Petrobras (PETR4) tem preço-alvo reduzido a R$ 26 pela Planner

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: Reprodução Sérgio Moraes / Reuters

A Planner reajustou o preço-alvo da Petrobras (PETR4) em decorrência do cenário econômico por conta do coronavirus, passando de R$ 34,50 para R$ 26,00 por ação. A gestora está recomendando a companhia.

Isso porque as petroleiras estão passando por dura crise, mas devem sobreviver. No caso da Petrobras, ela uma companhia dominante no mercado brasileiro.

“Também tem razoável situação financeira”, descreveu a Planner.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

petr4-grafico-tradingview

O que você verá neste artigo:

Caixa

Segundo a Planner, ao final de 2019 a petroleira tinha caixa de R$ 33,3 bilhões e dívidas de R$ 18 bilhões (sem arrendamentos) vencíveis no curto prazo. Para enfrentara a crise, a Petrobras tomou linhas de crédito rotativo no valor próximo de R$ 45 bilhões.

O documento recomenda a Petrobras, mas sem negar que o momento é atípico e que os desentendimentos entre membros da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) levaram os preços do commoditie a cair fortemente.

“Os resultados da petroleira brasileira vão sofrer muito e terão os números do primeiro trimestre de 2020 impactados pela diminuição na demanda”, informou.

Também por conta da expressiva perda nos estoques com queda das cotações do petróleo e derivados, além de, provavelmente, a empresa realizar a contabilização de perdas no valor dos ativos (impairment).

Petrobras

Corte de produção

A companhia anunciou também dois cortes em sua produção de 100 mil barris por dia, equivalentes a 6,8% do volume médio diário produzido no Brasil durante o quarto trimestre de 2019.

“Como a queda na demanda de combustíveis neste momento pode ser estimada em 50%, é muito provável que a empresa faça novas reduções na produção”, informou.

Ontem, a empresa registrou que em abril manterá uma produção média de petróleo no Brasil de 2,07 milhões de barris ao dia, volume 13,5% menor que no quarto trimestre de 2019.

ANP, gás natural, petróleo, coronavírus

Custos de produção

Segundo a Planner, a forte queda nos preços do petróleo está prejudicando muito todos os produtores e inviabilizando aqueles com alto custo.

No quarto trimestre de 2019 a companhia tinha custo de extração médio (sem participação governamental) de US$ 8,22 por barril.

Por área de produção, a empresa teve custo de extração de US$ 5,02/barril no pré-sal (com afretamento), US$ 11,18/b em águas profundas e US$ 27,94/b em águas rasas no quarto trimestre de 2019.

“Nos cortes já determinados, deve parar primeiro a produção em locais de custo mais elevado, como já fez nas plataformas localizadas em águas rasas do Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe e no Polo Garoupa da Bacia de Campos.”

OPEP

Dia 9 de abril a OPEP vai se reunir para discutir a crise do setor e possíveis cortes de produção, que poderão chegar a 10 milhões de barris por dia. “Se houver um acordo, o preço do petróleo pode ter uma boa alta, ajudando a Petrobras”, conforme a Planner.