Petrobras (PETR4) elege diretor executivo; BTG (BPAC11) conclui aquisição da Necton

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Agência Brasil/Petrobras

A Petrobras (PETR3 PETR4) elegeu nesta segunda-feira (5) Salvador Dahan diretor executivo de Governança e Conformidade. Ele é paulistano e bacharel em Direito, residente em Kanagawa, Japão.

Sua escolha é para a gestão até abril de 2023.

A decisão, segundo comunicado da Petrobras ao mercado, não foi unânime, mas por maioria dos votantes do Conselho de Administração da estatal petrolífera brasileira.

BTG Pactual (BPAC11) conclui aquisição da Necton

A BTG Pactual (BPAC11) comunicou que, após o cumprimento de todas as condições precedentes, incluindo a aprovação do Banco Central do Brasil e da autoridade concorrencial competente, foi concluída a aquisição de 100% do capital social da corretora Necton Investimentos.

O BTG informou que uma de suas controladas fechou a compra da corretora pelo valor de R$ 348 milhões.

Esta aquisição faz parte da estratégia de expansão do BTG Pactual no segmento de varejo de investimentos. A intenção do banco é manter a marca e a operação independentes.

A Necton é uma companhia com ativos sob custódia (AuC) de R$ 16,1 bilhões.

Omega (OMGE3) aprova assinatura de contrato preliminar com Omega Gestora de Recursos e Tarpon

A Omega Geração (OMGE3) aprovou a celebração de contrato preliminar entre a companhia e a Omega Gestora de Recursos Ltda. em conjunto com a Tarpon, outorgando “opções de aquisição e alienação (ou reorganização societária) para transferência dos ativos de geração de energia eólica do Complexo Assuruá 4”.

O Complexo tem capacidade instalada projetada de aproximadamente 215 MW e expectativa de entrada em operação comercial no início de 2023.

Ele está localizado na Bahia, junto aos Complexos Eólicos Assuruá 1, 2 e 3.

“O Comitê de Operações com Ativos de Partes Relacionada da Companhia tem conduzido há meses tratativas com as gestoras em relação às condições para transferência dos Ativos”, informa a Omega, “o que culminou na recomendação pelo Comitê para que o Conselho de Administração aprove a celebração do documento que consubstancia as referidas opções”.

Ainda conforme o contrato, “a efetiva transferência dos Ativos é condicionada à verificação de determinadas condições precedentes, incluindo – entre outras – a efetiva celebração de Contratos de Comercialização da Energia (na sigla em inglês, PPA – Power Purchase Agreement), nas condições previamente estabelecidas, no ambiente de comercialização livre (ACL), a obtenção de financiamento de longo prazo para os Ativos e a efetiva entrada em operação comercial dos Ativos”.

BrMalls (BRML3) informa sobre a reabertura e fechamento temporário de shoppings

A BR Malls (BRML3) retomou a operação de 8 shoppings do seu portfólio, ainda com restrições no horário de funcionamento.

O Goiânia Shopping (GO) e o Araguaia Shopping (GO) retomaram suas atividades no dia 31 de março de 2021. O Shopping Recife (PE) e o Top Shopping (RJ), em 1º de abril e 3 de abril, respectivamente.

Já o shopping Curitiba (PR), o Shopping Estação (PR), o Shopping Campo Grande (MS) e o Shopping Vila Velha (ES) retomaram suas atividades neste 5 de abril.

No sentido contrário, por determinação das autoridades públicas, a BR Malls suspendeu temporariamente as atividades do Shopping Estação Cuiabá (MT) desde 31 de março último. Os serviços de delivery e atividades essenciais, no entanto, estão permitidos.

A BR Malls possui 14 shoppings abertos, equivalentes à 46,0% da ABL total e 40,7% da ABL própria da companhia e 28,4% do NOI core em 2019.

Kalunga ainda avalia fazer IPO

A Kalunga segue em processo de listagem na B3 (B3SA3). A empresa “engajou o Banco BTG Pactual (BPAC11), o Bradesco BBI, a XP Investimentos e o UBS Brasil para a prestação de serviços de assessoria financeira no âmbito de potencial operação para a captação de recursos por meio da realização de oferta pública inicial de distribuição de ações ordinárias.

Pela manhã reportagem do Estadão dizia que a Kalunga estava entre 19 empresas que teriam desistido de fazer IPO.

No entanto, ao final da tarde, a Kalunga comunicou ao mercado, em Fato Relevante, que até o momento não definiu ou aprovou a efetiva realização da operação, seus termos e condições, ou outras possíveis atos para emissão das ações.

A efetiva realização, diz a Kalunga, está sujeita às condições dos mercados de capitais brasileiro e internacional, às condições política e macroeconômica favoráveis, ao interesse de investidores em particular, às aprovações societárias da companhia e a procedimentos inerentes à realização de IPOs.

MRV (MRVE3): diretor executivo de Produção entrega carta de renúncia ao cargo

A MRV (MRVE3) comunicou hoje que recebeu a carata-renúncia do seus diretor executivo de Produção, Homero Aguiar Paiva. Ele havia sido eleito na pelo Conselho de Administração, em março de 2019, e tinha mandato de mais um ano.

A MRV “agradece o período de 34 anos em que Homero Paiva foi o executivo à frente da área de Produção da companhia e informa ainda que ele permanecerá atuando como consultor técnico no período de transição do cargo de Diretor Executivo de Produção para Silvio Luiz Gava, eleito hoje.