Previdência complementar aberta cresce 7% em 2020

Matheus Miranda
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

As reservas de participantes dos planos de previdência complementar aberta atingiram R$ 1 trilhão em dezembro de 2020. Isso significa um crescimento de 7% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Os dados são da FenaPrevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida).

Para a entidade, o aumento reflete uma mudança no pensamento dos brasileiros. A partir de 2009, com Reforma da Previdência, a preocupação com a aposentadoria aumentou. Para 2021, a expectativa é de que esse mercado tenha uma elevação maior. Para a federação há espaço para isso. Pois apenas 13,5 milhões de brasileiros possuem previdência privada no Brasil, sendo cerca 6,5% da população.

Para o economista e sócio-diretor da Galapagos Investimentos, Luís Barone, a melhor maneira de investir em previdência privada é procurar por fundos que ofereçam retornos acima da taxa Selic. A preferência é por meio de investimentos em ativos de crédito privado, renda fixa e fundos quantitativos, buscando capturar assimetrias de risco e retorno.

Não Perca! Começa hoje o evento que vai transformar sua visão sobre Fundos de Investimento Imobiliário

Previdência: em cinco anos, novas regras

Nos últimos cinco anos, as regras de investimentos em previdência privada mudaram consideravelmente. Entre 2015 e 2017, por exemplo, o limite em renda variável aumentou, foram permitidas a compra de ativos indexados à variação cambial e a cobrança de taxa de performance.

Ainda foram definidos os perfis dos participantes (qualificado e não-qualificado). Uma das mudanças mais relevantes ocorreu em 2020. No ano, houve a expansão da parcela investida em ativos no exterior. Isso pode chegar até a 40% para os investidores qualificados.

Barone ressalta que os benefícios fiscais por conta dos abatimentos no Imposto de Renda são o principal incentivo.

Outra vantagem é que para os fundos de previdência a sucessão patrimonial é feita sem pagamento do ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações). Ou seja, se o cliente morre, não incide imposto sobre aquele rendimento.

Além disso, diferentemente dos investidores em fundos DI, de renda fixa e multimercado, clientes de fundo de previdência ficam livres da cobrança antecipada do IR (conhecida como “come-cotas”), o que amplia a sua margem de rentabilidade.