Presidente do Banco Central afirma que alta do dólar não vai afetar índices de inflação

Paulo Amaral
null

Crédito: Agência O Globo

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, negou que a desvalorização do real frente ao dólar esteja impactando os índices atuais de inflação no país, mas garantiu estar atento para uma eventual necessidade de intervenção no futuro.

“Não houve piora nas expectativas de inflação, que é o que nos importa. Mas se a desvalorização cambial começar a afetar expectativa de inflação, teremos que fazer atuação diferente”, comentou, durante participação em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) nesta terça-feira (19).

O fato de a moeda norte-americana ter alcançado seu maior patamar desde a implantação do Plano Real, batendo R$ 4,206, não foi o suficiente, pelo menos até o momento, para justificar uma mudança de atitude por parte do Banco Central.

Leilão do pré-sal

“O câmbio é sempre notícia quando tem movimento. O que tem acontecido é um movimento de pré-pagamento de dívidas de empresas fora do País, como a Petrobras”, justificou.

A principal causa da alta do dólar, na visão do presidente do BC, foi o leilão de campos de petróleo do pré-sal, no qual o governo esperava arrecadar aproximadamente R$ 100 bilhões.

“Alguns agentes de mercado esperavam uma entrada maior [de dólares] do que ocorreu. Então, como a entrada de recursos foi menor do que o esperado e muitos agentes se posicionaram para capturar esse dólar caindo, você tem agora uma volta [alta]”, explicou.

Segundo Campos Neto, é de conhecimento geral que a inflação no Brasil segue baixa e estável e que o País está “se reinventando” com capital privado. “O mercado entende que o governo tem um projeto fiscal sólido”, finalizou.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

 

LEIA MAIS:

Ibovespa renova máxima história com bom humor nos mercados

Após eleição, Argentina continua perdendo indústrias

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.