Política e economia andam juntas. Entenda agora como isso acontece

Elisa Costa
Jornalista que procura a felicidade na escrita e nas artes.

Crédito: Google/Reprodução

A política e a economia são duas áreas distintas, mas o mesmo tempo se complementam. Você sabe como?

Para descobrirmos se a política e a economia andam juntas, primeiro temos que saber de alguns detalhes. Dentro da política existem três tipos de poder: político, econômico e ideológico. 

O poder político é sempre legal e legítimo: é aquele exercido pelo principal governante de uma sociedade. O  ideológico age mediante ideais, princípios, normas e valores para o controle e domínio do povo, determinando formas de pensar e agir. Já o poder econômico envolve diretamente o consumo, gastos e qualquer tipo de influência financeira e/ou monetária.

Segundo Aristóteles: “o homem é, naturalmente, um animal político”. O que isso significa? A palavra “política” vem do grego “pólis”, que simbolizava as cidades-estado que na época controlavam a sociedade. Aristóteles quis dizer, basicamente, que desde o nosso nascimento fazemos parte de uma comunidade que possui regras, condutas e hábitos.

Medidas econômicas e questões políticas

A economia segue por um caminho similar. A palavra vem do grego “oikonomos”, que significa “aquele que administra o lar”. A economia administra as questões financeiras e monetárias do país de acordo com as políticas e medidas estabelecidas pelo poder econômico do nosso governo — ou seja, a relação é direta.

Sem a política, jamais seria possível criar planos econômicos e soluções viáveis para administrar o capital, seja ele individual ou coletivo.

Então, sim, política e economia andam juntas. No Brasil, existe uma política econômica responsável por cuidar de todos os assuntos relacionados a dinheiro e ela se divide em alguns segmentos.

Política monetária 

É o conjunto de decisões que as autoridades monetárias adotam com a finalidade de tornar estável o valor do dinheiro e evitar desequilíbrios permanentes na balança comercial. Gerencia a liquidez da economia, ou seja, o controle da moeda e usa a taxa de juros para estimular ou desacelerar a economia (e evitar a inflação), buscando equilibrar ou estabilizar.

Política fiscal 

É a política econômica que trata dos métodos de gasto e tributação de bens e serviços, afim de influenciar a economia, podendo controlar dessa forma a entrada e saída de dinheiro que está na mão da população. Também chamada de “política orçamental”, tem a função de garantir a estabilização da macroeconomia, distribuição de renda e a alocação de recursos. 

Política cambial

Fonte: Politize!

A política cambial envolve o dinheiro de outro país, como o dólar e o euro. Dependendo da taxa cambial, as indústrias lucram porque importam produtos por um preço pequeno. O câmbio é o mecanismo que trata do valor das moedas estrangeiras aqui no Brasil e em outros países. Ele influencia as exportações, importações, viagens e qualquer outro fator que envolve transações entre o nosso país e o estrangeiro.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

A interligação

Agora que você já sabe como funcionam as políticas econômicas, está na hora de saber que também não é só isso que interliga a economia com a política.

Acontecimentos diários dentro do Câmara dos Deputados e do Senado abalam a economia em diversas formas. Exemplo: notícias a respeito da reforma da previdência, PECs (Proposta de Emenda Constitucional), medidas provisórias e reformas trabalhistas constantemente fazem o índice da bolsa de valores subir ou descer.

Decisões do governo, em geral aprovação de leis e políticas de estímulo à economia, alteram dados como o PIB (colocar o hiperlink), a inflação, emprego e desemprego, produção industrial, entre outros dados econômicos.

Neste vídeo, o economista Ricardo Amorim explica um pouco sobre a relação entre Política e Economia, confira:

Você pode conferir uma matéria que une esses dois elementos neste link. Continue nos acompanhando e fique atento às novidades!

 

Leia mais:

Ibovespa renova máxima história com bom humor nos mercados

Após eleição, Argentina continua perdendo indústrias

 

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.