Piores fundos DI: saiba se você está entre os 991 mil cotistas

Paulo Filipe de Souza
Colaborador do Torcedores
1

Imagine ter que pagar caro e não ver o seu dinheiro render. Há quase um milhão de pessoas nos piores fundos do mercado

Uma pesquisa no site da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), mostra que 991,2 mil cotistas estão nos dez piores fundo DI do mercado. Esses tipos de investimentos são fundos de renda fixa em títulos públicos e privados e têm a rentabilidade ligada com a Taxa Selic.

Alguns desses fundos foram considerados os piores por uma série de fatores. Os cortes na Taxa Selic afetaram em cheio a rentabilidade e agravaram ainda mais essa situação.

As 10 piores rentabilidades

Os fundos são administrados por cinco instituições financeiras, Santander, Banco do Brasil, Banco de Brasília, Banrisul e Safra. Juntos esses investimentos somam 104 bilhões de reais.

FI em RF BRB: Do Banco de Brasília, o fundo teve uma taxa de administração de 5% e teve uma rentabilidade de 19,9% do CDI nos últimos doze meses. Cerca de 1400 cotistas investiram 40,3 milhões.

FICFI Caixa: Da Caixa Econômica, o fundo também tem uma taxa de 5% para administração e teve rentabilidade de 17,8% do CDI no último ano.

FIC FI Classic: Do Santander, o fundo teve rentabilidade de 17% do CDI nos últimos doze meses. Pelo menos 54 mil cotistas pagam uma taxa de 5% para administração.

Super FI: O fundo do Banrisul possui a maior fatia do investimentos. São pelo menos 449 milhões de reais em um fundo que a taxa de administração é de 4,5%.

Executiva Plus: fundo do banco Safra com uma taxa de 4,3% para administração. Apenas 607 cotistas fazem parte do fundo.

Fic Fi Extra: Esse outro fundo do Santander têm taxa de administração de 4,2%. No último ano, a rentabilidade dele foi de 27,8% do CDI.

BB RF: Fundo do Banco do Brasil com taxa de administração de 4%, apresentou para os 166 mil cotistas uma rentabilidade de 33,8% do CDI no último ano.

FIC FI Top: Outro fundo do Santander, esse têm uma taxa de administração de 4% e teve rentabilidade de 33% do CDI nos últimos doze meses.

BB RF LP: Também do Banco do Brasil, o fundo cobra 3,8% de administração. De todos, é que o possui o maior número de cotistas, são 480 mil.

BB RF Curto Prazo: Também do Banco do Brasil, esse fundo é de curto prazo e têm uma taxa de 3,7%.

A cada corte na taxa Selic, a taxa para administração do fundo se torna mais pesada. Se confirmado novas reduções, o investidor pode começar a ter prejuízos.

Altas Taxas

Ademais, todos os dez piores fundos DI têm uma característica em comum além da Selic. As taxas de administração desses fundos pode chegar até 5%.

Além disso, alguns dos piores fundos não chegam a render nem 50% CDI – Certificados de Depósito Interbancário. O CDI são títulos emitidos por instituições financeiras para transferir recursos entre instituições que têm dinheiro e instituições que precisam.

Esse fundos tiveram uma rentabilidade entre 12% a 46% desta taxa. Somada a baixa rentabilidade e os custos, alguns desses fundos entraram na lista dos 10 piores fundos.

Mudança nos fundos

Na semana passada, o Santander cortou, quase pela metade, a taxa de administração de um fundo. Antes, a taxação chegava a 5,5%. Agora, a taxa para administração do fundo está em 2,7%.

Esse movimento de redução deve se tornar mais forte. A expectativa do mercado financeiro de novas reduções na Selic contribuiu para esse cenário.

A taxa que está ligada a rentabilidade desses fundos deve, de acordo com analistas, sofrer outros dois cortes até o final de 2019.

O processo de queda nas taxas administrativas é uma forma das instituições financeiras ainda manterem os fundos. Nos números atuais, os fundos se aproximam da insustentabilidade.

O investidor pode procurar outros investimentos, também de baixo risco com rentabilidade maior. É importante nesse momento de migração procurar um profissional capacitado para orientar qual o melhor caminho.

Esta é a função de um assessor de investimentos

Entender o investidor em uma profundidade maior do que o gerente do seu banco ou corretoras digitais e monitorar o mercado em busca de oportunidades que se enquadram em sua realidade, são atribuições do assessor de investimentos.

O papel dele é unir seus objetivos pessoas e profissionais, momento financeiro, perfil de investidor e avaliar o mercado para te apoiar com os investimentos que estiverem alinhados com seu momento.

Disponibilizo abaixo, a oportunidade de você realizar um diagnóstico e tirar todas as suas dúvidas sobre investimentos, conversando com um especialista no assunto.