Privalia: e-commerce de moda coloca negócio à venda no Brasil

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação

O e-commerce de moda Privalia estrearia na Bolsa de Valores no 22 de julho deste ano, mas desistiu do IPO, à espera de um momento menos volátil do mercado. Mas agora engajou Itaú BBA para vender o negócio no Brasil e pede R$ 1 bilhão, segundo reportagem do Valor.

O Itaú BBA tem exclusividade na assessoria e vem detalhando condições atual do negócio a interessados, pelo menos, desde outubro. Magazine Luiza, Mercado Livre, Americanas, Renner e Dafiti foram sondados.

O e-commerce pede R$ 1 bilhão pelo negócio, quase 16 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), para uma venda total da plataforma (GMV, da sigla em inglês) de R$ 1,3 bilhão em 2020.

A empresa afirma ser o maior outlet do Brasil. Plataforma de comércio eletrônico focada em flash sales, a Privalia tem um modelo baseado em um ecossistema que conecta marcas renomadas a consumidores engajados, através de descontos e que prioriza a experiência de compra.

“Acreditamos democratizar o acesso a grandes marcas e conseguimos oferecer oportunidades de compra exclusivas”, diz a empresa no seu prospecto preliminar.

Vamos conhecer melhor a empresa?

História da companhia

Fundada em Barcelona em 2006, a Privalia começou suas operações no Brasil em 2008, com ofertas no segmento fashion.

A partir de 2015, reforçou os investimentos em infraestrutura logística e equipe operacional, com foco em ganhos de eficiência e melhoria do nível de serviço – como resultado desses esforços, foi reduzido o Customer Lead Time de 37 dias em 2014 para 13 dias em 2020 e a empresa melhorou o NPS de 41 para 66.

Em 2016, a Privalia foi adquirida pela varejista francesa Ventee-Privee (atualmente denominada Veepee) e se tornou uma subsidiária integral, em um movimento que incluiu a operação brasileira.

Em 2018, a companhia inaugurou o centro de distribuição localizado em Extrema, Minas Gerais, que atualmente opera mais de 500 mil SKUs (Stock Keeping Units).

Além do segmento de moda que deu origem à empresa, atualmente a companhia atua em outros nove segmentos: Pets, Calçados, Home & Decor, Kids, Acessórios, Esportes, Vinho & Gastronomia, Beauty & Wellness, e Eletrônicos.

Modelo de negócios

A Privalia acredita ser o maior protagonista do Brasil no modelo flash sale. Por meio de campanhas com duração de 7 a 10 dias, as mais de 1.500 marcas parceiras ganham uma solução de canal de vendas com alta liquidez para promoção de parte de seus estoques – ao mesmo tempo em que mantêm seu posicionamento de marca protegido – enquanto os usuários passam a ter acesso a produtos renomados por preços competitivos.

Diariamente, nos 13 estúdios que a empresa mantém em sua sede, são fotografadas 5 mil referências que serão ofertadas nas campanhas.

“Em suma, buscamos oferecer o que acreditamos ser as melhores marcas com os menores preços. Oportunidades que sejam imperdíveis”, explica a empresa.

A companhia ressalta que o histórico demonstra que este modelo gera resultados vencedores em termos de engajamento, frequência de compra e tráfego orgânico.

As marcas parceiras percebem o valor do modelo de negócios da Privalia: 95% das marcas relevantes permanecem no portfólio por 5 anos, desenvolvendo uma relação de longo prazo com a companhia. Isso possibilita o uso intensivo de big data para que tanto a Privalia quanto as marcas tenham informações detalhadas sobre o comportamento do consumidor.

A companhia conta com uma base de quase 15,2 milhões de membros cadastrados, dos quais 5 milhões foram captados em 2020.

Os clientes ativos realizam, em média, 3,46 milhões de visitas à plataforma por semana e navegam por quase 90 minutos por mês no aplicativo mobile e no site, sendo 88% feito via mobile. No total, são mais de 490 mil visitas diárias.

Privalia

Avenidas de crescimento da Privalia

A Privalia acredita que há potencial de mercado para continuar crescendo de forma acelerada.

O segmento de varejo off-price, principalmente online, apresenta amplo espaço para expansão, sobretudo quando comparado a mercados mais maduros como os Estados Unidos, analisa a empresa.

Segundo dados da Euromonitor International, a penetração do e-commerce no Brasil ainda é inferior à verificada no mercado americano e, mesmo nos canais offline, em termos comparativos, há poucos players com lojas físicas focadas em modelos de outlet ou off-price.

“Adicionalmente, acreditamos que as plataformas e capacidades de e-commerce de marcas renomadas são, frequentemente, mais desenvolvidas nos Estados Unidos em relação ao Brasil, tornando mais atrativo estabelecer parcerias com plataformas terceiras para vendas outlet ou off-price”, diz a Privalia.

