Presidente do BC ignora câmbio e fala sobre “sistema financeiro mais tecnológico”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Imagem/reprodução/asemananews

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, ignorou as constantes altas do dólar nos últimos dias e não se pronunciou sobre o assunto nesta quinta-feira (28).

O executivo participou do lançamento do LIFT Learning, promovido pelo BC em parceria com a Fenasbac (Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central), mas focou seu discurso em outros temas.

Segundo a Agência Reuters, Campos Neto não tocou em assuntos como política cambial ou monetária. Ao invés disso, avaliou que a atual situação do sistema financeiro do País.

Faça você mesmo o rebalanceamento de sua carteira de investimentos

Na visão do presidente do Banco Central, nos próximos anos o sistema financeiro será muito mais tecnológico e diferente do que é hoje, o que exigirá a modernização da intermediação financeira.

O executivo citou o blockchain e o uso da nuvem como exemplos, afirmando que é necessário implementá-las, mas sem perder de vista a necessidade de garantir a segurança dos sistemas.

Atuação do Banco Central

O Banco Central (BC) interferiu na alta do dólar na terça-feira (26) porque o movimento do câmbio estava fora do normal. Esta foi a justificativa dada pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

“Entendemos que era um momento em que o câmbio não estava funcional. Fizemos duas intervenções na linha do que temos dito. Se amanhã entendermos que o câmbio brasileiro está descolando do de outros países, vamos voltar a fazer intervenções”, afirmou.

O Banco Central fez leilão de dólar em duas ocasiões para conter a alta do dólar – que chegou ao recorde de R$ 4,27 no decorrer do dia e fechou a R$ 4,24. O tamanho da intervenção, no entanto, não foi revelado.

LEIA MAIS:

Focus eleva previsão da inflação, do câmbio e do PIB para 2019

Money Week: conheça o maior evento online de investimentos do Brasil