Plano de Biden para aumento de impostos afetará 0,3% dos contribuintes

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Foto: Flickr

Brian Deese, assessor econômico de Joe Biden, revelou que o plano do presidente para aumentar impostos sobre ganhos de capital afetará 0,3% da população dos EUA.

Segundo informações da Reuters, colhidas a partir de uma entrevista coletiva do diretor do Conselho Econômico Nacional do governo, a alíquota somente afetará indivíduos que ganham mais de 1 milhão de dólares, ou cerca de 500 mil famílias.

Deese não especificou em detalhes quais serão as novas taxas do plano em sua entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira (26), mas, de acordo com o “Financial Times”, a maior alíquota do imposto de renda passará de 37% para 39,6%.

Além disso, o governo vai, como já dito, aplicar taxas normais de imposto de renda sobre ganhos de capital e pagamentos de dividendos para americanos que ganham mais de US$ 1 milhão.

Essas medidas elevarão o total dos impostos sobre ganhos de capital para 43,4% para os americanos que fazem parte da fatia dos mais ricos da população.

Aberto às propostas

O diretor do Conselho Econômico Nacional afirmou ainda que tais propostas estão abertas às negociações.

Esse ponto foi visto como um aceno aos republicanos, que já se comprometeram a ficar conta qualquer reversão da reforma tributária aprovada pelo ex-presidente Donald Trump em 2017.

“Essas são formas de pagar pelos planos. Se as pessoas tiverem propostas alternativas, estamos abertos a ouvi-las”, completou porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, que também participou da entrevista coletiva sobre o projeto de Biden.

Partido Republicano tem plano diferente de Biden

De acordo com o Estadão Conteúdo, o primeiro esboço do pacote de infraestrutura do presidente Joe Biden totaliza aproximadamente US$ 2 trilhões.

Por conta disso, e para mexer menos em alíquotas de imposto e tributos, senadores do Partido Republicano fizeram o próprio pacote, de US$ 568 bilhões.

Esse plano engloba US$ 299 bilhões em gastos com estradas e pontes, bem mais amplo do que o de US$ 115 bilhões do presidente democrata.

A oposição pede ainda que seja instituída cobrança de taxas de uso de veículos elétricos, e o reaproveitamento de gastos federais existentes para financiar as despesas.

Por outro lado se opõe ao aumento do imposto corporativo de 21% para 28% proposto por Biden.

A reação do líder da maioria no Senado, e companheiro de partido de Biden, Chuck Schumer, foi a de afirmar que “qualquer projeto desta natureza deve incluir infraestrutura verde”.

“Qualquer projeto de infraestrutura que consideremos aqui no Senado deve incluir infraestrutura verde, criar empregos verdes e fazer um progresso significativo em direção à redução de gases de efeito estufa”, escreveu Schumer, no Twitter.

Mitch McConnel, líder republicano no Senado, defendeu a iniciativa. “Os americanos precisam e merecem soluções de infraestrutura bipartidárias. Espero que os democratas venham à mesa e trabalhem conosco em um caminho bipartidário para fortalecer nossa pátria”, afirmou também em postagem na rede social.