Presidente do BC admite que dívida bruta do Brasil é “fator de risco”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC), voltou a demonstrar preocupação com a dívida pública brasileira, hoje beirando 90% do Produto Interno Bruto (PIB) do País.

Segundo o executivo, trata-se de uma questão emergencial e que precisa ser tratada o mais rapidamente possíve.

“A dívida é um fator de risco que precisa ser endereçado com certa urgência”, afirmou.

Operar Vendido, Shoppings, Tendências e muito mais, confira a agenda de hoje no FII Summit

De acordo com Campos Neto, o endividamento aumentou consideravelmente com a pandemia do novo coronavírus, chegando a um nível “extraordinariamente alto” na comparação com os demais países emergentes.

“Isso tem implicação para a área fiscal”, ressaltou, preocupado com os reflexos que isso causará no País em um prazo prolongado.

Situação emergencial, segundo o BC

Durante sua participação no evento virtual organizado pela Sicoob Engecred, o presidente do Banco Central repetiu o que vem dizendo nos últimos meses.

Para ele, o Brasil foi, ao lado da África do Sul, o País que mais gastou em recursos emergenciais para famílias durante a pandemia, e não para empresas.

Esses programas de enfrentamento, na visão do executivo, elevaram a dívida pública e, com ela, o risco país.

“O fator risco é muito maior agora do que era depois da Segunda Guerra Mundial”, concluiu.

Leia também: Dólar vai subir ou vai cair? Cenário permanece nebuloso