Poupança: aditivo corrige perdas dos Planos Bresser, Verão e Collor II

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: EnvatoElements/By Rawpixe

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) acertaram um aditivo que beneficiará às pessoas que entraram na Justiça com ações contra as perdas na Caderneta de Poupança durante os Planos Bresser, Verão e Collor II.

A agência Reuters noticiou nesta quinta-feira que o acordo, que será submetido ao STF, prevê aumento do prazo de adesão e amplia a abrangência do acordo coletivo, contemplando agora ações de poupadores em tramitação na Justiça.

Segundo as entidades, há ainda 502 mil pessoas que tiveram perdas na Poupança durante os planos Bresser, Verão e Collor II elegíveis a aderir ao acordo firmado em 2017.

Se o STF homologar a decisão, os poupadores que entraram com ações até 11 de dezembro de 2017 poderão aderir ao acordo.

O prazo anterior contemplava apenas as ações impetradas na Justiça até 31 de dezembro do ano anterior.

Honorários advocatícios

O aditivo do acordo não será bom apenas para quem teve perdas na Caderneta de Poupança.

De acordo com a nota da Reuters, o novo acerto também eleva de 10% para 15% os honorários advocatícios pagos pelos bancos aos advogados.

O valor também será majorado aos poupadores, tanto nas ações individuais quanto nas execuções proferidas em ações civis públicas.

Indenizações por planos econômicos chegam a R$ 1,6 bi, diz CNJ

Poupança: investimento pode ter rentabilidade negativa