EconomiaNotícias

PIB brasileiro pode passar de 3% em 2019 se o governo promover reformas

Para diversos economistas, a maior dúvida em torno de Bolsonaro é quanto a sua governabilidade, além da capacidade de obter o apoio do Congresso e da sociedade para aprovar as reformas.

aum cred set92 1024x682 - PIB brasileiro pode passar de 3% em 2019 se o governo promover reformas
Crédito da imagem: Marcos Santos/USP Imagens

Especialistas apontam que a economia brasileira possui um potencial de crescimento de 3% previsto para o próximo ano, isso se o novo governo lograr êxito na aprovação das reformas, principalmente da Previdência, e acelerar o plano de privatizações. A dúvida, entretanto, é quanto à governabilidade de Jair Bolsonaro e a sua competência em obter apoio no Congresso Nacional e entre a sociedade para adotar as medidas necessárias.

De acordo com o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, o grande desafio de Bolsonaro é justamente a reforma da Previdência. Apesar de essa ser uma proposta bastante polêmica, caso o presidente eleito consiga promover uma reforma ampla e dar continuidade às pequenas reformas que foram encaminhadas por Michel Temer, há chances de que o Brasil tenha um crescimento forte em sua economia em 2019, acima de 3%.

Por enquanto, Sérgio trabalha com uma perspectiva mais conservadora, em torno de 2,2%. Essa projeção já incorpora a incerteza com relação à reforma da Previdência.

Para os economistas em geral, o cenário mais provável para o crescimento do PIB brasileiro em 2019 é entre 2% e 2,5%. A projeção coincide com a média estimada pelo mercado, que foi apontada no Boletim Focus, do Banco Central, em que o resultado foi de 2,49%.

Uma pausa…

Para você conhecer o nosso teste de perfil. É rápido e fácil de fazer!

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

economia is 1 1024x678 - PIB brasileiro pode passar de 3% em 2019 se o governo promover reformas
Crédito da imagem: Agência Reuters

Para a economista Alessandra Ribeiro, a governabilidade é o ponto mais sensível do futuro mandato de Bolsonaro. Ela aponta um cenário moderadamente otimista para 2019, principalmente influenciado pela situação ruim das finanças públicas, com um crescimento de apenas 2% do PIB.

Em sua estimativa, Alessandra considera que a reforma da Previdência não será algo extraordinário para a economia do país. Ela também considera que nenhum grande pacote de privatizações e concessões será feito, além de um câmbio estimado em R$ 3,65 a cada dólar. Para a economista, essa situação deve permitir que o Banco Central consiga manter a taxa básica de juros (Selic) ainda em 6,5% ao ano até o fim do segundo semestre de 2019.

Alexandre Schwartsman, economista e ex-diretor do Banco Central, opina que há espaço para a economia brasileira crescer rapidamente, isso se o governo conseguir desfazer o “nó” nas contas públicas do país, promover uma boa reforma na Previdência e, também, reduzir dívida pública. Para ele, se Bolsonaro conseguir atingir esses resultados, poderá fazer com que a economia do país cresça entre 3% a 3,5% no ano que vem. Contudo, o economista se mostra um pouco pessimista.

Esse pensamento de Schwartsman tem um motivo: ele acredita que essas reformas dificilmente serão encaminhadas no próximo ano, pois o novo presidente perceberá, em algum momento, que passar qualquer agenda no Congresso será politicamente muito custoso. Além disso, ele não aposta em um cenário de privatizações mais agressivo, pois as chamadas “joias da coroa” (CEF, Banco do Brasil, Petrobras e Elerobras) não foram incluídas no pacote.

Assim, de acordo com a projeção dos economistas, o cenário mais provável para o PIB do próximo ano é de um crescimento entre 2% e 2,5%, um pouco mais forte do que o de 2018, visto que 2019 será o ano em que ocorrerá a fase de “lua de mel”, que normalmente marca o início dos governos e promove um avanço no consumo, influenciado pelos juros baixos.

O economista-chefe do Banco Safra, Carlos Kawall, projeta um crescimento de 3% para o PIB do ano que vem, contudo, admite que será complicado atingir esse crescimento por conta da recuperação lenta do mercado de trabalho, atualmente sustentado por empregos informais e vagas com menores salários.

Para Kawall, é imprescindível fazer uma boa reforma no sistema de Previdência brasileiro – não necessariamente a reforma ideal – pois isso permitiria melhorar as condições financeiras do país com a queda dos juros, a alta da Bolsa de Valores e a redução do chamado “risco Brasil”.

Tags
Mostrar mais

Késia Rodrigues - Colaboradora Independente

Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por literatura, viagens, tecnologia e finanças.

Artigos Relacionados

Close