Petrobras desiste de criar empresa de energia renovável

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

A Petrobras desistiu oficialmente de se juntar à companhia francesa Total Eren e criar uma empresa voltada para energias renováveis no Brasil.

Depois de costurar um acordo em dezembro de 2018, pelo qual estava previsto o desenvolvimento de uma carteira de projetos de até 500 megawatts (MW) de capacidade instalada ao longo de cinco anos, a multinacional voltou atrás e não selou o negócio.

Martin Rocher, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios na América Latina da Total Eren, revelou que a Petrobras oficializou o fim da parceria em junho deste ano.

A parceria teria a participação de 49% da empresa brasileira e seguiria linha de investimentos em energia solar e eólica.

Segundo o site Poder 360, a Petrobras está construindo uma usina fotovoltaica no município de Açu, no Rio Grande do Norte, que terá capacidade instalada de 1,1 MW.

A Petrobras assinou também um memorando de entendimento para análise de projetos de energia renovável com a norueguesa Equinor, mas não tem intenção de ampliar os investimentos em energias renováveis, como afirmou em mais de uma oportunidade seu presidente, Roberto Castello Branco.