Previdência Privada

[banner id=”01.01″]

Paulo Dalla Rosa
Paulo Dalla Rosa, é um dos fundadores do Portal Eu quero investir, Com mais de 12 anos de experiência no mercado financeiro, auxiliando neste tempo milhares de investidores a atingirem seus objetivos através deste mercado.Se quiser auxílio para encontrar bons investimentos, basta me chamar via e-mail ou WhatsApp:e-mail: paulo.dallarosa@euqueroinvestir.comWhatsapp: 47 9791-7925
Previdência Privada-img capa

“Entenda por que a Previdência Privada é um dos melhores investimentos do Mercado Financeiro.”

Introdução

Melhor Investimento Seguro

Investir em Previdência Privada sempre foi um hábito comum do investidor brasileiro.

No entanto, devido à falta de alinhamento na hora da contratação de uma previdência que atenda as necessidades do investidor, criou-se um mito de que Previdência Privada não é um bom investimento.

Ao longo do artigo irei desmistificar este conceito e ao final, você entenderá porque investir em Previdência Privada é na verdade, um dos melhores investimentos do mercado.
Previdência Privada-melhor investimento

Tenho PERFIL para investir em Previdência Privada?

[banner id=”teste-perfil”]
[banner id=”03.01″]
[formulario-contato id=”Nº SEQ QUE IDENTIFICA O ARTIGO + TITULO”]

Você pode assistir um vídeo deste artigo, em nosso canal no Youtube

Palestra: Previdência Privada

Nossas palestras Melhor Investimento 2014, 2015, 2016 e 2017, já foram assistidas por mais de 500.000 pessoas, garanto que você não vai se arrepender.

O que veremos:

-Como funciona uma previdência privada
-Estratégias para utilizar a previdência privada
-O que o gerente do seu banco não explica

Entenda o que é uma Previdência Privada:

Previdência Privada-Entenda o que é
Previdência privada nada mais é do que uma aplicação onde o investidor através de uma corretora de seguros, coloca mensalmente parte dos seus recursos em um produto (plano de previdência) feito por uma seguradora, que por sua sua vez, aloca estes recursos em um Fundo de Investimentos.

Como funciona um fundo de investimento?

Um fundo de investimento é uma aplicação financeira que reúne recursos de um conjunto de investidores (cotistas) com o objetivo de investir em títulos de renda fixa, renda variável ou cotas de outros fundos.

O tipo de investimento que o fundo vai fazer irá depender da classe do fundo e perfil.

É um dos investimentos mais usados no mercado financeiro no Brasil e representa um volume maior que R$ 6 trilhões de reais.

Um fundo de investimento tem em sua estrutura, empresas segregadas responsáveis por cada função dentro do fundo:
Previdência Privada-Como Funciona

Custodiante:
Será o local onde os recursos do fundo estarão guardados. Geralmente fica com um grande banco como: Bradesco, Itau, etc.

Gestor:
É responsável por escolher que ativos que vão pertencer à carteira do fundo. O gestor precisa cumprir o regimento do fundo, ou seja, se for um fundo de renda fixa, ele irá compor a carteira do fundo apenas com ativos de renda fixa.

Administrador:
Faz a função do “contador”. Tem por objetivo atualizar diariamente as cotas dos fundos com sua carteira, marcando a mercado os ativos do fundo. Assim o investidor sabe diariamente como está evoluindo a carteira deste fundo.

Auditor:
Responsável por auditar (fiscalizar) todos os envolvidos acima, dando assim, ainda mais segurança para o fundo.

As previdências privadas, além de terem toda esta estrutura descrita acima, também são auditadas e regulamentadas pela SUSEP – Superintendência de Seguros Privados, o que se traduz em uma segurança extra em relação aos fundos de investimentos.

Toda previdência privada é necessariamente feita através de uma seguradora.
Esta seguradora pode estar atrelada a um banco ou uma seguradora independente.

Diferenças entre o fundo de investimento normal e o fundo de previdência privada:

Previdência Privada-Fundos de investimento normal e privado/diferença
– na tributação (tabela de imposto de renda e come cotas);
– na estrutura de segurança que envolve mais fiscalização do regulador;
– na facilidade de passagem de recursos para os herdeiros legais;

No restante, o funcionamento é praticamente o mesmo.

Agora vamos aos planos de previdência privada:

Na hora de escolher um plano de Previdência Privada, o investidor pode optar entre dois tipos de planos de previdência:
Previdência Privada-PGBL x VGBL

VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre
O VGBL é o plano mais indicado para a grande maioria dos investidores.
Isso porque no VGBL, o imposto de renda incide sobre o ganho da aplicação ao longo do tempo e não sobre o capital total lá existente.

PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre
O PGBL é indicado apenas para investidores que fazem a declaração do imposto de renda completo.
Isto porque este investidor terá a opção de abater até 12% da renda tributável em contribuições.

Mais a frente, trago um exemplo de como usar o PGBL para pagar menos imposto.

Um investidor pode ter quantos planos quiser, mas o ideal é:

Se você declara seu IR pelo modelo completo, indico ter um PGBL para colocar 12% de sua renda atual, e pedir dedução.

O restante, alocar em um VGBL, não pagando assim IR sobre o capital social mas sobre o ganho, como feito com outros investimentos.

O passo seguinte é escolher a tabela de IR do seu Plano de Previdência Privada:

Tabela progressiva:

A tabela progressiva é variável conforme o tamanho do saque, assim quanto menor o saque menor o imposto.

Os primeiros 15% são retirados na fonte e o restante deve ser pago no final do ano para fins de ajuste.
Previdência Privada-Tabela Progressiva

Os saques somam-se com a sua renda, para base de cálculo do imposto da tabela progressiva.

Ou seja, se você tem uma renda anual maior que R$ 51.259,08 (R$ 4.271,59 mensais), todos os saques da previdência privada na tabela progressiva seguirão a alíquota de 27,5%.

Tabela regressiva:

Como o próprio nome diz, é uma tabela que vai sendo reduzida ao longo dos anos, chegando ao menor patamar de imposto de renda sobre investimento do nosso mercado financeiro, após completar 10 anos.
Tabela Regressiva

É também chamada de alíquota definitiva, pois se mudar seu plano da tabela progressiva para regressiva ou já iniciar na regressiva, não será mais possível alterar para progressiva.

Como previdência privada é um investimento de longo prazo, na maioria dos casos faz mais sentido trabalhar com a alíquota regressiva.

Outros pontos a se observar antes de optar por um plano:

Data de aposentadoria:
Previdência Privada-Data da aposentadoria
Esta data é definida no momento de criação do plano.
Pode ser a data padrão da previdência social ex: 65 anos para homens ou 60 anos para mulher, mas esta data é totalmente flexível, podendo mudar para mais ou para menos de acordo com o que o investidor escolher.

Beneficiários:
Você poderá escolher os beneficiários do capital do fundo, em caso de sua “falta”.
Se não especificar ninguém, o capital automaticamente passa para os herdeiros legais.

O capital investido em Previdência é tratado como seguro, de forma que não entra em inventário e normalmente pode ser sacado em 48 horas após o falecimento do segurado.
Previdência Privada-Beneficiários

Quais os custos que vou ter com um plano de previdência privada?

Os custos em um plano de previdência privada, são similares aos fundos de investimento normal.

Taxa de administração:
Previdência Privada-Taxa de administração
Taxa que serve para remunerar o gestor do fundo de previdência privada.

Detalhe importante: todos os fundos de investimento, sendo de previdência ou não, são obrigados a demonstrarem seus resultados, já livres de taxas de administração.

Como fundos de previdência não possuem taxas de performance, são deduzidas apenas as taxa de administração.

Vamos a um exemplo prático:

Um fundo “A” rende 120% do CDI, com taxa de administração de 2%.
Outro fundo, o “B” entrega 100% do CDI com 0,5% de taxa de administração.

O fundo “A”, mesmo com taxa maior, está entregando liquido para o investidor um valor muito maior que o fundo com administração menor.

Então não é correto afirmar, que menores taxas de administração significam rendimentos maiores para o investidor.

Quer saber mais sobre o CDI? Clique aqui.

Taxa de carregamento:
Previdência Privada-Taxa de Carregamento
Esta taxa é a mais importante entre todas.
Neste caso, aí sim, uma taxa menor (ou inexistente) implica em maior rendimento para o investidor.

A taxa de carregamento é a taxa que a seguradora cobra sobre o capital aportado ou resgatado e varia de 0% a 4%. É calculada sobre todo capital.

Optar por uma seguradora com taxa de carregamento menor ou inexistente, é muito relevante para o investidor que possui um um plano de previdência privada.

Conversão em renda ou resgate:

Ao final do plano, quando chegar na data especificada pelo investidor, o mesmo terá a opção de resgatar por completo os recursos, ou converter em renda.

Este momento deve ser muito bem estudado, pois na maioria das vezes, faz mais sentido resgatar e reinvestir o capital construído no mercado financeiro, do que convertê-lo em renda.

Agora que você já entendeu como funciona uma previdência privada, precisa entender como usá-la com eficiência.

Estratégias para utilizar a previdência privada:

Previdência Privada-estratégias

Previdência privada pela seguradora do banco ou seguradora independente?

É sabido que uma Previdência Privada ‘bem feita’ é um ótimo investimento.
Mas o que seria esse ‘bem feita’?:

– Ser realmente um investimento de longo prazo com foco em 10 anos ou mais;
– Estar em um bom fundo de investimento, que entregue em sua média um valor superior ao CDI;
– Não possui taxa de carregamento;

O que acontece hoje no mercado, principalmente para o investidor que trabalha com a previdência no banco, é que em sua maioria:

– o fundo de previdência no banco roda abaixo do CDI;
– o investidor é forçado a aceitar uma taxa de carregamento exorbitante na entrada;
– Quando o investidor “briga”, falam para ele que não haverá taxa de carregamento. Mas na verdade, apenas jogam esta taxa para o momento do resgate. Logo, se/quando o investidor resgatar, pagará o carregamento sem ver;
– Outra situação muito comum é que indicam previdência para o investidor que tem horizonte curto, 3 a 5 anos;
– Colocam o investidor na tabela progressiva, prometendo pagar apenas 15% e em outros investimentos irá começar pagando mais, mas não contam que se ele resgatar, na verdade o valor do resgate complementa com o da renda. Então se o investidor somar o resgate com sua renda anual e isso ultrapassar 41.023,08 ele automaticamente estará em uma alíquota maior que 15% e terá que pagar este ajuste no imposto de renda.

São justamente este conjunto de ações, adotadas pelos bancos, que tornaram a Previdência Privada tão mal vista, aos olhos dos investidores.

Mas o que quase 100%  dos investidores de previdência privada não sabem:

Previdência Privada- o que não sabemos sobre a previdência privada
É que todo plano de previdência privada pode ser portado entre seguradoras, sem perda nenhuma das características iniciais do plano.
Nem mesmo o prazo do investimento já realizado, e com isso melhorar substancialmente sua previdência.

Ex: se tenho uma previdência há 5 anos e está na alíquota regressiva, portando para outra seguradora com menores taxas de administração e/ou carregamento, eu continuo na mesma alíquota e contando os mesmos 5 anos que ela já se encontra em atividade.

Como todo plano de previdência privada é fiscalizado pela SUSEP, a segurança de você estar na seguradora do banco ou em uma independente é praticamente a mesma.

Agora qual é a vantagem de uma seguradora independente?

Como ela precisa competir com os grandes bancos, ela abre mão de receitas como taxa de carregamento.

Você precisa buscar um plano que não possui taxa de carregamento, feito isso também precisa escolher uma seguradora que tenha uma boa plataforma de fundos de previdência.

Assim irá conseguir ter o máximo de performance do mercado financeiro com as vantagens tributárias dadas para a previdência privada.

Previdência privada e come-cotas

Uma das grandes vantagens de se ter um plano de previdência privada como investimento de longo prazo, é o fato de o imposto de renda apenas ser cobrado quando for resgatado, ao contrário dos investimentos tradicionais. Fundos de investimentos, por exemplo, possuem come cotas ou CDBs que vencem a cada 2, 3 anos.

O come-cotas é cobrado em maio e novembro. É uma antecipação do imposto devido e o governo antecipa 15% do imposto, com base no rendimento do fundo naquele semestre.
Previdência Privada-Come cotas

Exemplo de uma aplicação de R$ 100 mil reais à uma taxa de 100% do CDI com base no CDI a 12,13% ano ao longo de 10 anos:

Na primeira coluna, que representa uma aplicação sem o come-cotas, o valor final de R$ 282.077 é muito maior que na coluna dois, onde tem uma aplicação igual mas com o imposto.

Seria necessária uma aplicação pagando 107% do CDI para que o rendimento se torne igual a uma de 100% do CDI sem come-cotas.

Um CDB com vencimento a cada 3 anos, contra fundo de previdência, também terá uma dinâmica parecida com o fundo que contém come-cotas, porque paga o IR a cada 3 anos.

Previdência privada como fundo exclusivo:

Previdência privada como fundo exclusivo
A previdência privada traz uma grande vantagem quando se tem um horizonte de longo prazo: O fato de poder mudar de fundo, sem ter que pagar nenhum tipo de custo, ou imposto.

Dessa forma você pode compor a carteira de uma forma mais conservadora quando o cenário está ruim, e de uma forma mais agressiva quando o cenário estiver favorável, sem custo algum.

Nas alocações fora da previdência, a cada troca de ativo ou rebalanceamento há incidência de IR.

Previdência privada como vantagem fiscal de longo prazo

Previdência privada como vantagem fiscal de longo prazo

Para o investidor que pode assumir um horizonte de longo prazo (10 anos) e está na alíquota regressiva, o imposto de renda a ser pago sobre o ganho de capital após este período será de apenas 10%.

