Petrobras (PETR4) reverte prejuízo e lucra R$ 42,8 bilhões no 2TRI21

José Azevedo
Jornalista especializado em economia.
1

Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Petrobras (PETR4) lucrou R$ 42,8 bilhões de forma líquida no segundo trimestre de 2021, revertendo prejuízo de R$ 2,7 bilhões do mesmo período do ano passado.

O número é ainda 35 vezes mais do que o lucro de R$ 1,1 bilhão registrados no primeiro trimestre deste ano e mais do que o dobro do que os R$ 19,5 bilhões que o mercado esperava.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Leia o documento na íntegra aqui.

Petrobras (PETR4): principais números do balanço do 2TRI21

Lucro líquido

  • 2TRI21: R$ 42,8 bilhões
  • 2TRI20: – R$ 2,7 bilhões

Receita líquida

  • 2TRI21: R$ 110,7 bilhões
  • 2TRI20: R$ 50,8 bilhões

Ebtida ajustado

  • 2TRI21: R$ 61,9 bilhões
  • 2TRI20: R$ 24,9 bilhões

Receita avança com brent mais caro e mais vendas

Segundo o balanço publicado na noite desta quarta-feira (4), parte da alta acompanhou a valorização da receita, que foi 28,5% maior na comparação com a base anual, ficando em R$ 110,7 bilhões.

“O avanço da receita se deu principalmente pela valorização de 13% nos preços do Brent e pelo aumento do volume de vendas de derivados no mercado interno e das exportações”, explicou a Petrobras.

A receita de derivados para o mercado interno cresceu 22,6%, chegando a R$ 63,8 bilhões, sendo o diesel e a gasolina respondendo por 73% do total.

O faturamento de gás natural foi de R$ 7 bilhões, 23,4% maior do que no segundo trimestre de 2020.

Os ganhos com exportações avançaram 47,2%, ficando em R$ 33,6 bilhões. Os Estados Unidos avançaram no ranking de países que mais exportam petróleo bruto da estatal – saindo de 3% no primeiro trimestre para para 9%. A China, por outro lado, regrediu de 56% para 45%, mantendo a tendência que vem do ano passado (a companhia no segundo trimestre de 2020 consumia 87% do petróleo exportado pela Petrobras.

Custos não crescem como faturamento

Com o maior volume de vendas, a Petrobras viu o seus custos crescerem, principalmente quanto à produção e pagamento de royalties. No total, foram R$ 53,7 bilhões gastos entre abril e junho, ante R$ 32,6 bilhões na base anual.

As despesas operacionais também aumentaram, mas proporcionalmente menos, com alta de 24,9%, saindo de R$ 8,1 bilhões para R$ 10,1 bilhões. O destaque foi para o crescimento das despesas com exploração e para os gastos com pesquisa e desenvolvimento tecnológico, que avançaram, respectivamente, 187,1% e 111,7%.

A Petrobras registrou no segundo trimestre um Ebitda ajustado de R$ 61,9 bilhões, ante R$ 24,9 bilhões no mesmo período de 2020 e R$ 48,9 bilhões entre janeiro e março deste ano. A margem Ebitda ficou em 56%, ante 49%.

O resultado operacional, apesar dos maiores gastos, foi impulsionado pela valorização do petróleo, pelas maiores margens com derivados e pelo crescimento das vendas.

Por fim, o lucro líquido da Petrobras foi fortemente impactado pelo resultado financeiro, que foi positivo em R$ 10,8 bilhões, ante prejuízos de R$ 30,7 bilhões no primeiro trimestre deste ano e de R$ 12,3 bilhões no segundo trimestre de 2020.

“Este resultado reflete os ganhos cambiais, sem efeito caixa, relacionados à valorização do real de 12,2% em relação ao dólar e a atualização monetária referente ao ganho complementar da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS”, explicou a companhia.

A Petrobras aponta ainda que encerrou junho com uma exposição cambial de R$ 167,8 bilhões, ante R$ 198,6 bilhões do fim do mesmo mês do ano passado

A estatal continua também a reduzir a sua dívida líquida, que saiu de R$ 390 bilhões em junho de 2020, para R$ 332,8 bilhões em março deste e ano e que, agora, chega a R$ 266,4 bilhões.

Petrobras anuncia dividendos

O resultado da Petrobras, que superou a expectativa do mercado, veio acompanhado do anúncio de pagamento de dividendos: a Petroleira irá distribuir R$ 31,6 bilhões aos seus acionistas em duas parcelas.

Na primeira, a ser paga no próximo dia 25 de agostos, serão pagos R$ 21 bilhões, em um total de R$ 1,609911 por ação. A data de corte será no dia 18 do mesmo mês.

A segunda parcela dos dividendos da Petrobras, de R$ 10,6 bilhões será paga no dia 15 de dezembro, em um total de R$ 0,812622 por ação. As ações serão negociadas ex-dividendos a partir do primeiro dia do último mês do ano.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo