PMI de serviços avança na zona do euro e recua na China

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.

O Índice dos Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) de serviços da zona do euro ficou em 55,2 pontos em maio, ante 50,5 do mês anterior.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

Isso representa o maior nível em pouco menos de três anos, informou a IHS Markit nesta quinta-feira (3).

O avanço acima de 50 mostra que a atividade no bloco se expandiu em ritmo mais forte no último mês. O número final também ficou um pouco acima da leitura prévia de maio, de 55,1.

No mesmo período, o PMI composto, que engloba serviços e indústria, aumentou de 53,8 para 57,1, também superando a projeção preliminar, de 56,9, no maior patamar em mais de 3 anos.

A alta do índice foi impulsionada principalmente por um notável aceleração do crescimento em atividades de serviço.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Os dados de maio indicaram um segundo aumento mensal na produção do setor de serviços. Não obstante, apesar de ver o crescimento mais lento em três meses, a produção manufatureira continuou a aumentar em um taxa mais acentuada do que a atividade de serviços.

PMI Serviços Zona do Euro

Reprodução/IHS Markit

E na China, o PMI do setor de serviços foi de 55,1 pontos em maio, ante 56,3 de abril. Os dados são do instituto Caixin, em parceria com a IHS Markit.

Apesar da queda, o resultado representa o 13º mês consecutivo que o indicador fica acima da marca de 50. Ou seja, denota expansão na atividade.

PMI Serviços

Reprodução/IHS Markit