Petrobras (PETR4) precifica títulos para 2031 em emissão de US$ 1 bi

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Agência Petrobras

A Petrobras (PETR4) anunciou, nesta terça (13), a precificação da nova emissão de títulos por meio da reabertura do  5,60% Global Notes com vencimento em janeiro de 2031.

O volume total de emissão somará US$ 1 bilhão, por meio da subsidiária integral Petrobras Global Finance B.V. –PGF.

Os termos da reabertura dos títulos com vencimento em 2031 são os seguintes, como detalhou a Petrobras:

Invista em Fundos Imobiliários. Conheça planilha que irá te ajudar em análises e diagnósticos dos ativos.

  • Emissão: Global Notes a 5,6% com vencimento em 2031
  • Volume emitido: US$ 1,0bilhão
  • Valor total devido: US$ 2,5 bilhões
  • Cupom: 5,6% a.a
  • Datas dos pagamentos de juros: 3 de janeiro e 3 de julho de cada ano, iniciando em 3 de janeiro de 2021
  • Preço de emissão na reabertura: 109,579%
  • Rendimento ao investidor: 4,4% a.a.
  • Vencimento: 3 de janeiro de 2031
  • Liquidação: 21 de outubro de 2020

Os recursos captados por meio dessa emissão serão consolidados com o US$ 1,5 bilhão emitido em 27 de maio de 2020, formando uma série única de US$ 2,5 bilhões, lembra a estatal.

“Os recursos líquidos da venda desses títulos serão utilizados para o pagamento dos títulos validamente entregues e aceitos na oferta de recompra anunciada em 13 de outubro de 2020”, informa a Petrobras.

“Em caso de excesso, serão utilizados para propósito corporativos em geral.”

Petrobras (PETR4) paga juros das debêntures da 7ª emissão

Oferta

A oferta de recompra expira no dia 19 de outubro, às 17 horas (horário de Nova York), e será conduzida pelo Bank of America, HSBC, Deutsche Bank, Itau BBA USA, J.P. Morgan, Santander Investment Securities e Scotia Capital.

O comunicado da Petrobras esclareceu ainda que os detentores dos títulos também receberão os juros capitalizados até a Data de Liquidação.

S&P mantém nota de crédito de emissão da Petrobras em BB-

De acordo com informações do BDM, a S&P manteve a nota de crédito de emissão da Petrobras, atualmente em BB-, apesar da reabertura dos títulos globais da petroleira.

O rating é o mesmo da estatal, que tem perspectiva estável, e também não sofreu alteração com a reabertura de bonds.

Os analistas da agência de classificação de riscos alegaram que “a oferta de recompra de emissões mais curtas, anunciada pela empresa junto com a reabertura da emissão 2031, deve melhorar o perfil de vencimento das dívidas da empresa, além de reduzir a dívida bruta da empresa”.

Papéis subiram nesta terça (13)

Os papéis da Petrobras apresentaram alta durante a terça-feira, mostrando reação positiva do mercado às últimas notícias envolvendo a estatal petrolífera.

Confira as cotações no fechamento:

  • PETR4: R$ 20,13; +1,67%
  • PETR3: R$ 20,13; +1,10%

Leia também:

Demanda por energia pode cair 5,3% em 2020 e só se recuperar em 2025

FIIs de agências bancárias precisam se reinventar

Por que a poupança é o principal investimento do brasileiro?