são os títulos mais representativos dos bancos. São os certificados de depósitos bancários, tão populares entre gerentes e clientes de uma agência desse tipo.

Nada mais são do que papéis de dívida dessas instituições financeiras na qual o investidor emprega seu recurso com a promessa de um retorno no futuro acrescido de juros.

Vale lembrar que são títulos garantidos pelo FGC. Dessa forma, são cobertos até o valor teto de R$ 250 mil por CPF e por instituição, até o máximo de R$ 1 milhão por investidor.

Debêntures

As debêntures são títulos de dívidas de empresas privadas. Juntamente com os certificados de recebíveis, também fazem parte do mercado de crédito privado.

Existem basicamente dois tipos de debêntures: a primeira delas capta recursos para a expansão da atividade econômica da empresa em questão.

A outra também faz isso só que deve ter o emprego do capital necessariamente em obras de infraestrutura. É a conhecida debênture incentivada.

Uma grande vantagem dessas últimas é contar com a isenção de pagamento de imposto de renda.

Fundos de renda fixa

Por fim, existe ainda a opção de investir em renda fixa por meio de um fundo de investimentos que possui a política voltada a esse mercado.

Nessa modalidade de investimento não há necessidade de escolher o título que receberá a aplicação. Isso é feito por meio de uma gestão profissional, que cobra para isso, mas que pode oferecer bons retornos ao investidor.

Também há a comodidade de não se preocupar com prazos de vencimento de nenhum título. Caso o investidor queira seu recurso de volta, basta pedir o resgate e esperar a liquidação do dinheiro.

A escolha pelo melhor investimento de renda fixa nunca será uma resposta igualmente fixa. Esse tipo de aplicação considera diversos fatores em seu cálculo de rentabilidade e sofre forte pressão de um dispositivo chamado marcação a mercado. No entanto, ele somente incide quando há resgate antecipado do título. No mais, a escolha mais adequada dependerá dos objetivos do investidor e do seu planejamento financeiro. São essas as variáveis que mais importam no momento de investir.

Quer conhecer melhor os investimentos de renda fixa? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para mostrar as aplicações disponíveis!

Se quiser saber ainda mais sobre renda fixa, leia nosso e-book exclusivo!