Produção de grãos da safra 2020/21 deve ser maior da história, diz Conab

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Foto: Grãos

A produção de grãos na safra brasileira 2020/21 deve estabelecer um novo recorde, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O 2º Levantamento da safra de grãos 2020/21, divulgado nesta terça-feira (10), revelou que o Brasil deve alcançar a produção de 268,9 milhões de toneladas de alimentos.

Esse número representa um aumento de 11,9 milhões de toneladas, ou 4,6 %, na comparação com a temporada de 2019/2020.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Soja e milho puxam alta da produção

A Conab apontou que dois grãos em especial puxaram para cima a expectativa para a safra 2020/21.

O primeiro deles é a soja, com expectativa de colheita chegando aos 135 milhões de toneladas e confirmando o Brasil como maior produtor mundial do grão.

A área de cultivo da soja está estimada em 38,2 milhões de hectares.

O segundo destaque do relatório divulgado nesta terça é o milho. Segundo a Conab, a colheita das três safras do cereal deve alcançar 104,9 milhões de toneladas no período, transformando-se na maior já registrada.

A área de cultivo do milho, por sua vez, deve ser de 18,4 milhões de hectares.

Outros destaques do relatório da Conab

A expectativa em relação à produção de feijão, somando-se as três safras, é de 3,1 milhões de toneladas com área total de 2,9 milhões de hectares.

Os números são mais baixos do que os da safra anterior, em 3,7%.

A safra de arroz também deve ficar abaixo, somando 10,96 milhões de toneladas, 2% a menos do que em 2019/20.

Em relação ao trigo, cerca de 80% da colheita da safra 2020 já foi concluída. Segundo a Conab, o volume de produção está estimado em 6,4 milhões de toneladas, com 2,3 milhões de hectares cultivados.

Exportação

A pandemia da Covid-19 impôs mais dificuldades, mas não deve impedir as exportações da pluma de algodão de atingir números recordes.

Segundo a Conab, até outubro deste ano, o total exportado foi de 1,4 milhão de toneladas, 31% a mais do que o acumulado do mesmo período no ano passado.

Os números do milho, no que tange à safra atual, foram mantidos, com previsão de exportações em 34,5 milhões de toneladas.

Para a soja, a expectativa de venda para o mercado externo está em torno de 82,7 milhões de toneladas para este ano, sendo que já foram exportados no período de janeiro a outubro 81,4 milhões de toneladas.

Money Week vem aí, de 23 a 27 de setembro. Inscreva-se

Teste de impairment: para que serve e qual a sua importância?

Analistas: vitória de Biden nos EUA pode favorecer bolsa brasileira

Se você quer investir no mercado de renda variável preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos vai entrar em contato.