Petróleo: Brasil produzirá até 5 milhões de barris por dia até 2030, diz BP

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Site Petronotícias

A produção de petróleo no Brasil deve pular da atual, de 3 milhões de barris por dia, para um pico de até 5 milhões de barris diários até o fim da década.

A projeção, bastante otimista, foi realizada pelo Energy Outlook 2020 e publicada nesta segunda-feira (14) pela petroleira britânica BP.

De acordo com a companhia, mesmo dentro de um cenário que prevê a transição energética para uma economia de baixo carbono, o pico de produção petrolífera no Brasil será alcançado até 2030.

“O Brasil é a Arábia Saudita dos biocombustíveis”, comentou economista-chefe da BP, Spencer Dale, ao Valor Online.

Outros cenários sobre petróleo também são positivos

As projeções divulgadas pela BP englobam outros cenários para o futuro da produção de petróleo no Brasil.

Em um que observa uma transição mais moderada, batizado de “business-as-usual”, o pico da produção diária de petróleo no Brasil seria atingido ao fim dos anos 2030.

O relatório da BP apontou que, independentemente do cenário, a participação das energias renováveis no mercado subirá rapidamente.

Os dados apontam que, dos 15% registrados em 2018, chegaria para um valor entre 32% e 54% – esse no cenário mais agressivo da transição, batizado de “net zero”.

O petróleo, em qualquer um dos três cenários, deixaria de ser responsável pelos 39% da matriz registrados em 2018 para ficar entre 7% e 28%.

Energia nuclear

Segundo a BP, a energia nuclear também crescerá rápido no Brasil, entre 3,4% e 3,8% ao ano.

A previsão é que o País siga sendo um dos maiores produtores hidrelétricos do mundo, com participação da energia hídrica na matriz energética nacional entre 21% e 26%.

O relatório apontou que a demanda elétrica pode mais do que dobrar até 2050, com a maior parte dela vinda do setor industrial, acompanhada de perto pelo setor de transporte.

Leia tambémPrévia do IIE-Br mostra queda de 6,1 pontos em setembro, segundo FGV