Produção de grãos no Brasil bate recorde em meio à crise do Covid-19

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Brasil

A pandemia de coronavírus acertou em cheio a economia brasileira, mas um setor conseguiu superar as dificuldades e até quebrar recordes: a produção de grãos.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os agricultores têm seguido as atividades de maneira normal, apenas observando os cuidados recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Os agricultores continuam com suas atividades dentro da normalidade adotando os cuidados recomendados pelas diversas instituições das áreas envolvidas no combate novo vírus, como o Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS), além de conseguir realizar os tratos culturais, como adubação e aplicação de defensivos, no período recomendado”, diz o comunicado da Conab.

O resultado, de acordo com nota publicada no site oficial da Conab, é que o País atingirá um recorde  na produção de grãos referente à safra 2019/2020.

A projeção é que sejam produzidas 251,8 milhões de toneladas de grãos, com um aumento de 4% (ou 9,7 milhões de toneladas) em relação à safra 2018/2019.

Soja e milho puxam produção de grãos

Boa parte do recorde de produção estabelecido deve-se aos números da soja e do milho. Segundo a Conab, a produção de soja terá um ganho de 6,1% em relação à safra anterior, com 122,1 milhões de grãos.

O milho, por suas vez, deve apresentar uma colheita de 101,9 milhões de toneladas, com aumento de 1,8% quando comparado à última safra.

Mato Grosso, principal estado produtor, já finalizou a semeadura do milho, juntamente com Goiás, Tocantins e Maranhão. Paraná, Mato Grosso do Sul e Piauí têm mais de 90% da área semeada.

Outros grãos

Merecem destaque também as produções de arroz, feijão, sorgo e algodão. O arroz tem estimativa de colheita de 10,6 milhões de toneladas, 1,2% a mais do que em 2018/2019.

O feijão, por sua vez, ficou em 1,07 milhão de toneladas, 8,3% superior ao volume produzido na última safra. A segunda safra deve diminuir 1,1% na área cultivada.

“Cultura em desenvolvimento e as condições climáticas são favoráveis, o que deve permitir uma produção de 1,33 milhão de toneladas”, justificou a Conab, em nota.

O algodão deve apresentar a maior produção registrada na série histórica, com colheita de 2,88 milhões de toneladas da pluma, 3,7% acima da de 2018/2019.

Safra de inverno

De acordo com os números do 7º Levantamento Safra 2019/2020, a safra de inverno, focada em aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale, pode ter um crescimento de 2,1% na área a ser plantada.

A expectativa em relação ao trigo é de um aumento de 2,4%, passando para 2,09 milhões de hectares na nova safra.

A produção tem uma projeção de crescimento de 1,6% em relação à safra anterior, podendo alcançar 5,43 milhões de toneladas.

CDC dos EUA tira orientações sobre cloroquina e hidroxicloroquina de seu site

Câmara adia votação de socorro a Estados e municípios