Preços ao Produtor variam 1,22%, maior leitura em um ano

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) teve variação mensal de 1,22% em maio. Em abril, o índice registrou avanço de 0,11%. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (1) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esta foi a maior leitura para o Índice de Preços ao Produtos desde maio de 2019, quando registrou 1,39%. E marca também o décimo aumento consecutivo do indicador.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Os preços ao produtor revelam a variação dos valores dos produtos na “porta da fábrica” – isto é, sem impostos e frete inclusos. O indicador engloba 24 diferentes atividades, das indústrias extrativas e da transformação.

Com o resultado de maio, o acumulado no ano atinge 3,37%. Nos últimos 12 meses, a inflação da indústria foi de 4,60%.

preço ao produtor

Reprodução/IBGE

Preços ao produtor: influência dos alimentos

Segundo o gerente da pesquisa, Alexandre Brandão, o resultado se explica pela combinação na desaceleração da queda do petróleo e pelo aumento do preço dos alimentos.

“Em abril, tivemos uma queda muito grande em refino de petróleo (-20,61%) e em maio continuou havendo uma queda, mas foi muito menor (-5,78%)”, disse. “Alimentos, que é o setor mais importante, já vinha de um aumento de preços e agora aumentou mais. Então esses dois movimentos levaram o índice a 1,22%”, afirmou.

Alimentos

Os produtos com maior destaque entre os alimentos foram carnes de bovinos frescas ou refrigeradas, açúcar, resíduos da extração de soja e carnes e miudezas de aves congeladas. Eles responderam por 1,74 pontos porcentuais da variação de 2,47%.

Estes produtos são importantes na pauta de exportação brasileira e foram influenciados pela depreciação do real em maio.

Combustíveis

A variação média de preços do setor foi, pelo quarto mês consecutivo, negativa (-5,78%). No ano, a variação é de -36,27% e em 12 meses, de -36,02%.  A única variação positiva nos produtos listados foi observada na gasolina.