Produção de grãos no Brasil bate recorde em meio à crise do Covid-19

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Brasil

A pandemia de coronavírus acertou em cheio a economia brasileira, mas um setor conseguiu superar as dificuldades e até quebrar recordes: a produção de grãos.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os agricultores têm seguido as atividades de maneira normal, apenas observando os cuidados recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

“Os agricultores continuam com suas atividades dentro da normalidade adotando os cuidados recomendados pelas diversas instituições das áreas envolvidas no combate novo vírus, como o Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS), além de conseguir realizar os tratos culturais, como adubação e aplicação de defensivos, no período recomendado”, diz o comunicado da Conab.

O resultado, de acordo com nota publicada no site oficial da Conab, é que o País atingirá um recorde  na produção de grãos referente à safra 2019/2020.

A projeção é que sejam produzidas 251,8 milhões de toneladas de grãos, com um aumento de 4% (ou 9,7 milhões de toneladas) em relação à safra 2018/2019.

Soja e milho puxam produção de grãos

Boa parte do recorde de produção estabelecido deve-se aos números da soja e do milho. Segundo a Conab, a produção de soja terá um ganho de 6,1% em relação à safra anterior, com 122,1 milhões de grãos.

O milho, por suas vez, deve apresentar uma colheita de 101,9 milhões de toneladas, com aumento de 1,8% quando comparado à última safra.

Mato Grosso, principal estado produtor, já finalizou a semeadura do milho, juntamente com Goiás, Tocantins e Maranhão. Paraná, Mato Grosso do Sul e Piauí têm mais de 90% da área semeada.

Outros grãos

Merecem destaque também as produções de arroz, feijão, sorgo e algodão. O arroz tem estimativa de colheita de 10,6 milhões de toneladas, 1,2% a mais do que em 2018/2019.

O feijão, por sua vez, ficou em 1,07 milhão de toneladas, 8,3% superior ao volume produzido na última safra. A segunda safra deve diminuir 1,1% na área cultivada.

“Cultura em desenvolvimento e as condições climáticas são favoráveis, o que deve permitir uma produção de 1,33 milhão de toneladas”, justificou a Conab, em nota.

O algodão deve apresentar a maior produção registrada na série histórica, com colheita de 2,88 milhões de toneladas da pluma, 3,7% acima da de 2018/2019.

Safra de inverno

De acordo com os números do 7º Levantamento Safra 2019/2020, a safra de inverno, focada em aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale, pode ter um crescimento de 2,1% na área a ser plantada.

A expectativa em relação ao trigo é de um aumento de 2,4%, passando para 2,09 milhões de hectares na nova safra.

A produção tem uma projeção de crescimento de 1,6% em relação à safra anterior, podendo alcançar 5,43 milhões de toneladas.

CDC dos EUA tira orientações sobre cloroquina e hidroxicloroquina de seu site

Câmara adia votação de socorro a Estados e municípios

 

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo