Presidente de Israel chama opositor para tentar formar governo

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Reprodução/BBC

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, do partido conservador Likud, convidou o líder da oposição Benny Gantz, do Partido da Resiliência, para tentar formar governo. O anúncio de Rivlin foi feito nesse domingo (15).

Gantz conseguiu 61 endossos dos 120 possíveis no Knesset, o parlamento do país.

O líder do Yisrael Beiteinu, partido de centro-direita, Avigdor Liberman, se juntou aos partidos Lista Conjunta, uma coligação política composta por quatro partidos majoritariamente árabes, o Balad, o Hadash, o Ta’al e a Lista Árabe Unida, e o trabalhista Labour-Gesher-Meretz para endossar Gantz como primeiro-ministro.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

O partido de Gantz faz parte da Azul e Branco, coligação política de três partidos centristas: o Partido da Resiliência de Israel, p Yesh Atid e o Telem.

A coalizão acabou conseguindo mais do que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu (foto), que ficou com 58 endossos. Um se absteve.

O impasse político do país dura desde a eleição do dia 2 de março e está prestes a acabar.

Pior para Netanyahu

O primeiro-ministro Netanyahu acaba sofrendo uma dura derrota com esse anúncio. Ele tenta se manter no cargo, mas não vem conseguindo sucesso em montar o governo.

Os parlamentares disseram que chegou a hora de Netanyahu ouvir o “não” dado pelo povo a mais uma governo montado por ele.

O Likud de Netanyahu conquistou 36 assentos do Knesset nas eleições nacionais, que foi a terceira em um ano. A turma do Azul e Branco ficou com 33, mais os 28 aliados que conquistou agora.

Presidente quer união

Rivlin disse que convidaria Gantz e Netanyahu para conversar, em uma aparente tentativa de incentivar um governo de unidade entre os dois maiores partidos.

O presidente afirmou que a melhor saída seria um governo de união com a oposição para derrubar o impasse, mas Gantz tem sido resistente à ideia de se aliar a Netanyahu.

Antes um aliado próximo do Likud de Netanyahu, Yisrael Beytenu, da direita, se recusou a ingressar em uma coalizão liderada por Netanyahu dessa vez.

O apoio de Liberman a Gantz marcou uma aliança improvável entre o ex-ministro da Defesa, que há muito tempo condena os legisladores árabes como “simpatizantes do terrorismo” e a Lista Conjunta predominantemente árabe, com os dois tentando derrubar Netanyahu.

Nenhuma coalizão na história do país foi formada por um partido com representação árabe.

LEIA MAIS
Netanyahu não alcança maioria e Israel pode ter nova eleição

Eleições de Israel têm vitória do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu