Petrobras (PETR3 PETR4) reverte lucro e tem prejuízo R$ 1,5 bi

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Arquivo Agência Brasil

A Petrobras (PETR3 PETR4) registrou prejuízo líquido dos acionistas de R$ 1,546 bilhão no terceiro trimestre, revertendo lucro de R$ 9,087 bilhões de um ano antes. Ante o segundo trimestre deste ano, o prejuízo foi 43% menor.

No critério de lucro líquido recorrente dos acionistas, a petroleira apresentou lucro de R$ 3,169 bilhões, ante saldo positivo de R$ 9,973 bilhões de um ano antes. Neste critério, a companhia apresentou prejuízo de R$ 13,732 bilhões no segundo trimestre.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 22,910 bilhões, uma elevação de 86,1% em relação ao trimestre anterior e 110,7% na comparação anual.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

De acordo com a Petrobras, o resultado financeiro foi pior no trimestre principalmente devido à ausência do efeito positivo relacionado à atualização monetária de R$ 9,3 bilhões sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS ocorrida no segundo trimestre.

O fluxo de caixa da Petrobras atingiu R$ 46,103 bilhões no terceiro trimestre de 2020. Isso representa um aumento de 57,3% na comparação com o trimestre anterior e alta de 41,6% na base anual.

Ebitda cresce

No terceiro trimestre, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 33,440 bilhões. O resultado ficou 33% acima na comparação trimestral e 2,6% na anual.

Conforme a Petrobras, esse resultado deveu-se principalmente ao aumento dos preços do Brent e do volume de vendas, parcialmente compensado por menores crack spreads nos derivados de petróleo, principalmente diesel, óleo combustível, GLP e gasolina, em função do elevado nível de estoques globais.

Já o Ebitda ajustado recorrente foi de R$ 37,271 bilhões – alta de 110,5% no trimestre e 6,1% no ano.

Receita da estatal avança 39%

A receita de vendas foi de R$ 70,730 bilhões, um aumento de 39% na comparação com o segundo trimestre, mas queda de 8,2% na comparação anual.

De acordo com a Petrobras, o terceiro trimestre deste ano foi marcado pela recuperação da demanda de derivados de petróleo no Brasil (crescimento de 18% no trimestre no volume de vendas), que, juntamente com o aumento de nossa participação de mercado, a manutenção do patamar elevado das exportações e o crescimento de 48% nos preços do Brent em reais, resultaram em 39% de aumento da receita líquida em relação ao segundo trimestre de 2020.

As despesas operacionais somaram R$ 14,820 bilhões no período, uma redução de 8,2% em relação ao terceiro trimestre de 2019, mas um aumento de 82,8% na comparação com o segundo trimestre de 2020.

O custo produto vendido totalizou R$ 36,961 bilhões no trimestre, uma elevação de 13,1% na comparação com segundo trimestre de 2020 e queda de 21,4% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

Apesar do aumento de 39% nas receitas de venda trimestrais, o custo dos produtos vendidos cresceu apenas 13%.

Isso, segundo a estatal, se deve principalmente a custos unitários estáveis (com exceção da participação governamental), ao maior volume de nosso petróleo bruto no mix de vendas e à venda de estoques formados a preços mais baixos no segundo trimestre.

Dívida da Petrobras

A dívida líquida da estatal encerrou setembro em US$ 66,218 bilhões, uma redução de 12,2% na comparação ano a ano.

Já alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida/ Evtida ajustado, ficou em 2,33 vezes no final de setembro. Um ano antes a alavancagem era de 2,4 vezes.

Investimentos

A Petrobras investiu R$ 1,638 bilhões no terceiro trimestre de 2020, uma redução de 37,3% em relação ao investido no mesmo período do ano passado.

Os aportes foram destinados principalmente para a exploração e produção.

Desinvestimento

De acordo com a Petrobras, a melhoria da alocação de capital está sendo implementada através da gestão de portfólio, com o desinvestimento de ativos de baixo retorno sobre o capital empregado.

No terceiro trimestre, a Petrobras concluiu a venda da participação remanescente de 10% na TAG, do Polos Pampo e Enchova (campos de águas rasas no Rio de Janeiro), do Polo Ponta do Mel e Redonda (campos terrestres no Rio Grande do Norte), do Polo Lagoa Parda (campos terrestres no Espírito Santo) e também assinou o contrato para a venda do Polo Pescada (campos de águas rasas no Rio Grande do Norte), do Polo Cricaré (campos terrestres no Espírito Santo), do Polo Rio Ventura (campos terrestres naBahia) e do Polo Fazenda Belém (campos terrestres na Bahia).

No quarto trimestre, até o dia 25 de outubro, já assinou o contrato para a venda da PUDSA (ativos no Uruguai).

Confira os destaques do balanço da Petrobras (PETR4 PETR3):