Na visão da companhia há duas grandes oportunidades para explorar: o crescimento do e-commerce (principalmente em canais mobile) e a sub-penetração do varejo off-price no Brasil.

De acordo com a Euromonitor International, o mercado brasileiro de e-commerce movimentou R$ 164 bilhões e cresceu 65,4% em 2020, chegando a 13,9% das vendas totais do varejo.

Em específico, a Privalia acredita que o mercado online de varejo off-price no Brasil representa uma oportunidade única, pois congrega os seguintes pilares: (i) alta demanda de consumidores por marcas renomadas; (ii) frequente excesso de produtos em estoque; (iii) baixa presença de grandes varejistas offline focadas no modelo off-price; (iv) adoção massiva e crescente de smartphones e canais digitais; e (v) limitações geográficas e demográficas para o desenvolvimento do varejo off-price no Brasil.

Para crescer, a estratégia da Privalia consiste em investir em:

  • Incremento do investimento em marketing;
  • Diversificação de portfólio e entrada em novos segmentos na plataforma;
  • Reforçar investimentos em TI e tecnologia proprietária da plataforma;
  • Criação de um programa de fidelidade;
  • Oferta de serviços financeiros;
  • Monetização de tráfego.

Dados econômico-financeiros

A Privalia registrou lucro de R$ 51 milhões em 2018, lucro de R$ 12 milhões em 2019 e prejuízo de R$ 14 milhões no ano passado.

O Ebitda da empresa caiu de R$ 62 milhões (2018) para R$ 45 milhões e depois subiu para R$ 58 milhões. Já a margem oscilou entre 10,32% (2018), 6,13% (2019) e 6,31% (2020).

A receita líquida da Privalia cresceu de R$ 597 milhões em 2018 para R$ 741 milhões em 2019 e R$ 926 milhões no ano passado.

Privalia

Vantagens competitivas da Privalia

  • Proposta de valor única para marcas e clientes;
  • Canal relevante de vendas off-price online para mais de 1.500 marcas;
  • Os clientes são os maiores promotores da marca;
  • Alto engajamento e permanência da base de clientes;
  • Alto NPS (de 66 em 2019);
  • Recorrência de compra e engajamento;
  • Usabilidade e experiência do usuário;
  • Uso de big data e data analytics para constante melhoria da experiência do usuário;
  • Ganho de escala e eficiência;
  • Liderança executiva de primeira linha, com forte governança corporativa e compromisso com princípios de ESG.

IPO poderia movimentar R$ 1 bilhão

O pedido para IPO foi protocolado em fevereiro deste ano na CVM (Comissão de Valores Mobiliários). A companhia pretendia ser listada no Novo Mercado.

E realizar oferta primária (quando os recursos vão para o caixa da companhia) e secundária (quando os acionistas vendem parte de suas ações).

Os recursos da oferta primária seriam direcionados para a aquisição de ativos da Privalia VA, desenvolvimento da plataforma de e-commerce da empresa; investimento em marketing; reforço do capital de giro da companhia; e potenciais aquisições de negócios (M&A).

Já acionistas vendedores na oferta secundária seriam Privalia Venta Directa S.A. e Privalia Vendita Diretta S.R.

No último dia 12 de julho a empresa divulgou o prospecto com os valores da oferta. A faixa indicativa de preço dos papéis ficou definida entre R$ 16,30 e R$ 18,10.

Assim, levando em conta o ponto médio da faixa, de R$ 17,20, e o total de ações que podem ser emitidas nos lotes inicial, adicional e suplementar, a operação poderia movimentar cerca de R$ 1 bilhão.

Os coordenadores da oferta da Privalia eram BTG Pactual, o J.P. Morgan, o Itaú BBA e o Credit Suisse.

Principais fatores de risco da Privalia

  • Problemas nos sistemas de tecnologia da informação ou a incapacidade de acompanhar a velocidade do desenvolvimento da tecnologia poderão impactar adversamente as operações da Privalia.
  • No âmbito do Contrato de Transferência de Plataforma celebrado com a acionista controladora, a empresa pode estar sujeita a riscos relacionados ao período de transição e à operação direta da plataforma de ecommerce, o que poderá afetar adversamente os resultados e a situação financeira.
  • Falhas no sistema de segurança com relação à proteção de informações confidenciais dos clientes da Privalia, inclusive dados pessoais, e da rede podem vir a prejudicar a reputação e marca e afetar substancialmente os negócios e os resultados das operações.
  • Após a conclusão da oferta pública inicial de ações, nenhum acionista ou grupo de acionistas deterá mais do que 50% do capital votante, mais uma ação.

*Com Felipe Alves