Poupança x CDB: o que vale mais à pena

Bruno Thadeu
Colaborador do Torcedores
1

Foto: Poupança x CDB

Poupança ou CDB: qual é a melhor aplicação em tempos de juros baixos? Um dos investimentos preferidos dos brasileiros, a caderneta poupança completou 160 anos de existência, mas está longe de ser um bom negócio.

Com rentabilidade baixa, a caderneta tem dificuldade para competir com aplicações de renda fixa, entre as quais o CDB. 

Em quais condições a poupança levaria a melhor que o CDB? 

O Eu Quero Investir analisará as performances de poupança e CBD para ajudar na escolha do melhor investimento. 

Poupança: vantagens

A pergunta que não quer calar: por que a poupança ainda é tão popular

Apesar da fraca rentabilidade (1,4% ao ano), a poupança atrai alguns perfis, sobretudo aqueles com pouco conhecimento de mercado financeiro. Outro público é o grupo de pessoas que têm receio de perder dinheiro em uma crise econômica.

Em resumo, eis algumas vantagens da poupança:

  • Fácil para abrir a conta e manejá-la. A caderneta é um fundo que pode ser aberto em qualquer instituição bancária. O rendimento será igual em qualquer banco.
  • Não há tributação
  • Pode ser resgatada a qualquer momento. O rendimento da poupança ocorre mensalmente sempre no “aniversário” da conta.
  • Você pode deixar aplicado o tempo que quiser. Não tem prazo para vencimento.
  • É segura. Não sofre interferência externa. Enquanto ativos estão sujeitos a perdas na Bolsa, quem aplica na poupança não tem qualquer prejuízo. Seja qual for o impacto da crise, a caderneta terá o mesmo rendimento.

CDB: vantagens

Mesmo sendo tributado, o CDB costuma oferecer papéis mais vantajosos em relação à poupança. 

Por exemplo, ao adquirir um CDB, você tem prazo para resgatar, ao contrário da poupança.

O tempo, aliás, pode ser um bom negócio para quem investe em CDB. Isso porque quanto maior o tempo aplicado em CDB, menor será a tributação.

Responda essa questão: “Por quanto tempo eu consigo aplicar uma quantia sem resgatá-la?”.

A princípio, se você tem certeza de que uma determinada quantia não será usada a médio ou a longo prazo, pode ser mais interessante aplicar em um CDB em comparação com a poupança. 

Acima de tudo, um bom planejamento é essencial para maximizar sua remuneração.

Por fim, eis as vantagens do CDB:

  • O investidor encontra ofertas de fundos com rentabilidade bem superior à poupança. 
  • Aplicações de médio a longo prazos dão rentabilidade ainda maior
  • É segura. Por ser uma renda fixa, não perde rendimento em eventual crise econômica.

Simulações de Poupança x CDB

As simulações consideram uma aplicação de R$ 10 mil. Em resumo, o rendimento da poupança só será maior que o CDB nas seguintes condições:

EXEMPLO 1 – CDB com 95% do CDI e prazo de 6 meses

Poupança: retorno líquido de R$ 10.069,74

CDB: retorno líquido de R$ 10.069,63

Em conclusão, para prazo de 6 meses, a poupança será mais rentável contra CDBs de no máximo 95% do CDI.

EXEMPLO 2 – CDB com 92% do CDI e prazo de 12 meses. 

Poupança: retorno líquido de R$ 10.139,97

CDB: retorno líquido de R$ 10.139,84

Logo, para prazo de 12 meses, a poupança será mais rentável contra CDBs de no máximo 92% do CDI.

EXEMPLO 3 – CDB com 89% do CDI e prazo de 24 meses

Poupança: retorno líquido de R$ 10.281,90

CDB: retorno líquido de R$ 10.281,37

Portanto, para prazo de 24 meses, a poupança será mais rentável contra CDBs de no máximo 89% do CDI.

EXEMPLO 4- CDB com 86% do CDI e prazo de 36 meses. 

Poupança: retorno líquido de R$ 10.425,81

CDB: retorno líquido de R$ 10.423,52

Em conclusão , para prazo de 36 meses, a poupança será mais rentável contra CDBs de no máximo 86% do CDI.

“O CDB tem a vantagem de você saber de antemão se o fundo renderá mais do que a poupança. Por aí já valeria mais o CDB. O problema é se você resgatar o CDB antes do prazo. Aí o imposto será maior, e a remuneração final poderá ser pior do que a poupança”, pontuou o analista Marcio Loréga, da Ativa Investimentos. 

Poupança: criada após decreto de Dom Pedro II

A caderneta de poupança foi criada após decreto do imperador Dom Pedro II, em 1861. É isso mesmo. A poupança nasceu junto com a Caixa Econômica Federal.

Nos últimos anos, a poupança perdeu muitos correntistas, mas segue em alta. 

São mais de 180 milhões de cadernetas abertas no país, segundo levantamento feito pelo Banco Central no 3º trimestre de 2020.

O 1,4% de rendimento anual da poupança em 2020 é inferior aos 4,52% de inflação no mesmo ano. Isso quer dizer que ao resgatar o dinheiro na poupança, seu poder de compra foi “comido” pela inflação.

CDB: fundo para reforçar caixa de bancos

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) são títulos emitidos por bancos ao mercado financeiro. Quem compra fundos CDBs estão emprestando dinheiro para as instituições financeiras. 

Esses recursos vindos dos investidores em CDBs são importantes para reforçar o caixa dos bancos. A instituição que recebe o empréstimo se compromete a pagar com juros dentro de um prazo estabelecido. 

Ao investidor, interessa saber quais bancos oferecem os melhores juros nos CDBs. Bancos menores costumam oferecer fundos com CDIs maiores em relação aos grandes bancos. 

Isso acontece porque em uma situação de igual rentabilidade, o investidor tenderia a aplicar em uma instituição grande, que, teoricamente, transmite mais confiança e segurança.

Assim, a remuneração maior de juros oferecida por um banco menor acaba sendo um trunfo para fisgar investidores.

Poupança e CDB: protegidos contra quebra de instituições

Essa é uma dúvida comum. E se quebrar a instituição financeira que eu investi?

Os investidores em poupança e CDB serão ressarcidos em até R$ 250 mil por CPF/CNPJ. O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) é uma instituição privada criada justamente para socorrer investidores em uma eventual quebra de empresa.

O FGC é importante não apenas para proteger determinados investidores. A presença do FGC como suporte financeiro traz mais tranquilidade às pessoas no momento de aplicarem seus recursos e previne o mercado financeiro de uma crise sistemática. 

Previsão dos juros para 2021

Atualmente, a Taxa Básica de Juros (Selic) é de 2% ano. O valor da taxa de juros é definido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

Mas o que o juro tem a ver com o rendimento da poupança e CDB? Simples: a definição da taxa do CDI é feita com base na taxa de juro.

Ou seja: 100% do CDI com juro anual de 2% ao ano vale menos do que 100% do CDI com juro anual de 5%.

A regra é: com a taxa de juros baixa, os rendimentos da poupança e do CDB ficam menos atraentes. Por outro lado, com taxa de juros alta, a poupança e o fundo de renda fixa voltam a ganhar destaque.

Parte do mercado financeiro defende que essa taxa seja elevada em 2021 até para conter a inflação. 

O mercado se divide entre os que acreditam que ela ultrapasse os 3% ao ano e os que creem na manutenção da Selic em 2% ao ano por um bom tempo. Há até quem projete que ela possa chegar a 5% este ano.

Saber sobre a taxa Selic é importante porque a taxa funciona como um norte para montar uma boa carteira de investimentos.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.