Prévia do PMI aponta crescimento na zona do euro e no Reino Unido

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A leitura prévia de julho dos índices dos gerentes de compras (PMI na sigla em inglês) da zona do euro e do Reino Unido veio acima do projetado pelo mercado. E, agora, ultrapassa os 50 pontos, o que aponta crescimento econômico.

PMI da zona do euro

Na zona do euro, o PMI composto ficou em 54,8 pontos, acima da projeção de 51,1 e do resultado de 48,5 de junho.

O PMI industrial prévio ficou em 51,1, ante projeção de 50. No mês passado, a leitura era de 47,4 pontos.

Confira os melhores momentos da Money Week

O PMI de serviços ficou em 55,1 pontos, ante projeção de 51 e leitura prévia de 48,3.

Se confirmado o resultado até o final do mês, esta terá sido a primeira leitura de crescimento do PMI da região. E o avanço mais acentuado em dois anos, aponta o relatório.

Para Chris Williamson, economista-chefe de negócios do IHS Markit, o resultado da prévia é um “início encorajador do terceiro trimestre”.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

“Os dados aumentam os sinais de que a economia deve ver uma forte recuperação após o sem precedentes colapso no segundo trimestre”, diz.

No entanto, apesar de o gráfico sugerir uma recuperação em V da economia, ele alerta para que este pode ser apenas um movimento inicial. E que será preciso fôlego extra para que um V completo se concretize.

“As empresas continuam a reduzir o número de funcionários em um grau preocupante. A demanda pode ser insuficiente para sustentar a atual melhoria”, aponta.

PMI

Reprodução/IHS Markit

Reino Unido

Já no Reino Unido, o PMI composto ficou em 57,1. O que é acima da expectativa de 51,1 e quase 10 pontos acima da leitura anterior, que foi de 47,7.

O PMI Industrial ficou em 53,6, quando a projeção era de 52. Em junho, o resultado foi de 50,1.

O PMI de Serviços ficou em 56,6 pontos, quando a previsão era de 51,5 e a prévia de 47,1.

A expansão captada pela prévia de julho é a mais rápida desde junho de 2015, segundo aponta o instituto IHS Markit.

A situação é semelhante à da zona do euro: segundo Williamson, a recuperação em forma de V é sugerida, mas não é garantida.

“Há um longo caminho a ser percorrido antes de que as perdas para a pandemia sejam totalmente recuperadas. As empresas estão mais otimistas quanto ao próximo ano, mas os novos pedidos mostram um avanço relativamente pequeno em julho. A demanda é preocupante”, afirma.

PMI

Reprodução/IHS Markit