Poupança: saques passam de R$ 3,5 bi e batem recorde em março

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Internet

Os saques da Caderneta de Poupança em março bateram um recorde para o mês nos últimos quatro anos, segundo o Banco Central.

De acordo com a instituição, a saída líquida de R$ 3,524 bilhões entre os dias 1 e 31 do mês passado foi a maior registrada desde 2017, quando R$ 4,996 bilhões deixaram a aplicação.

O valor foi alcançado porque os saques somaram R$ 321,174 bilhões, enquanto os depósitos ficaram em R$ 317,650 bilhões no período.

Não Perca! Começa hoje o evento que vai transformar sua visão sobre Fundos de Investimento Imobiliário

Pior do que ter registrado a maior retirada para um mês de março desde 2017, os números apontaram que, desde a virada para 2021, os saques têm superado os depósitos na aplicação.

Em janeiro, a retirada foi de 18 bilhões, enquanto em fevereiro somou R$ 5,8 bilhões.

Recorde no trimestre

A soma total do trimestre, portanto, registrou uma saída líquida de recursos da Poupança, ou seja, saques maiores do que depósitos, em R$ 27,541 bilhões – recorde absoluto para os três primeiros meses de um ano.

Antes de 2021, a maior retirada em um primeiro trimestre havia sido registrada em 2016, quando os saques superaram os depósitos em R$ 24,050 bilhões na soma de janeiro, fevereiro e março.

A explicação não oficial para essa debandada pode ser colocada na conta dos maiores gastos de fim de ano, na interrupção do pagamento do auxílio emergencial, que ainda não retornou, e da chegada de impostos como IPVA e IPTU.

Recursos totais da Poupança

A soma de recursos da Poupança, apesar da debandada nos últimos três meses, segue acima da casa de R$ 1 trilhão, de acordo com o Banco Central. Mas vem caindo.

Em dezembro de 2020, o saldo total era de R$ 1,035 trilhão. No fim de fevereiro, passou para R$ 1,014 trilhão e, no último dia 31 de março, apresentou R$ 1,013 trilhão.

Os rendimentos creditados nas contas dos investidores, que também são contabilizados no estoque da Poupança, somaram R$ 1,743 bilhão em março.

Como está o rendimento da aplicação?

A subida da taxa Selic para 2,75% ao ano na última reunião do Copom melhorou (pouco, mas melhorou) o rendimento de quem ainda aposta na Poupança como fonte de renda.

Atualmente, a remuneração da aplicação está pagando 1,925% ao ano, mais Taxa Referencial.

Uma opção considerada tão segura quanto a Poupança pelos investidores mais conservadores é o Tesouro Direto. Confira aqui a cotação desta quarta-feira.