Petrobras (PETR4): produção total de petróleo, gás e LGN sobe 4,4%

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Geraldo Falcão/Agência Petrobras

A Petrobras (PETR4) divulgou nesta terça-feira (20) que a produção média de óleo, LGN e gás natural no terceiro trimestre foi de 2,952 milhões de boed, um aumento de 4,4%.

Dessa forma, na comparação com o segundo trimestre de 2020, a produção subiu 5,4%.

Conforme a Petrobras, o desempenho é fruto da maior eficiência operacional das plataformas do campo de Buzios, bem como pelo crescimento da produção no campo de Atapu e redução das perdas por indisponibilidade.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Nos campos do pré-sal, a produção totalizou 1,651 milhões de boed no terceiro trimestre, alta de 20,8% em relação ao mesmo período de 2019.

Já em relação ao segundo trimestre deste ano, o avanço foi menor, cerca de 8,1%.

A produção de óleo do pós-sal em águas profundas e ultraprofundas atingiu 581 mil boed no período, um queda de 17% na comparação com o terceiro trimestre de 2019.

Na comparação com o segundo trimestre de 2020, a produção subiu 1,4%.

Produção acumulada

A produção de óleo e gás no Brasil cresceu 9% nos primeiros nove meses de 2020 na comparação ao ano passado.

A produção dos campos pré-sal expandiu 32%, enquanto nas demais áreas houve contração.

Segundo a Petrobras, a estimativa é de que a produção alcance 2,84 milhões boed em 2020. Isso representa um aumento de 2,5% das metas traçadas pela estatal.

“O crescimento da produção acima do esperado não resultou em estoques excessivos, o que seria possível face à expressiva redução da demanda global por petróleo. Pelo contrário, temos trabalhado com estoques inferiores aos do período pré-COVID graças à maior integração entre produção, refino, logística e comercialização”, explica a petroleira.

Refino

O volume de produção total atingiu 1,935 milhões de bpd no terceiro trimestre de 2020. Isso representa um aumento de 6,6% em relação ao mesmo período de 2019.

Enquanto o volume de vendas reduziu 2,4%, totalizando 1,761 milhões de bpd.

Produção de diesel, gasolina e óleo de combustível avançam

As vendas de diesel foram 18,4% superiores ao trimestre anterior, atingindo 749 milhões de bpd.

A produção de diesel totalizou 795 milhões de bpd, alta de 22,3% em relação ao segundo trimestre de 2020.

Conforme a Petrobras, o resultado foi impulsionado pelo retorno gradual das atividades após o impacto das medidas de combate a COVID-19 no segundo trimestre.

Já o volume de vendas e produção de gasolina subiu 32,7% e 33,1%, respectivamente, no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre de 2020.

A produção de óleo combustível subiu 2,1% no período quando comparado ao segundo trimestre de 2020.

Por outro lado, as vendas recuaram 8,7% na comparação com o trimestre anterior.

Covid-19

De acordo com a Petrobras, o cenário de contingência da COVID-19 continua limitando os efetivos a bordo de suas instalações marítimas de produção, o que levou a estatal a postergar parte das paradas programadas no quarto trimestre de 2020 para o início de 2021.

No entanto, a empresa destaca que conseguiu executar atividades de manutenção, o que contribuiu para aumentar a eficiência operacional e manter ótima performance.

Outro destaque foi o sucesso obtido na campanha de inspeção dos dutos suscetíveis à corrosão sob tensão por CO2 realizada com novas tecnologias e ferramentas, cujos resultados viabilizaram a continuidade operacional de dutos de injeção de gás, reduzindo gastos e perdas de produção.

Ta, e aí?

Em relatório, assinado pelos analistas Luiz Carvalho e Gabriel Barra, o UBS avaliou que os resultados confirmaram pilares fortes da estatal.

Segundo o banco, os resultados vieram acima de suas estimativas imprimindo um boa recuperação desde o fundo do poço atingido no segundo trimestre, fortemente impactado pela pandemia do covid19.

Além disso, o UBS acredita que a empresa será capaz de alcançar sua meta de dívida bruta de US$ 60 bilhões em 2022, mas deve ser ajudada pelo desinvestimento.

Por isso, a Petrobras tem recomendação de compra com preço-alvo de R$ 27,00.

“A empresa apresentou bom desempenho tanto em E&P, quanto a volta da forte produção no pré-sal, e no negócio de Downstream, que  ainda teve um desempenho abaixo dos níveis de 2019, mas foi muito melhor do que o segundo trimeste” explica o UBS.

Por fim, o banco ressalta que esperava uma recuperação no terceiro trimestre, mas veio mais rápido que o esperado.