Petrobras (PETR4) anuncia reajuste da gasolina em 4% e diesel em 5%

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Divulgação

A Petrobras (PETR4) aprovou nesta sexta (9) um reajuste médio de 4% no preço da gasolina em suas refinarias, o que equivale a R$ 0,07 por litro.

O aumento vale a partir de amanhã (10).

Também será reajustado o diesel vendido pela Petrobras.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Segundo a Petrobras, o combustível ficará 5% mais caro, o que equivale a 0,08 centavos.

Queda acumulada

Com o reajuste, o litro da gasolina passará a custar R$ 1,82 nas refinarias, enquanto o diesel, R$ 1,76.

Após ser vendido pela Petrobras aos distribuidores, o combustível aumenta de preço até chegar ao consumidor final devido a imposto estaduais e federais, custos de distribuição e revenda e adição de biocombustível.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

Dessa forma, o preço praticado pela Petrobras em suas refinarias correspondeu, entre julho e agosto, a 30% do preço final da gasolina e a 49% do preço final do diesel vendidos nos postos de combustíveis.

Ao divulgar os reajustes, a Petrobras informou que, ao longo do ano, os preços dos dois combustíveis acumulam queda.

Assim, no caso da gasolina, o preço está 5,3% mais baixo que o de janeiro. Já o diesel vendido nas refinarias está 24,3% mais barato que no início do ano.

Refinarias diminuem 70% da capacidade por parada em unidades

A Petrobras registrou em setembro novo recorde de produção de Diesel S-10, pelo quarto mês consecutivo. A empresa alcançou a marca de 1,89 milhão de metros cúbicos.

Segundo comunicado da companhia, o aumento da produção nos últimos anos reflete a maior demanda pelo produto no Brasil, em sintonia com a evolução dos motores de veículos pesados e utilitários movidos a diesel, responsáveis pela maior parte da circulação de mercadorias no território nacional.

Atualmente, existem dois tipos de diesel rodoviário no país, o Diesel S-500 e o Diesel S-10. No entanto, o S-500 é utilizado apenas por veículos fabricados até 2011.

Logo, a tendência é de que o Diesel S-10 sofra, cada vez mais, um aumento na demanda.

Vendas de diesel

A companhia também informou recorde de vendas em setembro, com a comercialização de 1,91 milhão m³.

O resultado tem relação com ações comerciais implementadas para mitigar os efeitos da pandemia de Covid-19 sobre a demanda e graças a ações para ampliar a oferta do produto.

A Petrobras afirma que o recorde de produção de Diesel S-10 vem sendo superado seguidamente desde junho, quando foram produzidos 1,63 milhão m³, marca superada em julho (1,81 milhão m³) e em agosto (1,84 milhão m³).

As vendas do produto em setembro superaram em 7,3% o recorde anterior, de 1,78 milhão m³, registrado em julho de 2020.

A Petrobras afirma que o recorde de produção de Diesel S-10 vem sendo superado seguidamente desde junho, quando foram produzidos 1,63 milhão m³, marca superada em julho (1,81 milhão m³) e em agosto (1,84 milhão m³).

As vendas do produto em setembro superaram em 7,3% o recorde anterior, de 1,78 milhão m³, registrado em julho de 2020.

Petrobras (PETR4) informa recorde de produção de diesel S-10 e GLP

Petrobras (PETR3 PETR4) vende participação na Gás Local

Petrobras (PETR4) inicia fase vinculante da venda de empresas elétricas

*Com Agência Brasil