Preço do petróleo parece não ceder a liberação de estoques nos EUA

Felipe Moreira
Editor na EuQueroInvestir, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional.
1

Crédito: Unsplash

Apesar do aumento da oferta do petróleo com a liberação de estoques nos Estados Unidos, e cinco outros países, incluindo a China, o preço da commodity parece não querer ceder.

Na sessão de terça-feira (23), o petróleo WTI subiu 2,3% e o Brent avançou 3,3%. Já no pregão de hoje (24) os contratos futuros de óleo se acomodaram, em movimento de realização de lucros com o dólar em alta no mercado internacional, que deixa a commodity mais cara.

O mercado ainda avalia a decisão dos EUA e outros países de liberarem suas reservas estratégicas, aguardando uma reação da Opep+, que se reúne na próxima semana. Há especulações de que os países produtores possam reduzir a produção, como resposta ao desafio do governo do presidente Joe Biden.

Em relatório, a Mirae escreveu que a decisão de países como EUA, China, Japão, Índia, Coréia do Sul e Reino Unido se unirem para utilizar suas reservas estratégicas de petróleo, aparentemente perdeu o impacto esperado, já que existe o risco da Arábia Saudita reduzir sua produção.

Com isso o preço do petróleo mostrou forte alta ontem e fechou praticamente estável hoje.

Recomendações para quem deseja se expor ao setor de petróleo

Nesse contexto, o Bradesco BBI revisou suas preferências no setor de petróleo e gás. Para o banco, a Petrobras (PETR4) é a melhor opção porque a petroleira deve sofrer menos com uma possível retração nos preços da commodity.

Dessa forma, o banco recomenda compra para ações da Petrobras, com preço-alvo de R$ 42,00.

Já para Vibra (VBBR3) a recomendação também é de compra e preço-alvo de R$ 31,00. Isso porque, segundo o banco, a empresaé uma ótima combinação de estabilidade de fluxo de caixa, dividendos e recuperação do setor.

Enquanto isso, a PetroRio (PRIO3) tem recomendação de compra e preço-alvo de R$ 25,00. O Bradesco BBI avalia que a empresa tem o maior potencial de criar valor por meio de variáveis ​​menos “dependentes do petróleo”.