A menor alíquota de imposto de renda do mercado financeiro.
Nenhum outro investimento no mercado tem um imposto tão baixo quando este!

Previdência privada como poupança forçada

Outra forma de usar a previdência privada é como poupança forçada, já que é possível definir aportes periódicos e com débito em conta.
Previdência Privada-Poupança forçada
Dessa forma poupa automaticamente.

Planejamento de sucessão

Caso o investidor vir a faltar, os recursos alocados na previdência vão automaticamente para os beneficiários sem ter que passar por inventário e sem ter que pagar o ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações).

EXEMPLO:
Cliente: João da Silva, casado, 40 anos
Residência: SP (ITCMD – 4%, Honorários Advocatícios – 6%)
Patrimônio Imobilizado: R$ 8 Mi
Patrimônio Líquido: R$ 2 Mi
Impostos com Sucessão: aproximadamente R$ 1 Milhão.
Previdência Privada- Sucessão Familiar

SOLUÇÃO

Alocar R$ 1 Milhão em Fundos de Previdência Privada.

Neste exemplo real de um de nossos clientes, os valores são bastante altos mas a ideia é mostrar que muitas vezes a família não dispõe de recursos (líquidos) necessários para cobrir os custos e é ai que começam os problemas.

A mesma solução vale para quem pretende transmitir bens no valor de R$ 500.000,00 ou R$ 10.000.000,00.

Previdência privada para pagar menos imposto

Para o investidor que que declara imposto de renda no modelo completo e faz deduções.
É possível abater 12% da sua renda anual com aplicações em PGBL:

Armadilhas na previdência privada:

Previdência Privada- Armadilhas

Bitributação em PGBL

Como vimos anteriormente, o PGBL permite que o investidor deduza até 12% de IR da sua renda bruta anual.

Em contrapartida, o imposto de renda que é cobrado no PGBL é sobre todo o patrimônio lá alocado, ou seja, se o investidor por engano faz um PGBL e contribui um valor maior que os 12% da sua renda, ele estará pagando imposto de renda sobre o capital que ganhou, duas vezes!

Então, PGBL é indicado apenas para investidores que declaram IR no modo completo e que podem deduzir 12%.
Apenas faz sentido alocar no PGBL os 12% e nada a mais, caso contrário você estará se bitributando.

Conversão em renda

Uma das grandes armadilhas na previdência é a ideia de converter em renda os recursos lá alocados.

Porque ao decidir fazer isso, o investidor está abrindo mão do seu capital para ficar com a renda.
O capital do investidor passa a ser da seguradora, que compra o risco de pagar uma renda para o mesmo.

Em sua maioria, as seguradoras oferecem uma proposta onde a remuneração anual do investidor é apenas o que o capital dele corrigiu em relação a inflação.

Já tenho uma previdência privada o que devo fazer para melhorar?

Previdência Privada- Como melhorar minha previdência privada?

Primeiro, é preciso analisar seu fundo de previdência, se ele está com um bom ou mau rendimento.

Como descobrir em qual fundo de previdência você está?
Esta informação vai estar no extrato da previdência. Esse extrato pode ser tirado no internet banking e você deve também receber extrato físico.

Sabendo o nome e o CNPJ do fundo de previdência, será possível ver seu histórico.

Depois, é importante ver a apólice (documento que você assina quando faz a previdência).
Nela vai estar discriminado quanto está pagando de carregamento.

Se quiser a ajuda de um especialista neste processo entre em contato.

Quero começar uma previdência privada, o que devo fazer?

Previdência Privada- por onde começar?
Primeiro, buscar uma seguradora que não vá te cobrar taxa de carregamento, nem na entrada nem na saída.

Depois, analise os fundos dessa seguradora e como estão rendendo.
Não confie no relatório apresentado pois geralmente apresentam vícios, como mostrar apenas um período especifico para demonstrar grandes rendimentos.

Pegue as lâminas apresentadas e vá ao comparador de fundos. Coloque os dados do fundo e analise.
Para acessar o comparador de fundos, clique aqui.

[banner id=”01.03″]

Conclusão

Previdência Privada-Conclusão
Investir em Previdência Privada é sim, um dos melhores investimentos do mercado financeiro, desde que observado algumas premissas: Um bom fundo, sem taxas de carregamento e com objetivo de longo prazo acima de 10 anos.

quer ajuda melhor investimento
[banner id=”05.01″]

[banner id=”03.02″]

[banner id=”04.02″]

@media (min-width: 992px) .main-section.col-md-18 {
width: 68%;
}