Projetos de concessões continuam previstos para 2º semestre, diz ministro

Felipe Moreira
Editor na EuQueroInvestir, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional.
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

O cronograma de concessões do governo permanecem previstas para o segundo semestre deste ano, apesar da propagação do coronavírus pelo país, segundo Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura, em reportagem da CNN.

Freitas afirmou que a agenda não está parada, os projetos seguem avançando, alguns devem sofrer com atrasos devido a processos como audiências públicas, mas novas concessões acontecerão no segundo semestre.

O ministro ainda negou que a procura por estrangeiros de ativos brasileiros tenha caído devido ao avanço da crise mundial.

“Alguns investidores estão pedindo para adiar um pouco, mas o interesse continua.Eles estão olhando para o longo prazo e continuamos tendo ativos muito interessantes,” disse o ministro a CNN.

No setor de logística, Freitas reforça que todo o governo vem trabalhando para manter as rodovias, portos e aeroportos funcionando. Uma das principais atitudes implementadas foi a integração com todos os estados com a formação de um comitê de crise com os secretários estaduais de transporte.

Para o ministro, as medidas adotadas por alguns governadores e prefeitos de impedir a passagem por rodovias e portos para conter a propagação do covid-19, precisam ser melhores avaliadas.

“Acho que todos buscam fazer o melhor, mas as medidas precisam ser tomadas pensando nos efeitos colaterais. E a missão do Ministério é alertar sobre isso”, diz Freitas. “Vamos ter uma diminuição cada vez mais importante do transporte aéreo, então diversas pessoas vão depender do transporte interestadual. Como dosamos isso?”

Abastecimento

De acordo com o ministro, existem outros serviços essenciais que não podem ser fechado como borracharias, mecânicos, entre outros.

“Precisamos manter as cidades abastecidas. Então, a carga precisa chegar. É preciso produzir e as pessoas têm que trabalhar”, disse o ministro. “O caminhão precisa circular, mas o pneu continuará dando problema, assim como falhas mecânicas. Precisamos dar uma estrutura para que tudo funcione.”

Segundo a CNN, Freitas destacou o expressivo déficit da balança comercial referente a produtos de saúde. Dessa forma, é importante não aconteça interrupção dos portos. Caminhoneiros e portuários estão trabalhando como verdadeiros “soldados”.