Canadá e Reino Unido dizem ter evidências de que avião foi derrubado por Irã

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Reprodução/Wikimedia Commons

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau disse, nesta quinta (9), ter evidências de que o Boeing 737 da Ukranian Arlines — que caiu nas proximidades do aeroporto de Teerã na última quarta (8), matando 176 pessoas — foi abatido pelo Irã acidentalmente.

O primeiro-ministro do Reino Unido Boris Johnson também afirma que autoridades do país têm provas de que o avião foi atingido por míssil iraniano.

“Informações que chegaram até nós dão conta de que um míssil terra-ar derrubou o Boeing”, declarou Johnson nesta quinta (9). “Não foi intencionalmente”, frisou o premiê britânico, que mais uma vez pediu o fim da escalada de tensão no Oriente Médio.”

Confira os melhores momentos da Money Week

Fontes dos EUA confirmam versão

O canadense Trudeau afirmou ter sido informado por autoridades canadenses de que o país persa lançou um míssil que acabou atingindo o avião da Urânia.

“Isso [a tragédia com o Boeing da Ucrânia] pode ter ocorrido sem intenção”, declarou o premiê canadense. “Merece uma investigação mais detalhada.”

Fontes do Pentágono e funcionários das agências de inteligência do governo dos EUA disseram à revista Newsweek que o avião ucraniano foi atingido por um míssil iraniano. Uma fonte do governo iraquiano também confirmou essa versão ao site da revista.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

A agência Reuters ouviu outras fontes do Pentágono que disseram que os EUA constaram lançamentos de mísseis no mesmo horário em que o voo PS752 da Ukranian Arlines deixou o aeroporto de Teerã.

Noite da ofensiva militar

Na noite em que o avião ucraniano caiu próximo a Teerã, o Irã lançou uma ofensiva contra os EUA. Bombardeios de mísseis atingiram duas bases iraquianas que abrigam tropas dos EUA.

Os ataques, assumidos pela Guarda Revolucionária do Irã, destruíram instalações militares no Iraque, sem deixar vítimas.

A queda do Boeing ocorreu horas depois dos ataques.

Imagens de satélite espião

Imagens de um satélite espião indicam que o Boeing 737-800 da Ukranian Airlines que caiu logo após decolar do Aeroporto de Teerã, na manhã de quarta-feira, pode ter sido abatido por um míssil iraniano, informa a NBC News. Todas as 176 pessoas a bordo morreram.

Outros relatos também corroboram esta versão: o 737-800 da Ukranian Airlines foi derrubado por um míssil que os iranianos dispararam por engano perto de Teerã. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira não acreditar que o 737 tenha caído por falhas mecânicas. O Irã recolheu as caixas-pretas e se recusou a permitir que elas fossem enviadas para a Ucrânia ou para os EUA, onde fica a sede da Boeing.

Avião novo

O 737-800 da Ukranian era um avião novo. Ele foi entregue em 2016 à empresa pela Boeing. O modelo 800 do 737 é o antecessor do 737 Max, que teve problemas. Mas o 737-800 é considerado um avião seguro.

Inicialmente, funcionários da aeronáutica do Irã disseram que o avião caiu por causa de um problema técnico. A maioria do 176 passageiros eram canadenses e iranianos. Alguns eram ucranianos e suecos. Fontes do governo do Canadá disseram que acreditam que o avião foi derrubado por um míssil. Oficialmente, contudo, Ottawa não se pronunciou.

A agência de aviação civil do Irã informou que o avião partiu do Aeroporto Imã Khomeini às 6h13 da hora local, com destino a Kiev, capital da Ucrânia.  Cinco minutos após a decolagem, os pilotos perderam o contato com a torre de controle do aeroporto.

Especialistas dizem que as investigações do acidente podem levar um ano. O Irã não aceita investigadores da Boeing no país. O presidente da Ucrânia,  Volodimir Zelensky, prometeu descobrir a verdade sobre o acidente e enviou investigadores a Teerã. As ações da Boeing, que ontem caíram, subiram nesta quinta-feira após funcionários americanos terem dito que o 737 pode ter sido derrubado por um míssil.