Produção de açúcar deve crescer 32% na safra 2020/21, diz Conab

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

A Conab informou nesta quinta-feira que a safra de açúcar no Brasil deve fechar 2020/21 com uma produção 32% superior à última.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Segundo os dados divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento, a expectativa é pela produção de 39,33 milhões de toneladas ao fim do período.

Em maio, no pico da pandemia, a Conab havia previsto a produção de 35,33 milhões de toneladas para a atual safra. Agora, reviu os cálculos e melhorou a projeção.

Cana de açúcar também em alta

A safra de cana de açúcar também foi reajustada pela Conab em suas projeções.

Segundo os novos cálculos da Companhia, a produção será 0,1% superior frente à temporada anterior, e bem mais alta do que a estimativa divulgada em maio.

Os números apontam para uma produção de 642 milhões de toneladas, superior às 630,7 milhões previstas na divulgação de maio.

Cana sobe, mas não puxa etanol, diz Conab

Apesar da alta na projeção da cana de açúcar, o cenário não puxou para cima os números esperados para a produção de etanol no País.

Segundo a Conab, serão produzidos 30,56 bilhões de litros, sendo 27,8 bilhões de litros em etanol de cana e 2,7 bilhões de litros produzidos a partir do milho.

Os números são 14,3% menores do que a produção de etanol da safra imediatamente anterior.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

“Mercado garantido”

Segundo a Conab, a produção extra de açúcar na safra 2020/21 tem “mercado garantido”.

A estatal destacou que a exportação brasileira do produto apresentou alta de 70% entre abril e julho ante mesmo período de 2019 e que “a expectativa é de que continue em alta”.

“O impulso vem da oferta mundial limitada por adversidades climáticas em importantes produtores da Ásia e também da taxa de câmbio elevada, comentou o órgão, em nota.

De acordo com informações da Secretaria de Comércio Exterior, as exportações em dólar entre abril e junho foram 63% mais altas do que no ano passado, e mais do que dobraram em reais.

Planilha de Açõesbaixe e faça sua análise para investir