PetroRio (PRIO3) e Eztec (EZTC3) estreiam com queda no Ibovespa

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Novas integrantes do Ibovespa, PetroRio (PRIO3) e Eztec (EZTC3) estrearam em queda nesta terça-feira (8).

A nova carteira do Ibovespa tem, agora, 77 ações de 74 empresas. E vigora até 30 de dezembro 2020. Da antiga carteira do índice, as duas empresas representam as novas inclusões. Nenhuma empresa foi retirada da carteira antiga.

As baixas acompanham os mercados do dia, todos em queda ainda na sequência de perdas recentes das ações das empresas de tecnologia norte-americanas.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

PetroRio tem queda de 6,58% no dia

A PetroRio está sendo negociada a R$ 41,20, com forte queda de 6,58%. A máxima deste ano foi de 31 de janeiro, quanto as ações atingiram R$ 47,93.

Sendo a maior petroleira privada do país, a PetroRio ingressou na posição 63 dentre 77 empresas listadas.

Apesar da queda, a petroleira vem apresentando bom desempenho no ano, com alta de mais de 30%.

O que explica a alta é, em primeiro lugar, a retomada da atividade econômica pós-quarentena, o que vem aumentando a demanda por petróleo no mundo todo.

Mas também tem peso relevante o posicionamento da empresa, de buscar novas aquisições que melhorem a sinergia entre os campos de exploração. Dessa forma, ela consegue reduzir seus custos operacionais. A ponto de, apesar de registrar prejuízo no segundo trimestre deste ano, ter conseguido uma boa margem Ebitda. O indicador teve queda de 38% na comparação anual, mas alta de 201,4% em relação ao primeiro trimestre de 2020.

Eztec desvaloriza 0,68%

Já a construtora e incorporadora Eztec apresenta queda de 0,68% nesta terça, cotada a R$ 39,43. A máxima do ano foi registrada no dia 24 de janeiro, quando a ação era negociada a R$ 59,80.

A empresa reportou, no segundo trimestre, lucro líquido de R$ 68,072 milhões. As cifras são 293% superiores aos R$ 17,303 milhões do mesmo período de 2019.

No acumulado do semestre, a Companhia registrou lucro de R$ 145,7 milhões, alta de 30% na comparação com o mesmo período de 2019.