Petroleiros pedem suspensão de demissões para encerrar greve

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.

Crédito: Reprodução/Petrobras

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus 13 sindicatos afiliados protocolaram uma petição junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) pedindo a suspensão imediata das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) do Paraná, como condição para por fim à greve que já dura 13 dias.

“Com intransigência e demissões, a greve continuará crescendo e se fortalecendo. Entendemos que o papel da justiça do trabalho é preservar direitos e impedir o retrocesso social. Sempre estivemos abertos à negociação. Quem não quer negociar é a gestão da Petrobrás”, afirmou o diretor da FUP, Deyvid Bacelar, segundo informações do site oficial da entidade.

O diretor-gerente da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Décio Oddoni, afirmou, em carta também ao TST, que a greve dos petroleiros compromete o abastecimento no país.