PIB do Brasil pode fechar 2019 com crescimento de 1,1%, diz consultoria inglesa

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Imagem/reprodução/r7

A Oxford Economics, tradicional consultoria inglesa, melhorou a expectativa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil para encerrar o ano de 2019.

Segundo levantamento da consultoria britânica publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, a estimativa de alta, que antes estava em 0,8%, subiu para 1,1%, enquanto a de 2020, previamente cotada em 1,7%, subiu para 2%.

A previsão de um novo corte nos juros (baixa da taxa Selic) e o fato de o IPCA continuar bem abaixo da meta da inflação do Banco Central, na casa de 4,25% para o ano, justificam os apontamentos da Oxford Economics.

A consultoria sequer levou em conta o anúncio de Donald Trump sobre a volta da sobretarifa sobre as importações de aço e de alumínio de Brasil e de Argentina.

Segundo relatório divulgado pela Oxford, “o presidente americano é imprevisível e as tensões comerciais estão longe de serem resolvidas. Dito isto, nossas análises sugerem que o impacto sobre o crescimento do Brasil e da Argentina será insignificantes”.