Petrobras (PETR4; PETR3) assina contrato para venda de elétricas

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

A Petrobras (PETR4; PETR3) informou que assinou nesta quinta-feira (29) contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar S.A. (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara S.A. (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE), por meio de suas subsidiárias GFT Participações S.A. e GFM Participações S.A., respectivamente.

O valor total das transações é de R$ 160,3 milhões, sendo R$ 81,3 milhões pela TEP e R$ 79 milhões pela CEM, a serem pagos no fechamento das transações, sujeitos aos ajustes previstos nos contratos. Essa operação está alinhada à estratégia de otimização do portfólio da Petrobras e à melhora de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

A TEP é uma holding controlada pela GPE (detentora de 80% do seu capital social, sendo a Petrobras detentora dos 20% restantes) que possui participações societárias diretas nas empresas Areia Energia S.A. e Água Limpa Energia S.A., proprietárias de pequenas centrais hidrelétricas, localizadas em Tocantins, com capacidades instaladas de 11,4 MW e 14,0 MW, respectivamente.

Além disso, a TEP detém 60% do capital social da CEM (sendo a Petrobras detentora dos outros 40%). A CEM possui uma usina termelétrica a gás natural localizada no Amazonas, com 85,4 MW de capacidade instalada.

A GPE atua desde 2001 no segmento de geração de energia elétrica, controlando sete usinas distribuídas nos estados do Rio Grande do Norte, Amazonas, Tocantins e Bahia.

A GPE assinou recentemente com a Petrobras contrato para compra de mais três usinas termelétricas, localizadas no Polo Industrial de Camaçari no estado da Bahia.

As operações estão sujeitas ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

PetroRio (PRIO3): redução de alíquota do campo Tubarão Martelo é aprovada

A PetroRio (PRIO3) comunicou que a ANP aprovou a redução de alíquota de royalties de 10% para 5% do campo Tubarão Martelo.

A medida é um incentivo a investimentos na revitalização do campo.

A aprovação consiste no pedido de redução de royalties de 10% para 5% sobre a produção incremental proveniente de investimentos no campo, respaldando-se na lei, no contrato de concessão e na resolução nº 749/18 e que regula a redução royalties na produção incremental em campos maduros.

Assim, toda a produção incremental que virá de novos investimentos no Campo de Tubarão Martelo terá sua alíquota reduzida para 5%, inclusive a produção resultante da completação do poço TBMT-10HP, com expectativa de início de produção em setembro.

Neoenergia (NEOE3) entrega 10 aerogeradores do Complexo Eólico Chafariz

A Neoenergia (NEOE3) informou que em 29 de julho de 2021 entraram em operação comercial os primeiros 10 aerogeradores do Complexo Eólico Chafariz.

Estas 10 unidades geradoras correspondem a 34,65 MW de capacidade instalada e estão sendo entregues com 17 meses de antecedência em relação ao início da vigência do contrato no Mercado Regulado.

A fase de teste de aerogeradores segue em andamento de acordo com a programação da empresa e, portanto, a Neoenergia manterá o mercado informado acerca da entrada em operação comercial do complexo.

O Complexo Eólico de Chafariz terá capacidade instalada total de 471,25 MW, sendo 61% da energia alocada para o Mercado Regulado (ACR) e 39% para o Ambiente de Contratação Livre (ACL).

A implantação total do Complexo Chafariz será finalizada até o fim de 2021, com significativa antecipação em relação ao plano de negócios e em linha com Capex previsto originalmente.

Hospital Care (HCAR3) informa criação de joint venture

O Hospital Care (HCAR3) informou a criação de uma joint venture entre sua subsidiária São Lucas Hospital Care e a Bioxxi Serviços de Esterilização.

A nova sociedade assumirá a central de esterilização de materiais médicos do Hub Ribeirão Preto e prestará serviços para todos os hospitais desta unidade de negócio.

A participação da Hospital Care, por meio da sua subsidiária, corresponde a 25 do capital social e votante da parceria.

Fundada em 1981, a Bioxxi é um player nacional de esterilização que nasceu do desejo de possibilitar que dispositivos médicos fossem reutilizados com total segurança e qualidade, tornando a saúde mais acessível. Pioneira no Brasil, a Bioxxi inovou através da tecnologia de esterilização, fundou e desenvolveu o setor, pautada sempre nas melhores práticas ao redor do mundo. A Bioxxiestá presente em todo país e também na Europa.

Uma vez consolidada a parceria, o serviço poderá ser expandido para os demais hubs do grupo da companhia e/ou demais hospitais na região.

Lojas Renner (LREN3) informa mudança acionária

A Lojas Renner (LREN3) recebeu comunicado do Itaú (ITUB4) informando que a soma de ações detidas pelo conjunto de fundos de investimento geridos pelo banco atingiu 5.034% das ações ordinárias emitidas pela companhia. Ou seja, totalizando 45234731 ações, configurando aumento na participação acionária.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo