Zona do euro: PMI vem positivo, mas novas restrições por Covid ameaçam crescimento

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Nesta terça-feira (23) foram divulgados os Índices dos Gerentes de Compras (PMIs na sigla em inglês) da zona do euro e do Reino Unido.

Na zona do euro, as leituras foram positivas: PMI industrial de 58,6; PMI de serviços de 56,6; e PMI composto de 55,8 pontos, todos acima da projeção e da leitura anterior. Vale lembrar que o PMI acima de 50 indica crescimento da atividade.

Chris Williamson, economista-chefe de negócios da IHS Markit afirmou que o resultado surpreendeu positivamente os analistas, que esperavam uma desaceleração do indicador. No entanto, ainda assim, é improvável que o os números de hoje impeçam a zona do euro

de sofrer um crescimento mais lento no quarto trimestre de 2021, especialmente porque o aumento de casos de coronavírus ameaça novas interrupções para a economia. Áustria, Alemanha e outros países da região vêm impondo novas medidas restritivas para conter a chamada quarta onda da pandemia.

“O setor industrial continua prejudicado por atrasos no fornecimento e o desempenho positivo do setor de serviços pode ter uma vida frustrantemente curta se mais restrições precisarem ser impostas”, afirmou.

Reprodução/IHS Markit

No Reino Unido, números também positivos: PMI industrial de 58,2; PMI de serviços de 58,6 e PMI composto de 57,7 pontos, acima da expectativa.

Hoje ainda sai o PMI dos EUA. Para o Brasil, a divulgação acontece dia 1 de dezembro.