Presidente da Petrobras (PETR4) rebate críticas sobre preço da gasolina

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Petrobras - Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco

Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras (PETR4), demonstrou irritação e rebateu as críticas, inclusive de Jair Bolsonaro, sobre o preço da gasolina e dos combustíveis no Brasil.

Ele se pronunciou pela primeira vez desde que o presidente da República indicou o general da reserva, Joaquim Silva e Luna, para o comando da empresa.

“Ninguém fica sentado em casa aumentando preços, é um trabalho de equipe”, disparou, durante a apresentação aos analistas do balanço com os resultados financeiros da estatal no último trimestre do ano passado.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Castello Branco chegou a mostrar indignação ao comentar que “o preço dos combustíveis ainda é alvo de palpites de jogo de futebol” e que não vê, em sua opinião, exagero nos preços da gasolina, diesel e demais combustíveis no País.

“Falo isso baseado em estatísticas com preços de 160 países. A média dos preços do País está abaixo da média global. Mesmo se corrigirmos pela renda per capita, o preços ficam ligeiramente abaixo da média global”, afirmou.

“Petróleo é commodity, cobrada em dólar, não há como fugir. A empresa ainda é muito endividada, em dólar; como conciliar com receita em real?”, questionou, emendando, na sequência, mais uma justificativa para a política de preços praticada pela Petrobras.

“Se o Brasil quer ser uma economia de mercado, tem que ter economia de mercado. Preços abaixo do mercado geram consequências negativas”, argumentou, em uma tentativa de embasar os quatro aumentos já aplicados nos combustíveis somente em 2021.

Transição suave para novo CEO da Petrobras

Castello Branco, mesmo incomodado com a interferência e a sugestão de Bolsonaro para a presidência da Petrobras, prometeu fazer uma transição suave ao deixar o cargo para Silva e Luna.

“Estaremos dispostos a fazer (a transição) de maneira mais suave e eficiente. Nós continuamos a trabalhar normalmente pelo menos até 20 de março, o que estamos fazendo não mudará… inclusive no que diz respeito a paridade nos preços de importação”, concluiu, deixando claro que a possibilidade de novos aumentos está aberta, goste o presidente Bolsonaro ou não.

As ações da Petrobras subiram durante a manhã desta quinta (25), mas passaram a cair no começo da tarde. Às 13h05, os papéis ON recuavam 0,63% e os PN, 0,49%. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha queda de 0,49%.