Petrobras (PETR3 PETR4) e trabalhadores fecham acordo e encerram greve

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Gláucio Dettmar / Jornal Grande Bahia

O ministro Ives Gandra Martins Filho, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), informou nesta sexta-feira (21) que a Petrobras e os trabalhadores chegaram a um acordo para por fim à greve que já durava 20 dias e era a segunda maior paralisação da história da categoria.

O acordo ainda parcial entre as partes diz que metade dos dias parados será descontada e que a outra metade dos dias terá de ser compensada; que a multa aplicada aos sindicados foi reduzida de R$ 58,5 milhões para R$ 2,47 milhões; e que a Petrobras vai suspender a aplicação da nova tabela de turnos, que passará a ser feita pelos trabalhadores.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Uma das reivindicações dos petroleiros será decidida na próxima quinta-feira (27), depois do Carnaval, quando haverá uma reunião para discutir as demissões na Araucária Nitrogenados (Ansa), subsidiária da Petrobras.

O ministro saiu da audiência dizendo aos repórteres: “conseguimos resolver a questão da tabela de turnos, conseguimos resolver também, de certa forma, a questão de dias parados e a questão das multas e agora ficou para quinta-feira que vem uma mesa de negociação em relação a questão da Ansa”.

Ansa

A paralisação dos petroleiros começou dia 1º de fevereiro. Os trabalhadores pediam a suspensão das demissões na Ansa. Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), as demissões afetaram mais de mil famílias.

Por sua vez, Petrobras já anunciou a “hibernação” da fábrica, isto é, a interrupção da produção no local. A empresa informou, em nota, que a fábrica tem apresentado recorrentes prejuízos desde que foi adquirida, em 2013: “de janeiro a setembro de 2019, a empresa gerou um prejuízo de cerca de R$ 250 milhões e a projeção para 2020 é de prejuízo superior a R$ 400 milhões”.

O ministro Ives Gandra não acredita que a Petrobras voltará atrás da decisão, mas na reunião do dia 27 serão discutidas eventuais vantagens para os trabalhadores demitidos e o reaproveitamento deles pela estatal.

Gandra diz que “a expectativa é nós conseguirmos dar um encaminhamento que satisfaça trabalhadores, que resolva o problema da empresa, mas, agora, dificilmente poderemos reverter a questão da empresa voltar a funcionar porque ela está realmente desativada. O que estou me propondo a fazer é negociar o que é possível em termos de vantagem para os trabalhadores e eventual aproveitamento de algum trabalhar pela empresa”.

“Desde o começo, a pauta da greve era a abertura de negociação sobre o fechamento da fábrica. Isso foi feito hoje”, afirmou Cibele Vieira, coordenadora da FUP.

Já para Deyvid Bacelar, diretor do sindicato, “somente o fato dessa greve histórica ter conseguido arrancar um espaço de negociação, que a empresa não queria fazer, não queria exercer, é sim uma vitória para nós estarmos avançando no processo de negociação do acordo coletivo de trabalho”.

LEIA MAIS
Petrobras (PETR3) entregará documentos da hibernação da Ansa até 6ª

FUP recomenda suspensão temporária da greve dos petroleiros