Petrobras (PETR4 PETR3): produção volta ao nível pré-covid

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Felipe Dana/Agência Petrobras/Divulgação

Após o pior da crise do novo coronavírus ter passado, a Petrobras (PETR4 PETR3) está atingindo os níveis normais de produção em suas refinarias, conforme reportagem do jornal Estadão.

Além do óleo combustível marítimo, que ajudou a companhia gerar receita nos primeiros meses de 2020, voltaram a ser priorizados o óleo diesel, a gasolina e o gás liquefeito de petróleo (GLP).

A capacidade utilização das refinarias passou de 56% em abril, para 75,5% em junho, muito próximo ao nível de janeiro (76,3%).

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

No início do ano, a cotação do petróleo sofreu bastante devido a desavenças entre a Russia e a Organização dos Países Exportadores (Opep) sobre uma sobre oferta da commodity.

Logo após a pandemia do novo coronavírus reduziu drasticamente a demanda de petróleo, levando os barris a cotações negativas nos EUA.

De acordo com a Petrobras, o mês de abril foi o pior mês da crise.

Mudança de perfil

Para mitigar as perdas, a estatal aproveitou as exigências regulatória por um combustível marítimo mais limpo para ganhar market share.

Assim, a Petrobras mudou o perfil de suas refinarias para produzir óleo marítimo, pelo menos em parte.

Dessa forma, a refinaria Replan, em São Paulo, mais voltada para a produção de diesel, perdeu a liderança de mercado para a Rlam, na Bahia, de onde sai a maior parte do óleo marítimo da Petrobras.

Agora, as refinarias da estatal caminham para a normalidade.

De acordo com a ANP, a produção de óleo diesel atingiu 1,8 milhão de metros cúbicos em julho, enquanto, em abril, era de 1,3 milhão de m³.

A fabricação de gasolina passou de 1,1 milhão de m³ para 1,8 milhão de m³ no período.

Esses volumes equivalem ao nível de janeiro, no pré-crise. Já a produção de óleo marítimo, que chegou a 458 milhões de kg em abril, três meses depois estava em 341 milhões de kg.