Prévia do IIE-Br mostra queda de 6,1 pontos em setembro, segundo FGV

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução / FGV

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), divulgado nesta segunda-feira (14) pela FGV, sinalizou uma queda de 6,1 pontos para o mês de setembro.

De acordo com o relatório, o índice chegou aos 154,2 pontos, indicando uma aceleração na tendência de queda de agosto, mês em que o recuo foi somente de 3,4 pontos.

A FGV pontou que, após o 5º mês seguido em queda, o IIE-Br devolveria 59% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

“A aceleração da tendência de queda do Indicador de Incerteza nesta prévia de setembro tem relação com a sustentação do cenário de retorno gradual da atividade econômica e do relaxamento de medidas de isolamento social impostas pela pandemia de Covid-19”, pontuou Anna Carolina Gouveia, economista da FGV Ibre.

“Apesar da evolução favorável na margem, o indicador ainda se encontra 39 pontos acima do nível pré-pandemia, sob influência de fatores como a preocupação com a dinâmica da economia após a redução dos estímulos fiscais, a evolução ainda incerta da crise sanitária, o andamento de reformas no Congresso e o difícil cenário para as finanças públicas”, completou a especialista.

Componentes do IIE-Br seguem elevados, segundo FGV

O relatório da FGV Ibre apontou que os dois indicadores que compõem o índice IIE-Br seguem elevados.

A análise distribuída nesta segunda-feira mostrou que o componente de Mídia recuou 6,5 pontos na prévia, para 137,0 pontos.

O segundo deles, que é o componente de Expectativas, recuou apenas 2,0 pontos, para 200,6 pontos.

“Ambos os componentes ainda estão em patamares considerados elevados, com destaque para o de expectativas, que devolveu até o momento apenas 26% das altas ocorridas entre março e maio”, concluiu o comunicado.

Leia tambémOCDE divulga queda recorde de quase 7% no PIB do G20 no 2º trimestre